Kindle Paperwhite

No começo do mês passado, tive a oportunidade de viajar a trabalho para os Estados Unidos. Sabendo que a viagem provavelmente iria me proporcionar alguns momentos de leitura – no mínimo, algumas horas no aeroporto e no avião – eu levei um livro. Se eu fosse estimar o tempo que eu levo para ler um livro normal (400 páginas), eu diria que demoro entre 6 e 10 horas. Imaginei 3 horas no aeroporto na ida e 3 horas na volta, então um livro seria bom o suficiente…

Neste post, serei bastante fiel ao nome do blog e vou falar um monte de blablabla antes de realmente falar sobre o Kindle. Se você quiser pular as aleatorieadades, por favor, procure o parágrafo em vermelho abaixo. Lá eu começo a falar as minhas impressões.

Pelas minhas reticências no parágrafo anterior e pelo nome desse post, imagino que vocês já devem ter percebido que eu falhei. Um livro foi menos que o suficiente. Tão insuficiente, que, mesmo não tendo lido durante o vôo (e o motivo para isso vai virar outro post), eu terminei o livro poucas horas depois de aterrisar, praticamente na fila de imigração.

O segundo vilão dessa história (o primeiro sendo, obviamente, eu ter lido rápido demais o livro que levei) é o meu pai. Na verdade, o iPad do meu pai, que eu levei comigo para não precisar levar o notebook e ainda ter um meio de me comunicar com o mundo. No iPad, existe um leitor digital e meu pai tinha Orgulho e Preconceito. No hotel, enquanto eu esperava os telejornais vespertinos acabarem, eu comecei a reler a história das irmãs Bennet e notei algo que eu já imaginava: ler em telas de LCD é horrível. Nunca gostei de ler no computador, mas ler no iPad é uma experiência um tanto pior, pois temos que ficar segurando o tablet. No começo, tudo vai, mas depois de alguns minutos, a coisa complica.

Foi assim que eu me vi procurando informações sobre o Kindle. A Alinde escreveu um post no blog dela que me deixou com aquela vontadezinha. Juntou a fome com a vontade de comer e logo me programei para visitar a Best Buy mais próxima para comprar o meu Kindle Paperwhite. Ah, e como se não tivesse motivos o suficiente, faltava menos de uma semana para o meu aniversário.

Na Best Buy, vi todos os modelos de Kindle que existem, desde o mais simples – que está a venda na Amazon.com.br – até o Kindle Fire, concorrente do iPad. No meio deles, estava o Paperwhite. Com a tela e-ink que não cansa a vista, touch screen, luz de fundo ajustável, entre outras características, ele logo me conquistou e eu levei o meu para casa (ou melhor, para o hotel), onde prontamente baixei…….. Orgulho e Preconceito, e deixei o iPad para ver o Facebook e usar o Skype.

Após pagar pelo Kindle, a primeira coisa que me chamou a atenção foi a caixa: totalmente minimalista, como o próprio aparelho. A caixa em si era muito bonita, pena que esqueci de tirar foto dela para verem. Dentro, apenas o Kindle e o cabo USB (bastante longo se comparado ao de um celular). O manual de instruções, sendo um livro, naturalmente estava na memória do aparelho.

Ao ligar, somos encaminhados pelo processo de “personalizar” o Kindle. Dar um nome, colocar email, conectar ao Facebook (para compartilhar os trechos que estamos lendo), definir lingua, tamanho do texto, entre outros. Depois, somos direcionados à loja da Amazon, onde podemos comprar os primeiros títulos e começar a construção da biblioteca particular. Como eu estava pobre depois de comprar o Kindle, me contive em baixar (gratuitamente) alguns clássicos. Além de Orgulho e Preconceito, claro.

Vou mostrar algumas fotos para vocês verem o tamanho desse tablet (clicando na foto, ela aumenta). Ele é muito compacto, sem que a tela deixe de ter bastante texto. Dá para ver bem isso na primeira foto abaixo. Não estou usando a menor das fontes, acho que é a quarta menor e é a ideal para mim. A maior fonte é grande demais, na minha opinião… Parece livro de criança (ou para pessoas com grau alto de miopia ou hipermetropia…).

Na segunda foto, podemos ver o “menu” principal, onde estão expostas as obras que estão no aparelho. Você pode optar pela visualização em lista, mas eu achei bonitinha a exibição de capas. Também dá  para agradar os maníacos por organização e criar pastas para categorizar os livros por autor, gênero… Ao gosto do dono.

Também na segunda foto, está o livro “My Clippings”. Nele, todas as passagens que você grifou e compartilhou, assim como as páginas que você marcou com “orelhas” ficam reunidas em um lugar só, super prático.

Já posso dizer que senti imediatamente a diferença entre a leitura no iPad e a leitura no Kindle. Além do peso (irrisório do aparelho da Amazon), a tela. Não posso enfatizar o suficiente como essa tela é gostosa. Novamente, vejam a foto do texto de Orgulho e Preconceito… Abaixo, fiz uma comparação entre a luz interna apagada e acesa, para vocês verem a diferença.

Como vocês podem ver dá para ler bem indepentdente da luz utilizada. Inclusive, o Kindle recomenda ligar a luz interna quando estamos em ambientes claros, e desligá-la em ambientes escuros.

Na foto acima, com a luz acesa (a da direita), eu aproveitei para mostrar outra facilidade do Kindle: o dicionário interno. Quando você seleciona  uma palavra (basta apenas colocar o dedo sobre ela por alguns segundos), a definição dela aparece automaticamente. Você pode comprar outros dicionários além do padrão que já vem instalado, e definir o que você quer usar no menu de preferências. Eu ADOREI essa função, especialmente porque estou usando meu Kindle tamém para ler alguns livros em Francês, então é sempre bom não ter que carregar o dicionário comigo…

A bateria dura muito. Na volta dos EUA, fiquei 12 horas no aeroporto e a barrinha quase não caiu. Estou com ele faz 1 mês e só carreguei duas vezes – sendo que nenhuma delas foi porque realmente precisava… Foi mais pra evitar ficar sem carga.

Finalmente, a Amazon oferece duas versões de Kindle (independente do modelo, até onde eu sei): uma vem com propagandas da Amazon, outra vem sem. O que isso significa? Basicamente, quando o Kindle está no modo de espera, aparece a Oferta do dia na tela (veja foto abaixo), e um banner de outra oferta quando você está na tela com os livros (veja a primeira foto do post). Ou seja, não incomoda nenhum pouco.

Também dá para ver que podemos bloquear o Kindle com uma senha numérica, para eviar que usem o nosso equipamento sem nossa autorização e, principamente, façam compras na loja online sem nossa aprovação.

Ah, na foto acima, o meu Kindle está “vestido” com a capinha que eu comprei para protegê-lo durante as viagens. O Kindle cabe tão perfeitamente nela que eu sofri um pouco para conseguir tirá-lo da capa para tirar as fotos do post.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Resenhas da Feanari

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s