Fale! (Laurie Halse Anderson)

Fale

Fale! (Speak) foi publicado originalmente em 1999 e marcou o début de Laurie na literatura juvenil. Também deu início a algo que seria recorrente na maioria de seus livros juvenis, a inclusão de temas considerados espinhosos e/ou tabus pela sociedade. Por que não um romance sobre transtornos alimentares? Depressão? Suicídio? Por que falar sobre estupro com adolescentes deveria ser considerado imoral, quando na maioria das vezes são eles as principais vítimas? É sobre este último assunto que trata Fale!. A história de uma garota que sofreu violência sexual e que buscou no silêncio um alento para superar o episódio, mas que ao longo da história precisa se reencontrar e na fala achar força, não para esquecer, mas para enfrentar seu algoz.

“Gosto da sensação do sal das minhas lágrimas ardendo nos meus lábios. Lavo o rosto na pia até não restar mais nada dele, nem olhos, nem nariz, nem boca. Um nada todo liso.”

Melinda Sordino passou a última semana de férias isolada de tudo e todos e é assim que ela começa no seu primeiro dia no Ensino Médio no Colégio Merryweather. Ignorada e excluída por todos, até por aquelas que até bem pouco tempo atrás considerava como amigas. Tudo porque algo de muito ruim aconteceu com ela no verão, algo que ela não contou para ninguém, mas que a levou a ligar para a polícia na festa organizada por Kyle Rodgers. Um telefone que acabou com a festinha, mandou alguns para a cadeia e acabou isolando e emudecendo Melinda. Se na escola o ambiente não é dos melhores, o que dizer do ambiente familiar? Falta comunicação, falta presença e um pouquinho mais de atenção dos pais para com Melinda. Em meio a tanta turbulência, aos poucos Melinda afunda em seu silêncio e é no projeto das aulas de artes que ela encontra sua válvula de escape e quem sabe o caminho para enfrentar o passado…

“Fale! mudou minha vida

me tirou da concha

me fez pensar

nas festas

me deu

asas este livro

abriu a minha boca

eu sussurrei, eu gritei

arregacei as mangas eu

detesto falar mas

estou tentando”

Esses poucos versos, extraídos de um poema composta por trechos de inúmeras cartas que Laurie recebeu ao longo dos 10 anos após a publicação de Fale!, dão uma ideia do quão abrangente a história foi (e continua sendo porque as correspondências não pararam) e o quanto de mudanças ela provocou em seus leitores. Promover mudanças na realidade a partir da ficção foi algo que Laurie conseguiu brilhantemente com a história de Melinda. Fale! traz uma história atemporal, uma realidade infelizmente cada vez mais frequente e o incentivo para que muitas garotas e garotos não permaneçam calados.

A história tem todos os elementos para agradar os jovens. Diálogos bem construídos, personagens interessantes (sim, eu adorei o David Petrakis e acho que Melinda podia dar uma chance a ele no futuro e também gostei muito do Prof. Freeman), críticas ao “sistema de castas escolar” e a forma de ensinar de alguns professores, problemas familiares, o desajuste tão comum ao adolescente… Tudo isso sob a ótica arguta, e porque não, até com um pouco de humor, de Melinda. Mas, além disso, por tratar de um tema de interesse e de importância social, Fale!, também tem grande potencial como obra paradidática, o que é facilitado e incentivado pelo material extra contendo entrevista com a autora, um guia de discussão, além de um texto discorrendo sobre o panorama da violência sexual nos EUA. Material esse que acertadamente foi mantido pela Editora Valentina na edição brasileira, que também acrescentou informações sobre a situação da violência sexual no Brasil. Enfim, seja como leitura de passatempo, ou leitura de discussão, é impossível passar incólume à história de Melinda.

PS1: A capa da edição brasileira (Raul Fernandes) ficou linda. Uma capa exclusiva para nossa edição e que tem tudo a ver com a história.

PS2: A obra foi transformada em filme, O Silêncio de Melinda, lançado em 2004 e que traz a atriz Kristen Stewart no papel da protagonista. Laurie fez uma ponta no filme. Ela foi a atendente que serviu purê à Melinda na malfadada cena do refeitório.

PS3: Momento para piadinha infame. Melinda tem um tic nervoso (morder os lábios). Tá explicado porque a Kristen conseguiu o papel, como não escolher alguém que iria interpretar tal característica tão naturalmente?

Compre aqui:

Cultura Submarino Saraiva Travessa Fnac Fnac
Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Editora Valentina, Editoras Parceiras, Resenhas da Núbia

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s