A Mais Pura Verdade (Dan Gemeinhart)

A MAIS PURA VERDADE_Capa.indd

Quando a Novo Conceito anunciou o lançamento de A Mais Pura Verdade, as comparações foram inevitáveis. Um livro sobre câncer e com a capa azul? Não demorou muito para compararem a obra de Gemeinhart com a de Green. Mas, já vou logo avisando: a semelhança para por aí. Antes de tudo, Mark, o protagonista, tem apenas doze anos, logo o foco aqui não é um romance, mas sim o seu relacionamento de amizade com Jessie, sua melhor amiga desde que ele se lembra. Não há reuniões, terapias em grupo ou sonhos que possam ser patrocinados por associações. O único desejo de Mark é perigoso, potencialmente mortal e nada adequado para um garoto de doze anos sofrendo com o câncer, não é à toa que sua jornada é solitária e clandestina.

“- É como se, sei lá, eu levasse um pedaço de vida comigo. Todas essas coisas acontecem, todos esses pequenos momentos passam por nós e vão embora. Então você vai embora. – Inspirei profundamente e expirei no vidro da janela. – Mas, quando você tira uma foto, aquele momento não passa. Você o prende. É seu. Você pode guardá-lo.” Página 80.

O livro traz a história de Mark. Um garoto de 12 anos, que tem um cachorro chamado Beau, uma melhor amiga chamada Jessie, gosta de fotografar e escrever haicais em seu caderno e tem o sonho de um dia escalar a maior montanha da América do Norte. Mas Mark está doente. Ele tem o tipo de doença da qual algumas pessoas nunca melhoram. O tipo de doença que lhe reserva notícias desesperadoras. É por isso, que Mark decide fugir. Sair de casa apenas com seu cachorro por companhia, sua máquina fotográfica, seu caderno e caneta, remédios e equipamentos de alpinismo. Em direção ao Monte Rainier.

A narrativa principal da história é feita por Mark, em primeira pessoa. Entremeada por vislumbres do que está acontecendo em Wenatchee depois de sua partida. O sofrimento e a busca desesperada empreendida por seus pais e Jessie e os segredos e memórias compartilhados com o amigo.

Coloque um garoto doente vivendo uma aventura junto ao seu cão e é impossível passar incólume. A relação de Mark e Beau é linda e consegue nos emocionar dos pequenos gestos aos momentos de extrema dificuldade. E, enquanto Mark, com todos os percalços, persegue seu objetivo final. Jessie precisa decidir como ajudar o amigo. Entregando seu verdadeiro destino aos pais, ou o deixando atingir aquele que talvez seja seu último destino, o qual ele sonha conhecer há tempos.

Desde o início, a história de Gemeinhart promete muitos momentos dramáticos e de tensão. E essa sensação só aumenta com o avançar das páginas. E mesmo quando achamos que já estamos preparados para todas as tristes possibilidades, o autor nos mostra que a tristeza e o desespero podem ser um pouco maiores. A conclusão dessa história é de uma sensibilidade tão grande que não há como não se apaixonar por essa história. Definitivamente, a jornada do garoto e seu cachorro é emocionante, dramática e reflexiva. E rendeu um ótimo livro.

Compre aqui:

Cultura Submarino Saraiva Travessa Fnac Fnac Fnac
Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Editora Novo Conceito, Editoras Parceiras, Resenhas da Núbia

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s