Um Autor de Quinta #6

Coluna inspirada no Uma Estante de Quinta  da Mi Muller do Bibliophile. Pretendo toda quinta-feira trazer informações, curiosidades e algumas dicas (nada muito elaborado porque não sou especialista) de leituras e afins sobre algum(a) autor(a).

Nick Hornby
Nick Hornby nasceu em Maidenhead, na Inglaterra em 17 de abril de 1957. Hornby estudou literatura inglesa na Cambridge University. Em 1983 ele iniciou sua carreira como jornalista e escritor freelancer. Em seu trabalho ele utiliza frequentemente esportes e música e seus protagonistas costumam apresentar personalidades obsessivas. O autor tem seis romances, três livros de não-ficção, três coletâneas e um roteiro publicados. Vários de seus livros já viraram filmes:

(1997) Fever Pitch (Febre de Bola) — dirigido por David Evans; roteiro por Nick Hornby

(2000) High Fidelity (Alta Fidelidade) — dirigido por Stephen Frears

(2002) About a Boy (Um Grande Garoto) — dirigido por Chris Weitz e Paul Weitz

(2005) Fever Pitch (Amor em Jogo) — dirigido por Bobby Farrelly e Peter Farrelly

Curiosidades:

  • Nick já fez de tudo um pouco quando o assunto é trabalho: já foi professor de inglês, professor TEFL (dava aulas de inglês para estrangeiros), anfitrião para executivos da Samsung que estavam visitando o Reino Unido, jornalista e crítico de música pop para o New Yorker.
  • Para os que já leram Alta Fidelidade e sabem o quanto Rob Fleming gostava de um top 5 list, segue o link para as top 5 lists de Nick Hornby: http://www.penguin.co.uk/static/cs/uk/0/minisites/nickhornby/lists/index.html

Para Conhecer:

Do autor li três livros, três obras que me deixaram com vontade de conhecer todo o restante, o que irei conseguir dar cabo um dia.

Alta Fidelidade

Sua obra mais conhecida, não somente pelo livro, mas também pela versão cinematográfica na qual o papel do protagonista é interpretado pelo John Cusack. Para os que gostam de música o livro é um prato (ou melhor, um toca-discos) cheio.

Sinopse: Uma história sobre monogamia, relações amorosas, solidão e sensibilidade masculina, temperada por música pop, ironia e bom humor. Assim é o romance de estréia de Nick Hornby, Alta fidelidade. Em Londres, após ser abandonado por Laura Lydon, sua última namorada, Rob Fleming, dono de uma loja semifalida de discos de vinil, faz um balanço das cinco piores separações da sua vida. No meio do processo, no entanto, começa a fazer uma reflexão sobre a vida aos 35 anos, as lições que ela traz e todos os compromissos e desilusões que ela implica. Narrado na primeira pessoa por Rob – um alter-ego de Nick? – Alta fidelidade é um romance de geração. Por trás do auto-retrato de um perdedor, surge uma análise fascinante da desorientação afetiva deste final de milênio, da busca pela felicidade — e pela fidelidade — a qualquer preço.

Uma Longa Queda

Como um tema como o suicídio pode ser tratado de forma irônica, leve e divertida? Hornby nos mostra como nesse livro que conta com quatro narradores. Quatro histórias que se entrelaçam e nos prendem de tal forma que é impossível largar o livro sem saber seu final.

Sinopse: Uma longa queda conta a história de quatro pessoas que se encontram por acaso no terraço de um dos maiores prédios de Londres, na noite de Ano Novo, com a intenção de se suicidar. Desesperados mas sem determinação suficiente para pular, Martin, um apresentador de televisão que viu a carreira desabar depois de se envolver em um escândalo, Maureen, uma senhora solitária cuja vida se resume a cuidar do filho que há quase duas décadas se encontra em estado vegetativo, JJ, um músico americano fracassado que sobrevive entregando pizzas, e Jess, a desequilibrada e passional filha do ministro da Educação, começam então uma tragicômica busca por algum motivo para viver, ou pelo menos por alguma desculpa para adiar a morte iminente. Quando os quatro descem para procurar o namorado de Jess, uma improvável comunhão se forma entre eles.

Juliet, Nua e Crua

Seu romance mais recente, no qual os elementos utilizados por ele em Alta Fidelidade estão de volta: um protagonista obsessivo, relacionamentos fracassados e muitas referências musicais.

Sinopse: Há 20 anos, Tucker Crowe abandonou a carreira de músico sem dar explicação, o que gerou enormes especulações. Mesmo após duas décadas, o evento que levou o quase famoso Tucker Crowe a largar a música e se esconder em algum lugar remoto ainda é um mistério. Em ‘Juliet, nua e crua’, o leitor conhece Duncan, um fã obcecado pelo enigma em torno do semiobscuro cantor norte-americano. Obsessão que já começa a desagradar Annie, sua esposa há 15 anos. As opiniões conflitantes colocam em xeque o relacionamento, mas a situação começa a fugir de controle quando o próprio recluso, Tucker Crowe, entra em contato com Annie, por conta do seu último álbum, Juliet.

Posts sobre ele no Blablabla:

Resenha de Juliet, Nua e Crua

Resenha de Como Ser Legal

Link interessante:

http://www.penguin.co.uk/static/cs/uk/0/minisites/nickhornby/index.html

Compre aqui:

Cultura Submarino Saraiva Travessa Fnac
Anúncios

1 comentário

Arquivado em Um Autor de Quinta

Uma resposta para “Um Autor de Quinta #6

  1. Pingback: Este mês (Abril de 2011) | Blablabla Aleatório

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s