O Reino do Dragão de Ouro (Isabel Allende)

Atenção, esta resenha trata dos acontecimentos do segundo livro da trilogia As Aventuras da Águia e do Jaguar e pode haver spoilers (evitados ao máximo) sobre fatos do livro anterior. Para saber o que eu achei do primeiro livro, confira os links no final desta resenha.

 o-reino-do-drago-de-ouro-isabel-allende_MLB-F-221315685_4382

Depois da viagem a floresta amazônica acompanhando a avó Kate Cold e após todas as aventuras passadas com sua amiga brasileira Nádia Santos junto ao povo da neblina, Alex Cold descobriu que herdou o espírito aventureiro da avó e mal pode esperar para que a avó seja enviada para algum outro recanto milenar da Terra. Suas aventuras com Nádia, além de terem impedido uma perigosa quadrilha de exterminarem uma das últimas tribos indígenas intocadas, também possibilitaram que uma fundação fosse criada para proteger os índios da Amazônia e em especial o povo da neblina. Ao que parece, as coisas por lá, se não estão devidamente protegidas, pelo menos não estão largadas a própria sorte e aos interesses cobiçosos dos nahab. E uma nova aventura se descortina para Kate e os garotos, dessa vez, saímos do mundo espiritual dos xamãs e adentramos no dos budistas tibetanos.

A revista internacional na qual Kate é colaboradora a enviou para um misterioso e protegido reino situado entre os picos da cordilheira do Himalaia. Mas, não é só a revista que está interessada no pequeno país, infelizmente olhos cobiçosos estão voltados para o país nesse mesmo momento. Tudo por causa de uma antiga lenda, uma lenda que fala sobre uma estátua de um dragão feita de ouro e pedras preciosas que tem propriedades mágicas. Propriedades que um homem está interessado em usar para controlar o mercado financeiro mundial. De repente, um reino que há muito anos está em paz, vê-se alvo de tragédias provocadas por um homem que não se contenta em ser apenas o segundo homem mais rico do mundo. Mas, é claro que os garotos acabam se envolvendo e junto com outros moradores do lugar irão lutar para impedir que esse país seja destruído e que a paz volte a reinar.

Alex e Nádia continuam sendo os protagonistas e grande parte da história gira em torno de suas ações para deter os bandidos e suas relações com seus animais totêmicos, que mais do que nunca encontram espaço para atuar nesse lugar tão repleto de magia e criaturas mitológicas. Mas, o que mais gostei nesse segundo volume da trilogia, foi o espaço concedido à vovó Kate (e que ela não nos ouça chamando-a assim), ela continua rabugenta e com sua birra histórica com o antropólogo Ludovic Leblanc, mas também está mais sentimental que nunca (ainda que tente negar) e sua relação com os garotos é cada vez mais forte, rendendo ótimos diálogos ao longo da narrativa. Outro ponto positivo é a parte dedicada ao treinamento do príncipe Dil Bahadur pelo lama Tensing. Uma história que parece correr em paralelo, com alguns trechos interessantes, mas que não parecem se encaixar na narrativa principal, mas que aos poucos se entrelaçam com ela trazendo o tom místico à trama.

Allende usa a mesma fórmula de A Cidade das Feras: uma viagem, interesse por poder/dinheiro que coloca o local em que estão na mira de bandido e vilões que se mascaram entre os mocinhos, mas que logo são desvendados. Uma fórmula previsível, mas que não tira o encanto da narrativa da autora, que se apoia muito mais nas relações entre os personagens, no respeito e preservação das culturas de outros países e porque não, um pouco de fantasia também. É um romance infanto-juvenil de qualidade, feito para entreter e ao mesmo tempo trazer alguma informação sobre os lugares que os personagens visitam. Recomendo para os que gostam de histórias de aventura com elementos sobrenaturais e não fazem questão que elas sempre tenham uma trama complexa e profunda. Divirtam-se acompanhando as aventuras de Alex e Nádia e preparem-se para acompanha-los em sua próxima viagem.

“Alexander e Nádia trocaram um olhar de cumplicidade, pois haviam decidido que, fosse como fosse, iriam acompanha-la na próxima reportagem. Não podiam perder a oportunidade de viver outra aventura com Kate Cold.”

Conheça a trilogia As Aventuras da Águia e do Jaguar

  1. A Cidade das Feras [Skoob][Goodreads][Resenha]
  2. O Reino do Dragão de Ouro [Skoob][Goodreads]
  3. A Floresta dos Pigmeus [Skoob][Goodreads]

Compre aqui:

Cultura Submarino Saraiva Fnac Fnac
Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

2 Respostas para “O Reino do Dragão de Ouro (Isabel Allende)

  1. Pingback: Um Autor de Quinta #38 | Blablabla Aleatório

  2. Pingback: A Floresta dos Pigmeus (Isabel Allende) | Blablabla Aleatório

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s