Coração? (Gail Carriger)

Atenção, esta resenha trata sobre os acontecimentos do quarto livro da série O Protetorado da Sombrinha e pode haver spoilers dos livros anteriores. Para saber o que eu achei deles, confira os links no fim da resenha.

coracao

No penúltimos volume da série O Protetorado da Sombrinha reencontramos Alexia em seu último mês de gravidez, e, após a protagonista ter virado alvo ambulante de vampiros desesperados e ter recorrido ao último recurso de ir em busca dos templários para obter mais informações acerca do seu bebê, é claro que a curiosidade sobre a natureza dessa criança é o que esperamos ansiosamente desta vez, ainda mais quando as ameaças a Alexia parecem finalmente ter sido sanadas pelo plano bastante arguto de Lorde Akeldama. Mas, conhecendo Carriger como conhecemos é claro que não haveria um volume nessa série que não tivesse perseguições, complôs e ameaças, ainda que pela primeira vez elas não sejam direcionadas à Lady Maccon. Só que a ameaça pode até não ser direcionada à Alexia, mas a revelação do complô, feita por um fantasma enlouquecido diretamente à preternatural, a coloca no centro dessa investigação, afinal é a vida da Rainha que está sendo ameaçada!

“- Me recrutar? – gritou. – Sério mesmo? Que maravilha. E qual é o nome dessa sociedade secreta?

A preternatural hesitou e, em seguida, lembrando-se de uma frase que o marido usara em um momento de irritação, sugeriu, provisoriamente:

– O Protetorado da Sombrinha? ” (Página 113)

Acho que ela só não contava que a pista a levasse a vasculhar o passado do marido e da alcateia de Woolsey, e que ela passaria a suspeitar de assassinos em peles de lobo em vez de donos de presas. E, como se isso já não bastasse, ela tem que ajudar Lorde Maccon com o novo e relutante filhote da alcateia (para imensa tristeza de Lorde Akeldama), decifrar a cada vez mais misteriosa (e com uns parafusos a menos?) Madame Lefoux, e lidar com a irmã que resolveu participar do movimento sufragista e que parece não ter mais receios em longas convivências com o círculo sobrenatural. E, eu já falei que Alexia está em seu oitavo mês de gravidez?

Assim como nos livros anteriores, o ritmo da história é frenético, a narrativa de Carriger é ágil direta e com um toque de humor que por vezes beira o sarcasmo. Humor britânico para ninguém botar defeito. No livro anterior, Carriger já vinha nos preparando para mudanças substanciais na sociedade sobrenatural londrina e ela cumpriu sua promessa, apesar de ter guardado a cereja do bolo para seu capítulo final, ainda que não nos tenha privado de um gostinho no fim.

Está chegando a hora de nos despedirmos dessa sociedade vitoriana repleta de sobrenaturais, invenções mecânicas mirabolantes, chapéus extravagantes e muitos dirigíveis. Já estou com saudades dos seus diálogos eloquentes, das críticas mordazes aos costumes, das investigações levadas às últimas consequências por Alexia e de seus personagens cativantes. Carriger conseguiu tornar até mesmo seus vilões extremamente empáticos. Não é difícil entender todo esse pendor repentino de Felicity por presas e pelagens. Espero que a conclusão não demore a ser publicada por aqui. Sinto que o bebê do casal Maccon ainda irá provocar muito rebuliço em Londres.

Leia uma amostra aqui.

Conheça a série O Protetorado da Sombrinha:

Compre aqui:

Cultura Amazon Submarino Saraiva Travessa Fnac
Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s