O Cavaleiro da Ilha do Corvo – Joaquim Fernandes

No mês passado, a Editora Bússola entrou em contato com o blog divulgando o lançamento do primeiro livro do seu catálogo: O Cavaleiro da Ilha do Corvo, do lusitano Joaquim Fernandes. Eu li o release (clique aqui para ler também!) e, apaixonada por romances históricos como sou, perguntei se a editora poderia me encaminhar um exemplar. Para a minha sorte, recebi o livro alguns dias depois. Que leitura!

A narrativa começa de forma bastante despretensiosa, com o autor afirmando que o livro é de ficção, apesar de “…nela se incorporam e entretecem acontecimentos, fatos e personagens reais…”. Somos logo introduzidos ao Cavaleiro da Ilha do Corvo, que nada mais é do que uma estátua antiga com a qual os portugueses que chegaram à ilha no século XV se depararam. Com traços característicos do norte da África, a estátua representa cavaleiro que aponta a América.

O autor passa então a narrar a descoberta da estátua, como ela foi descrita ao rei de Portugal e como este ordenou que a estátua fosse levada a ele. Conta também da placa que foi descoberta próxima à estátua, com caracteres antigos que nem mesmo o mais letrado presente conseguia desvendar.

Eis que entra a personagem principal: professor de uma renomada universidade americana, esportista, fiel usuário de casacos de tweed. Michael Serpa poderia ser Robert Langdon, o herói dos livros de Dan Brown, mas este americano tem um pé na terrinha*, e seu sobrenome lusitano é apenas mais um dos elementos que o diferenciam do personagem de Brown.

*Terrinha é um termo que portugueses e descendentes usam para se referir a Portugal, uma espécie de apelido carinhoso. (Pronuncie devidamente usando o sotaque: Trinha) 

Ao se deparar com a existência de um amuleto árabe com caracteres antiquíssimos encontrado nos Açores, mais uma possível prova de que os espanhóis e portugueses não foram os primeiros a explorar os mares e oceanos do mundo e descobrir a América, Michael decide estudar as “lendas” de navegações pré-Colombo mais a fundo. Isso leva o professor a uma conferência da Universidade dos Açores, na qual conhece Lúcia Lacroix, historiadora portuguesa que enxerga em Michael alguém que tem a mesma paixão pelos mistérios das ilhas.

A dupla passa a procurar por provas do povoamento das ilhas dos Açores por outros povos anteriores à chegada dos portugueses, e esbarra na história da estátua da Ilha do Corvo, e em várias outras pistas. Eventualmente incluem na equipe Sara e Daniel, colegas de Lúcia, e Martin, seu tio, um ex-bibliotecário que possui uma coleção de livros antigos digna da profissão. Os diálogos dos investigadores são sempre munidos de referências a personagens antigos, o que, junto às várias “lendas” que eles perseguem, pode confundir o leitor, mas nada que torne a leitura menos prazerosa.

O tempo todo o autor nos revela que os esforços de Michael e Lúcia estão sendo observados. Alguém não quer que os fatos que eles estão descobrindo venham à tona e esse alguém não poupará esforços para impedí-los.

Quem leu qualquer um dos livros de Dan Brown poderá achar que este é apenas mais um livro que se aproveita da fórmula do americano. Não vou negar que a dinâmica é semelhante, mas comparar Joaquim Fernandes a Dan Brown é praticamente ofensivo. Além de envolver a trama com muito mais mistério, o português escreve melhor, mais concisamente e revela no fim do livro as muitas fontes que usou para escrever o livro.

Como se isso não bastasse, o autor trabalha as passagens do livro com muito mais carinho. Várias vezes eu me via parando de ler o livro para admirar uma ou outra construção que ele usou para descrever os acontecimentos.

“Nesse jardim terreno, o Éden glorioso cantado por Lord Byron nos primórdios do século XIX, das janelas do Lawrence’s Hotel, os rochedos parecem gigantes num observatório que alcança as praias a seus pés, e as águas irrompem da montanha para fecundar as brumas que a habitam. Lá no alto, coroando a espinha de granito, vigilante e sobranceiro ao vilarejo, situa-se o que o compositor Richard Strauss chamou de Castelo do Santo Graal.”

Joaquim recheia a narrativa de metáforas que ilustram o texto e o tornam mais bonito e gostoso de ler. Dá a sensação de que ele não escreveu apenas porque queria publicar um livro, mas pelo prazer de formar frases elegantes.

“Lúcia Lacroix poderia se sentir na pele de Ifigénia, fiha de Agamenon, no tempo da Guerra de Tróia, trocando a fúria dos deuses pelos ventos amenos e a saída da armada grega para o mar. Como a personagem de Eurípedes, a jovem parecia ter sido designada pelos oráculos para subir ao altar da imolação…”

O Cavaleiro da Ilha do Corvo foi um livro que me surpreendeu do início ao fim. Esperava um Bernard Cornwell, e encontrei um Dan Brown melhorado. O livro é bem escrito, as personagens são cativantes e o tema é fascinante. Uma excelente pedida para todos os fãs de história por aí (beijos, Alinde!).

“A História é um rio de múltiplos afluentes e meandros, navegado na medida de cada um”

Gostaria de agradecer, novamente, à Editora Bússola por ter me cedido o exemplar. A leitura foi uma das mais agradáveis que eu tive no ano. Espero ter a oportunidade de ler mais livros da editora no futuro.

Compre aqui:

Cultura Saraiva Fnac
Anúncios

4 Comentários

Arquivado em Editora Bússola, Editoras Parceiras, Resenhas da Feanari

4 Respostas para “O Cavaleiro da Ilha do Corvo – Joaquim Fernandes

  1. Ceinwyn

    Nossa, um dos melhores livros do ano da Fe, com certeza deve ser bom 😀

    Curtir

  2. Pingback: Este mês (Junho de 2011) | Blablabla Aleatório

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s