Lírio Azul, Azul Lírio (Maggie Stiefvater)

Atenção, esta resenha trata dos acontecimentos ocorridos no terceiro livro da série A Saga dos Corvos e pode haver spoilers sobre fatos dos livros anteriores. Para saber o que eu achei dos outros livros, confira os links no final desta resenha.

Lírio azul, Azul lírio - Saga dos Corvos Vol 3

“…o que ela não tinha percebido a respeito de Blue e seus garotos era que todos estavam apaixonados uns pelos outros. Ela não estava menos obcecada por eles do que eles por ela, ou uns pelos outros (…). Blue sabia perfeitamente que era possível existir uma amizade que não tomasse tanto sua vida, que não a cegasse, que não a ensurdecesse, que não a enlouquecesse, que não a excitasse. A questão era que, agora que ela tinha uma desse tipo, não queria a outra. ” (Página 25)

Em Lírio Azul, Azul Lírio, o terceiro livro da Saga dos Corvos, Blue e os garotos continuam em sua busca por Glendower. Eles estão cada vez mais próximos de atingirem seus objetivos, mas por outro lado, os empecilhos, perigos e perdas, se tornam mais frequentes. Eles precisam entender as demandas de Cabeswater, enfrentar novas ameaças que chegam a cidade e lidar com o desaparecimento de Maura e uma profecia envolvendo o rei adormecido e um perigo que não deve ser despertado.

Depois do ritmo frenético estabelecido em Ladrões de Sonhos, Stiefvater vende uma pretensa calmaria em Lírio Azul, Azul Lírio, o que torna a leitura deste terceiro volume a mais arrastada dentre os três livros já publicados. Grande parte dos dramas e embates iniciados aqui, arrastam-se por quase todo o livro (e seguem além), tornando muito difícil enxergá-lo como uma obra completa e coerente como os livros anteriores. A impressão que tive foi que este volume poderia ter sido facilmente diluído entre as tramas do segundo e do último volume, sem prejuízo para a história.

Lírio Azul, Azul Lírio funciona sobretudo como um livro de transição, um preparador de terreno. Com sua trama mais arrastada, ele fornece dicas, insere novos personagens e institui relacionamentos que provavelmente terão muita importância no volume derradeiro. Glendower está próximo (será?); Cabeswater cada vez mais está em sintonia com Adam, mas tem cobrado seu preço também; Gansey e Blue estão prestes a perder a batalha para seus sentimentos, o que nos deixa de sobreaviso por causa da profecia envolvendo Blue e a visão que acabou juntando ela e os garotos de Anglioby; Noah tem deixado os amigos preocupados com a instabilidade de sua atual condição; e Ronan continua tendo seus próprios pesadelos (e novos segredos que sempre surpreendem) para solucionar. E isso tudo, ao que parece, será abordado com força total no último livro da quadrilogia. E é essa promessa que me fez gostar do que foi apresentado aqui. Até porque em se tratando de Stiefvater, a calmaria nunca é duradoura e ela nunca nos priva de capítulos finais frenéticos e repletos de reviravoltas. É assim que ela se desculpa da leve derrapada e garante nossa atenção e anseio pelo capítulo final dessa trama. Que venha The Rave King e que ele não demore a chegar por aqui!

 

Conheça A Saga dos Corvos:

Os Garotos Corvos [Goodreads][Skoob][Resenha]

Ladrões de Sonhos [Goodreads][Skoob][Resenha]

Lírio Azul, Azul Lírio [Goodreads][Skoob]

The Rave King – ainda não publicado

Compre aqui:

Cultura Submarino Saraiva Travessa Fnac
Anúncios

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Uma resposta para “Lírio Azul, Azul Lírio (Maggie Stiefvater)

  1. Pingback: O Rei Corvo (Maggie Stiefvater) | Blablabla Aleatório

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s