A Mão Esquerda da Escuridão (Ursula K Le Guin)

Em se tratando de ficção científica, meu ritmo de leitura sempre demora um pouco para engrenar. É todo um mundo novo para se conhecer, leis e filosofias para entender que é preciso ler, ruminar e algumas vezes até reler certos trechos até se acostumar com o estilo do autor. Com o livro da Le Guin não foi diferente, até entendermos (se é que entendemos) o funcionamento da federação galáctica Ekumen e a intricada biologia do genthenianos (que é de causar inveja ao Spock), a leitura vai devagar, mas depois da aclimatação nos envolvemos de tal forma com a missão de Genly Ai, o papel de Estraven na trama e a descoberta de um mundo completamente novo em Gethen que é impossível largar a leitura.

Genly Ai é um Móvel, uma espécie de enviado da federação galáctica Ekumen. Essa federação engloba todos os planetas do sistema galáctico habitados por humanos, todos os conhecidos menos um: Gethen. Este estranho planeta, também chamado de Inverno devido à neve inclemente e o frio incessante, é habitado por humanos de biologia ímpar em todo o universo. Em Gethen, os humanos são andróginos podendo ser tanto homem quanto mulher segundo os estímulos recebidos durante seu período propício ao acasalamento (chamado por eles de kemmer). A missão de Genly é oferecer o convite para que Gethen passe a fazer parte do Ekumen, mas em meio a uma sociedade tão díspar e na qual as entrelinhas do diálogo são tão difíceis de serem decifradas, ele terá um árduo caminho pela frente. Durante seu percurso ele terá de convencer o rei de Karhide, Argaven; ou os orgotas de Orgoreyn e em meio a isso tudo decidir se pode ou não confiar em Estraven, que vinha lhe ajudando desde o início, mas é acusado de traição pelo rei de Karhide.

Entre a narração dos acontecimentos da missão de Genly em Inverno, Le Guin apresenta relatos sob a forma de transcrições, documentos genthenianos ou produzidos por emissários da federação anteriores à Genly, que nos fornecem um panorama geral da vida em Gethen e torna esse novo mundo mais real e palpável, contribuindo e muito para o enriquecimento da leitura.

Uma bela narrativa de ficção científica, que não se restringe apenas à viagens intergalácticas, batalhas interestelares e coisas do gênero. Le Guin criou um romance psicológico, no qual às relações interpessoais são mais importantes e sobre as quais os acontecimentos se desenvolvem. A autora discorre sobre política, relações de gênero, questões sexuais, a burocracia da vida em sociedade, patriotismo, religião e a organização social sem deixar de lado a ciência e as tecnologias, por exemplo, às viagens temporais realizadas pelos Enviados do Ekumen.

Le Guin não se restringiu a divagar sobre acontecimentos 10 000, 100 000 anos no futuro. Seu romance é futurista, mas para contá-lo ela criou um mundo novo, com costumes, lendas, filosofia e religião diversa. Vale à pena ler sua obra, não apenas para acompanhar a missão de Genly, mas também para desfrutar a descoberta de tantas novidades.

Compre aqui:

Cultura Saraiva Travessa Fnac
Anúncios

6 Comentários

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

6 Respostas para “A Mão Esquerda da Escuridão (Ursula K Le Guin)

  1. Feanari

    NOSSA!!! Que coincidência absurda!!!!! Ontem eu postei o Jane Austen Book Club ne?! Nele, o Grigg dá de presente pra Jocelyn dois livros da Ursula Le Guin que ela super despreza e depois que lê, ama! E vc posta uma resenha de um livro dela! Mais coincidência SÓ se tivesse sido o mesmo livro, mas não foi hauahueauheauheuha!

    Tô curiosa desde então pra ler algo dela haha!
    bjo!!

    Curtir

    • Nubia Esther

      Eita, bota coincidência nisso! *o*
      Agora fiquei curiosa para saber quais livros foram, tenho que assistir esse filme logo. o/
      Dela estou muito curiosa para ler o Ciclo de Terramar (que só foi publicado em Portugal, então fica meio caro importar… =/ ), parece que essa série é ótima no melhor estilo SdA. =D

      Curtir

  2. Daniel

    Parece algo muito complexo mesmo, muito detalhado. Como você disse, ele parece diferir das outras obras de ficção por mostrar os acontecimentos mais triviais do mundo em questão, e não apenas eventos grandiosos como batalhas e disputas pelo poder. Fiquei com a dúvida de se isso seria mantido caso a obra fosse adaptada pro cinema.
    Até mais.

    Curtir

    • Nubia Esther

      Não sei se eu gostaria de ver esta obra adaptada para o cinema, acho que no fim acabaria perdendo a sua característica de ficção científica e iria se centrar mais nas agruras que Genly passa para dar cabo à sua missão. Não deixaria de ser um bom filme, mesmo que só isso fosse mostrado, mas a beleza do livro, as relações interpessoais, as implicações da biologia ímpar do genthenianos, não sei se conseguiriam mostrar isso nas telonas com a mesma crueza e ao mesmo tempo sensibilidade que Le Guin nos passa no livro.
      Inté. =)

      Curtir

  3. Pingback: Estas últimas semanas… | Blablabla Aleatório

  4. Pingback: Um Autor de Quinta #9 | Blablabla Aleatório

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s