Até que a Culpa nos Separe (Liane Moriarty)

Tudo começa com uma menção a um episódio traumático. Com quem? Não é muito difícil supor acertadamente. Como? É o que Moriarty nos convida a descobrir. Suas implicações? Permeiam toda a narrativa. A forma de contar essa história não é muito diferente da adotada pela autora em seus outros livros, muito pelo contrário, o vislumbre da tragédia, o retorno no tempo, o vai vem frequente na linha temporal da trama e a forma como ela nos apresenta seus personagens, que vejam só, são cheios de defeitos e não criados propositadamente para encantar o leitor, são estratégias bem recorrentes em seus outros livros. Pode-se dizer que essa é a fórmula Moriarty para escrever livros. É mais do mesmo? De jeito nenhum! O foco das histórias de Moriarty está na vida cotidiana de seus personagens, nas relações familiares, na dinâmica do relacionamento entre amigos, nos mal-entendidos, nas pequenas rusgas diárias, nas manias e nos segredos que cada um guarda para si. Transformar o ordinário em extraordinário, com uma boa pitada de drama, de romance e de suspense, é o que torna cada uma das histórias de Moriarty únicas.

“Erika notou um terror bruto e uma urgência aguda naquela única palavra: Clementine!

Sabia que ela era a amiga que gritara o nome de Clementine naquela noite, mas não tinha qualquer recordação disso. Não havia nada além de um branco onde deveria estar aquela memória, e se ela não conseguia se lembrar de um momento como aquele, bem, isso significava que havia um problema, uma anomalia, uma discrepância; uma discrepância extremamente significativa e preocupante. ” (Página 133)

Em Até que a culpa nos separe tudo começa com um churrasco. Era para ter sido inofensivo, apenas uma comemoração, mas terminou em tragédia. Meses depois os envolvidos ainda lidam com a culpa e com as implicações de tudo o que ocorreu aquele dia, bem, de boa parte dele já que ainda há minúcias que permanecem obscuras mesmo para alguns dos envolvidos. Para recontar o que aconteceu, Moriarty divide a tarefa entre todos os presentes. São muitas e muitas versões entrecortadas e Moriarty é exímia em nos manter em suspenso, no limite entre a curiosidade e a compulsão por desvelar os segredos alheios.

Erika e Clementine são amigas de infância. Erika é casada com Oliver, é filha de uma acumuladora, fato que lhe fez desenvolver um TOC severo por organização e limpeza. Ela e Oliver são contadores e o casal não tem filhos. Clementine tem alma de artista e é desorganizada por natureza. Ela é violoncelista e é casada com Sam com quem tem duas garotinhas: Holly e Ruby. No dia do churrasco Erika tinha um grande pedido para fazer a Clementine. E, durante a preparação metódica para receber Clementine, Sam e as garotas em casa, por impulso acaba aceitando o convite do vizinho Vid para um churrasco na casa dele. Um convite que além de Oliver, acaba abarcando também Clementine e família. Mas o fato é que o pedido é feito e uma pequena inquietação surge entre o casal de amigos e é nesse clima esquisito que eles chegam à casa de Vid e Tiffany. A necessidade de desanuviar o ambiente acaba levando à excessos, conversas sussurradas e ações impensadas. Sem dúvidas a tragédia foi o grande agente catalisador, mas tudo o que aconteceu antes dela também impactou a vida dessas pessoas e é preciso incluir isso na reconstrução. O histórico da amizade de Erika e Clementine e o papel da mãe de Erika e da família de Clementine nessa relação. O relacionamento de Erika e Oliver, de Clementine e Sam e de Vid e Tiffany. E a partir do ocorrido, tudo o que a culpa pode corroer, romper e modificar. Mas, também o que pode ser reconstruído.

Agora se tem uma coisa que aprendi com as obras da autora é que sempre, sempre Moriarty guardará uma revelação bombástica para o final, o quadro nunca está realmente completo até que ela revele essa surpresinha. Enfim, Moriarty continua provando que é expert em narrar histórias mundanas. Ela nos transforma em voyeurs ansiosos por mais uma chance de vislumbrar os recantos mais secretos da mente e os segredos mais sórdidos que as pessoas comuns podem esconder sob a superfície aparentemente banal e sem graça. É o terceiro livro dela que leio e foi mais uma ótima e instigante. Mais Moriarty por favor!

 

Leia uma amostra aqui:

Compre aqui:

Cultura Amazon Submarino Saraiva Travessa Fnac Fnac

 

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Editora Intrínseca, Editoras Parceiras, Resenhas da Núbia, Volta ao Mundo em 198 Livros

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s