Ladrões de Elite (Ally Carter)

“Ela se lembrava de ter achado, na ocasião, que jamais se sentiria tão desconfortável à mesa do tio novamente. Foi ali que seu pai havia planejado o roubo do diamante De Beers quando Kat tinha 3 anos. Naquela mesma cozinha, seu tio orquestrara a interceptação de 80% do caviar do mundo quando Kat tinha 7. Mas nada tinha parecido tão criminoso quanto se sentar ali e anunciar para o tio Eddie que seu maior golpe tinha dado certo e que ela estava abandonando a cozinha da família para se apoderar da educação que uma das melhores escolas do mundo oferecia.”

Como deu para perceber no trecho acima, Katarina Bishop pertence a uma família de ladrões, ou pelo menos pertencia até decidir aos quinze anos se aposentar e tentar levar a vida como uma adolescente normal. O que ela não contava era que três meses depois seu amigo Hale, bilionário e antigo companheiro de crimes, apareceria para acabar com seus projetos e lhe presentear com uma bomba: uma coleção valiosa de pinturas foi roubada de um mafioso e o principal suspeito é o pai da garota, que insiste em negar qualquer envolvimento nesse crime. Acontece que Taccone, o mafioso, não acredita e lhe dá um prazo de duas semanas para que as pinturas sejam devolvidas, mas com o pai na mira de agentes da Interpol, sobra para Kat a tarefa de achar os quadros, roubá-los e devolve-los ao dono. Kat com a ajuda de Hale monta sua própria equipe de ladrões, todos adolescentes e parte em uma corrida contra o tempo que os leva à diversas localidades internacionais.

Fiquei interessada na história por tratar-se de uma temática improvável na literatura juvenil. Jovens que levam vidas secretas há de monte por aí, mas jovens ladrões? Jovens que estão do outro lado da lei e que mesmo assim são capazes de imprimir tanta empatia no leitor que você se torna incapaz de não torcer para que consigam levar a cabo seus “trabalhos”. Mas, não é só do mundo do crime que Ladrões de Elite trata, antes de qualquer coisa é um livro sobre família, amizade e amor juvenil. É também uma ode ao mundo das artes, Carter nos presenteia com muitas informações sobre esse mundo: pinturas, museus, fatos históricos e contextos políticos tornam a leitura um aprendizado também.

Com uma narrativa frenética, que contribui para deixar a história mais dinâmica e que consegue evidenciar o escoar do tempo e o que ele representa para esses jovens ladrões, Ally Carter cria uma história que parece saltar aos olhos e implorar para ganhar as telas. É daqueles livros que você lê em uma sentada, se diverte com os diálogos, suspira pelo mocinho e termina com a sensação de que por mais que não tenha sido uma história profunda, a diversão da leitura fez valer a pena. Ah, e a sensação de que os acontecimentos narrados por Carter dariam um bom filme, no melhor estilo Onze homens e um segredo e Pequenos espiões, poderá ser averiguada em breve. A Warner Bros ganhou a disputa pelos direitos sobre o livro e contratou a Drew Barrymore para dirigir a adaptação cinematográfica da obra. Aposto que será um filme no melhor estilo Sessão da Tarde…

Conheça a série Heist Society:

  1. Ladrões de Elite
  2. Uncommon Criminals

Para mais informações:

http://allycarter.com/

Compre aqui:

Cultura Submarino Saraiva
Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s