Entrevista com o Vampiro – Anne Rice

Muitos anos atrás, tive a oportunidade de ler Entrevista com o Vampiro, mas a leitura não me agradou e não cheguei a terminar o livro. No ano passado, deu a louca no Submarino e os livros da série estavam a R$9,90 e por pouco não comprei todos. Fui contida e peguei apenas Entrevista com o Vampiro para mim, para dar uma segunda chance ao livro e provar que meu eu passado estava errado ao achar o livro enfadonho.

Demorei para dar início à leitura, e admito que só o fiz porque falhei no Rehab (leia aqui e aqui) e tive que escolher um livro para ler de castigo. Retomada a leitura, as primeiras páginas fluiram bem, e as demais foram, realmente, um castigo. Houve momentos em que eu preferia fazer QUALQUER outra coisa a ler o livro, o que normalmente é bem raro de acontecer. Mas, sem mais delongas, a resenha:
Como o título leva a intuir, Entrevista com o Vampiro é uma história narrada em uma entrevista. Mas o repórter em questão pouco aparece na história, e se limita a alternar entre o medo e a fascinação que sente por Louis. Não é como se ele realmente bombardeasse o vampiro com perguntas, ele apenas recebe, passivamente, a história narrada. E eu acho que senti falta de um entrevistador mais ativo, que parasse as narrativas com perguntas e interjeições, ao invés de simplesmente ficar ouvindo.

Em 1791, o jovem dono da fazenda Pointe du Lac atrai a atenção da pessoa, ou devo dizer, do vampiro, errado e é transformado em um dos habitantes da noite. O único objetivo de Lestat ao dar a imortalidade dos vampiros a Louis é ter acesso à propriedade e ao dinheiro do fazendeiro para que possa viver no luxo e glamour que sempre desejou. Assim, Louis, fascinado pela vida de vampiro e ansioso para apreender tudo que o mundo pode lhe oferecer, em pouco tempo de vê decepcionado por Lestat, simplório e ignorante.

Louis é uma pessoa transtornada, que não aceita quem é e no que foi tranformado. Não gosta de ter que matar humanos para manter sua imortalidade. E fica o livro todo tentando se achar no mundo, tentando se perdoar por ser um assassino e, simplesmente sendo chato (na minha opinião). Sabe aquela pessoa que reclama de tudo, que culpa a todos por sua vida ser chata, mas que aceita passivamente que ela seja assim? Pois é, Louis é esta pessoa.

Estou distante de tudo, e sempre estive! Nunca pertenci a lugar nenhum, a ninguém, a qualquer época!

O livro todo é narrado dessa maneira melancólica de Louis, que depois de poucas páginas irrita. Acho que ele é o pai dos emos. E foi isso que me irritou, em ambas as leituras. A única coisa que me manteve lendo foi a promessa de que eu leria o livro como castigo do Rehab, porque minha vontade era de parar no meio pela segunda vez.

Não que a história seja ruim, veja bem, mas ao invés de focar na história, a autora foca no sofrimento de Louis. E embora muita gente possa achar esse o lance de gênio da série, para mim foi simplesmente pedante. No fim, as 334 páginas do livro poderiam ter sido narradas em menos tempo (ou poderiam ter tido mais história) e quando eu acho isso de um livro, eu desanimo da leitura. Mas isso não quer dizer que você tem que concordar comigo, né?

A série Crônicas Vampirescas está completa e conta com os seguintes volumes:

  • Interview with the Vampire (1976) / Entrevista com o Vampiro
  • The Vampire Lestat (1985) / O Vampiro Lestat 
  • The Queen of the Damned (1988)/ A Rainha dos Condenados
  • The Tale of the Body Thief (1992) / A História do Ladrão de Corpos
  • Memnoch the Devil (1995) / Memnoch
  • The Vampire Armand (1998) / O Vampiro Armand
  • Blood and Gold (2001) / Sangue e Ouro
  • Blackwood Farm (2002) / A Fazenda Blackwood
  • Blood Canticle (2003)/ Cântico de Sangue

A autora escreveu outra série de vampiros, a Novos Contos de Vampiros, que tem os seguintes volumes:

  • Pandora (1997) / Pandora
  • Vittorio the Vampire (1999) / Vittorio, o Vampiro

Compre aqui:

Cultura Submarino Saraiva Travessa Fnac
Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Feanari

2 Respostas para “Entrevista com o Vampiro – Anne Rice

  1. Pingback: Saturday Rehab #9 | Blablabla Aleatório

  2. Pingback: Um Autor de Quinta #47 | Blablabla Aleatório

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s