Star Wars – Um Novo Amanhecer (John Jackson Miller)

star-wars-um-novo-amanhecer

Um Novo Amanhecer cronologicamente se passa oito anos após a Trilogia Prequela, e, apesar de fazer parte do cânone de Star Wars, basicamente traz a história de como o “ex-jedi” Kanan Jarrus conheceu a piloto/espiã Hera Syndulla. Ambos são personagens principais da série de desenho animado Star Wars Rebels, que como o próprio nome sugere, expande mais o nosso conhecimento sobre a Aliança Rebelde. O livro que pode ser considerado como a primeira aventura da Saga Rebels pode não acrescentar muitas informações acerca do Universo Star Wars, mas John Jackson Miller entregou uma história repleta de personagens cativantes e com uma narrativa envolvente que te prende desde as primeiras páginas.

“Vinha peregrinando por aí desde aquele dia sombrio, anos antes. O mais sombrio dos dias. O dia em que sua vida, como ele a conhecia, desmoronou; foi destroçada por algo que, na época, ele sequer tinha compreendido. Ainda não compreendia muito bem. Lá estava ele, com quatorze anos, completamente dependente da Ordem Jedi para tudo: comida, abrigo, educação e segurança. Amor, talvez não; mas pelo menos tinha estabilidade, paz e bom senso.

E, então, de repente, a República e seus soldados clone se voltaram contra o Jedi. ”

(Página 88)

Kanan Jarrus foi um dos poucos (único?) aprendizes de Jedi que sobreviveram à Ordem 66. No caso dele, foi o sacrifício de sua mestre que lhe garantiu a chance de fugir. Desde então ele tem vivido na clandestinidade, evitando criar problemas com o Império. O personagem Miller já encontrou pronto, mas ele conseguiu contribuir para a construção de um histórico contundente para o personagem e deixou-o cativante o suficiente para deixar no leitor a vontade de continuar acompanhando suas aventuras na série animada. Kanan é um protagonista com aspectos que vão além da bondade e da calma atribuídas aos Jedi. Por tentar negar seu passado, inicialmente por puro terror de ser encontrado e morto pelas forças imperiais e depois para se proteger das perdas que o soerguimento do Império causou, Kanan se tornou um casca grossa. Bebe para esquecer, leva uma vida errante desde sua primeira fuga, tentando ao máximo evitar criar laços e com um ânimo um tanto esquentado com uma leve tendência a entrar em brigas. Depois de tantos anos fugindo, tornou-se especialista em manter-se longe dos radares imperiais. Mas, depois dos acontecimentos no planeta Gorse, onde sua permanência já se estende por um bom tempo, ele não conseguirá ficar sem agir.

Gorse e sua lua Cynda há tempos são explorados pelo Império por causa de suas riquezas minerais, mas de repente essa atenção se torna exacerbada. Uma disputa por poderio político perante o Imperador institui o desespero nos moradores do planeta. Durante uma inspeção imperial, um acidente acontece e Kanan acaba fazendo uso da Força para se salvar, o que o leva a decidir abandonar Gorse e tudo o que conheceu por lá. Mas, quando as ameaças colocam em risco pessoas com quem mesmo ele não querendo passou a se importar; uma misteriosa piloto/espiã lhe chama a atenção; e um especialista em demolições bem intencionado, mas paranoico e com uma interpretação um tanto distorcida dos fatos, atrai a atenção indesejada do Império para si e para Kanan por associação; deixar Gorse por não ser tão simples assim.

A espiã é Hera Syndulla, Twi’lek e rebelde do movimento separatista. Chegou a Gorse para espionar Vidian e descobrir os planos do Império. Uma rebelde super engajada na luta contra o Império e que vem para servir de contraponto à falta de interesse (nem tanto assim) de Kanan em lutar por algo além do bem-estar dele próprio.

Miller criou diálogos afiados, bem-humorados e sarcásticos, o que contribuiu para deixar os relacionamentos entre os personagens cativantes. É impossível passar incólume à amizade de Kanan e Okadiah, à relação incipiente de Kanan e Hera e até mesmo o porre do Skelly (o paranoico já mencionado anteriormente) consegue ter seus bons momentos. O vilão da vez também consegue se impor, e foi legal poder reencontrar a oficial Rae Sloane ainda no início de sua carreira nas forças imperiais.

Para contar sua história, Miller dividiu-a em fases, cada qual sendo precedida por manchetes do HoloNoticiário Imperial. Um artifício interessante e que cumpre bem o seu papel de nos informar sobre a situação política e econômica (ainda que parcial) da Galáxia (mais especificamente de Gorse). Enfim, Miller se mostrou um excelente contador de histórias, fiquei com ainda mais vontade de ler Kenobi, ainda que ele seja uma obra da Legends. Espero que haja novas colaborações de Miller para o cânone, nós fãs é que sairemos ganhando.

Compre aqui:

Cultura Amazon Submarino Saraiva Travessa Fnac Fnac
Anúncios

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Uma resposta para “Star Wars – Um Novo Amanhecer (John Jackson Miller)

  1. Pingback: Resumo do Mês | Blablabla Aleatório

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s