Um Autor de Quinta #5

Coluna inspirada no Uma Estante de Quinta  da Mi Muller do Bibliophile. Pretendo toda quinta-feira trazer informações, curiosidades e algumas dicas (nada muito elaborado porque não sou especialista) de leituras e afins sobre algum(a) autor(a).

“Quando eu era menino, os mais velhos perguntavam: o que você quer ser quando crescer? Hoje não perguntam mais. Se perguntassem, eu diria que quero ser menino”.

Fernando Sabino

Fernando Tavares Sabino nasceu no dia 12 de outubro de 1923 em Belo Horizonte. Durante a adolescência, foi locutor de programa de rádio Pila No Ar e começou a colaborar regularmente com artigos, crônicas e contos em revistas da cidade, conquistando prêmios em concursos. O primeiro livro de contos, Os grilos não cantam mais, foi publicado em 1941, no Rio de Janeiro quando o autor tinha apenas dezoito anos, e sendo que alguns contos do livro foram escritor quando Sabino tinha apenas 14 anos. O encontro marcado, uma de suas obras mais conhecidas, foi lançada em 1956, ganhando edições até no exterior, além de ser adaptada para o teatro. O autor faleceu dia 11 de outubro de 2004 na cidade do Rio de Janeiro. A seu pedido, seu epitáfio é o seguinte: “Aqui jaz Fernando Sabino, que nasceu homem e morreu menino”.

Curiosidades:

  • Em julho de 1999 recebeu da Academia Brasileira de Letras o maior prêmio literário do Brasil, “Machado de Assis”, pelo conjunto de sua obra.
  • Em 1966, fez a cobertura da Copa do Mundo de Futebol para o Jornal do Brasil.
  • Em 1960, Fernando Sabino publicou o livro O homem nu, pela Editora do Autor, fundada por ele, Rubem Braga e Walter Acosta.
  • Fundou, em 1967, em conjunto com Rubem Braga, a Editora Sabiá, onde publicou livros de Vinicius de Moraes, Paulo Mendes Campos, Otto Lara Resende, Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, Cecília Meireles e Clarice Lispector, entre outros.
  • Era apaixonado por Jazz e tocava bateria.

Para Conhecer:

Li poucos livros do autor, mas um desses é o meu favorito e vivo indicando-o.

O Grande Mentecapto

Fernando Sabino começou a escrever este livro em 1946, aos 23 anos, como uma distração para a obsessão literária que então o sufocava. Dez anos mais tarde, preocupações de outra ordem levaram-no a escrever o romance O encontro marcado, que tanto sucesso alcançou, além das crônicas, contos e novelas com que conquistou seu numeroso público desde então. Um dia, já em 1979, remexendo velhos papéis, encontrou algumas folhas amareladas pelo tempo, com o princípio da história do grande mentecapto Viramundo. Como um desafio, decidiu retomá-la e, em 18 dias de trabalho contínuo e ininterrupto deu por terminado o romance iniciado 33 anos antes. Enfim, o livro narra as aventuras de desventuras de Geraldo Viramundo, ou poderia dizer o nosso Dom Quixote. Quando ainda moleque enfrentava marias-fumaças e depois quando adulto enfrentava regimes. São e louco ao mesmo tempo. O personagem é cativante e a descrição de suas aventuras inenarráveis é feita com maestria por Sabino. Não me canso de ler e reler este livro, onde os sentimentos sofrem picos de felicidades entremeados e fossos de tristeza.

Para terminar, alguns vídeos interessantes: o primeiro é um depoimento do autor para o Fantástico e o segundo um vídeo sobre a vida e a obra do autor.

Compre aqui:

Cultura Submarino Saraiva Travessa Fnac
Anúncios

1 comentário

Arquivado em Um Autor de Quinta

Uma resposta para “Um Autor de Quinta #5

  1. Pingback: Este mês (Abril de 2011) | Blablabla Aleatório

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s