Barbies, Bambolês e Bolas de Bilhar – Joe Schwarcz

Desde que eu era pequena, a química me fascina. Eu acreditava que misturar xampus e condicionadores no banheiro era algo mágico e passei muitas tardes com meu irmão aprontando dessas travessuras. Um dos meus maiores traumas é não ter tido um kit alquimia quando era criança. Todo esse amor me fez escolher Química como curso na faculdade e os livros que descrevem a química no dia-a-dia são os meus favoritos, ganhando de todos os romances históricos que podem aparecer por aí. Assim, não é de surpreender que eu comprei 3 livros de química em 15 minutos quando estava na Bienal de São Paulo. Dentre eles estava Barbies, Bambolês e Bolas de Bilhar.

O subtítulo do livro diz que ele contém “67 deliciosos comentários sobre a fascinante química do dia-a-dia”. Estes comentários estão dividos em 7 capítulos, que abrangem desde crimes cometidos usando a química até a sua importância na culinária. Inclusive, este livro contém várias informações sobre aqueles alimentos considerados mágicos para o ser humano. Aquela história de “uma maçã por dia mantém o médico longe”, na verdade, seriam necessárias 3. Também devemos tomar 3 xícaras de chá (verde, que tem mais catequinas) por dia.

Se você leu algum dos livros de Robert L. Wolke (O que Einstein disse a seu cozinheiro 1 e 2 – leia as resenhas aqui e aqui), que são focados principalmente na química dentro da cozinha, você vai gostar bastante deste. Como eu comentei antes, ele fala bastante da química culinária, mas não se limita a ela, o que o torna ideal para alguém que quer ver o quão abrangente a química é.

Os comentários são escritos de forma leve e não é preciso ter qualquer conhecimento em química para entender o que o autor passa. Para temperar o livro, contamos com o estilo meio sarcástico do autor de comentar as informações que nos passa. Inclusive, um dos objetivos do autor ao escrever o livro é ajudar a tirar a conexão que as pessoas fazem entre natural = bom, sintético = ruim e química = cheiros, explosões e câncer. Ele comenta que devemos sempre absorver as informações que chegam até nós de maneira bastante crítica, pois elas podem estar cheias de erros – e isso vale não só para as informações químicas, mas para tudo. O autor “denuncia” que alimentos tidos como naturais, para ter estes rótulos, precisam apenas ser sintetizados por organismos. Ou seja, se usarmos processos bioquímicos (em uma fábrica) para sintetizar as moléculas de algum corante ou flavorizante, este produto pode ser considerado natural, enquanto que o MESMO produto, se for feito em um laboratório, por um químico, é chamado de sintético. E qual a vantagem de ter “natural” no rótulo? Os fabricantes podem cobrar mais do consumidor final, também conhecido como “nós”.

As histórias (ou comentários, como o autor os chama), são todas interessantes. Como química e curiosa, eu adorei o livro. Dentre os livros de química no dia-a-dia que eu li, este é um dos mais fáceis para o leigo ler, ou seja, é um excelente ponto de partida! Ah, e caso a minha indicação não seja o suficiente, três químicos laureados com o Prêmio Nobel de Química: Michael Smith (1981), John C. Polanyi (1986) e Ronald Hoffman (1993) aparecem no verso do livro recomendando-o.

Compre aqui:

Cultura Submarino Saraiva Travessa Fnac Martins Fontes Book Depository
Anúncios

7 Comentários

Arquivado em Resenhas da Feanari

7 Respostas para “Barbies, Bambolês e Bolas de Bilhar – Joe Schwarcz

  1. Sempre preferi química a física, apesar de achar as duas interessantíssimas. Mas com a química sempre tive mais facilidade de estudar e tirava notas melhores.

    Minha mãe que fez técnico em química logo que terminou o terceiro ano. Acho que um pouco foi por isso que eu gostei de química hehehe.
    Ainda procurarei esse livro tão bem recomendado, por pura curiosidade 🙂

    =***

    Curtir

    • Eu nunca tive dúvida de que Química >>> Física… Com certeza sua mãe te influenciou nisso, a gente meio que puxa as habilidades dos pais XD

      Se vc achou esse livro bem recomendado, espera o outro !

      bjo

      Curtir

  2. Nubia Esther

    Agora bateu um arrependimento de não ter comprado um exemplar desse também… O livro parece ser ótimo!

    Curtir

    • Nossa, ele é ótimo! Mas espera a resenha do outro que eu comprei lá antes de comprar seu primeiro livro de química no dia-a-dia =P

      Curtir

      • Nubia Esther

        Eita é melhor que esse? Mari você vai conseguir me arrastar para a literatura de divulgação científica de química… definitivamente. xD

        Curtir

      • HAHAHA quando eu terminar a resenha do outro livro, você vai se perguntar porque diabos escolheu Biologia hahahahaha

        Curtir

      • Nubia Esther

        huehuhua, também não precisamos exagerar… =P
        Olha que eu conheço alguns livros de divulgação científica da área de biologia que são de deixar muita gente querendo ser Dian Fossey, James Watson, Mayana Zats, Stephen Jay Gould e companhia… me aventurarei pela química, mas sempre com alma de bióloga. xD

        Curtir

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s