O Amor nos Tempos do Cólera (Gabriel García Márquez)

A história de Fermina Daza e Florentino Ariza começa no presente. Ela uma senhora de 72 anos, casada com o doutor Juvenal Urbino e mãe de dois filhos já criados e que já estabeleceram suas famílias. Ele um senhor de 76 anos, de muitos amores carnais vividos, mas sempre a espera daquela que primeiro roubou seu coração. De antemão já sabemos que no atual momento, Fermina e Florentino não estão juntos. Mais de cinquenta anos se passaram desde que ela encerrou o relacionamento dos dois e se envolveu com Urbino. E, em seu longevo casamento, eles tiveram suas pendengas (e foram muitas), houve certo arrependimento, mas também foram felizes, até que a morte levou Urbino.

Com Fermina liberta de sua obrigação matrimonial, Florentino coloca-se em cena novamente, reforçando seus votos de amor por aquela que nunca esqueceu. Retornamos então ao passado e descobrimos todos os pormenores do relacionamento dos dois: o deslumbramento inicial, a proibição do pai de Fermina, a viagem empreendida para manter os enamorados distantes, as cartas telegrafadas, o arrefecer dos sentimentos, a separação, a adição de Urbino à equação. Começamos toda uma jornada desde o marco zero estipulado pelo primeiro encontro de Fermina e Florentino até chegarmos novamente ao reencontro dos dois e ao que o futuro lhes reserva. Além do tempo circular, é importante destacar a relevância do tempo psicológico para o andamento da trama. Muitos dos pormenores da história nos são fornecidos pelo fluxo de consciência habilmente empregado por Márquez. É assim que ele nos aproxima de seus personagens. É assim que Fermina, Florentino e Urbino nos cativam, mesmo cada um deles sendo falhos em vários momentos. Estabelecemos uma relação quase de amor e ódio com os personagens e é isso que os torna ainda mais verossímeis e a trama de O amor nos tempos do cólera ainda mais marcante.

Se a arte imita a vida, foi pedindo licença a esta que Gabriel García Márquez lançou as sementes do que viria a ser considerado o seu segundo melhor romance e sua melhor história de amor. Para dar vida à história de Fermina e Florentino ele se inspirou na história de seus pais. De Luisa que foi enviada para longe pelo pai que não aprovava seu relacionamento com Gabriel, e deste que se manteve firme em seu propósito de conquistar Luisa e sua família para que pudessem viver juntos o amor. Nem a distância, vencida pelas inúmeras mensagens telegrafadas, os separou e por fim a insistência de Gabriel e a resolução de Luisa venceram. A história de seus pais teve seu “final” feliz muito mais cedo, mas para Fermina e Florentino, Gabriel reservou uma trama mais épica.

Uma história cheia de meandros, de encontros e desencontros, de desilusões, de entrega, de resiliência e de espera. Um romance que em sua duração abarcou boa parte da história e dos costumes do povo colombiano, que flertou com o realismo fantástico e teceu críticas políticas, sociais e ambientais. É assim que O amor nos tempos do cólera se tornou tanto uma bela ode ao amor quanto um retrato sócio-histórico do período em que se passa a história, a saber, na cidade de Cartagena das Índias no final do século XIX: as ditaduras, a Guerra Civil, a falta de saneamento básico, o cólera e o misticismo em torno da doença, a demasiada importância dada às classes sociais, os conflitos sócio-políticos, os avanços tecnológicos; todos são temas que encontram espaço na história de Fermina e Florentino. É uma história sobre perseverança e sobre o direito de amar e ser amado na velhice. É também um pedaço da história e da vida do povo da Colômbia que sutilmente nos é apresentado. Cartagena foi um quarto personagem nessa trama amorosa, e foi realmente cativante enveredar por suas ladeiras empedradas, adentrar seus quintais frondosos, vislumbrar seus casarões e encarar a imensidão do mar do caribe. Esta obra é um ótimo exemplo de que a jornada (nesse caso a narrativa) é muito mais importante do que a conclusão, e que saber o fim não diminui o brilho da história.

“Era como se tivessem saltado o árduo calvário da vida conjugal, e tivessem ido sem rodeios ao grão do amor. Deixavam passar o tempo como dois velhos esposos escaldados pela vida, para lá das armadilhas da paixão, para lá das troças brutais das ilusões e das miragens dos desenganos: para lá do amor. Pois tinham vivido juntos o suficiente para perceber que o amor era o amor em qualquer tempo e em qualquer parte, mas tanto mais denso ficava quanto mais perto da morte.” (Páginas 393-394)

Compre aqui:

Cultura Amazon Fnac

 

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Desafios Literários, Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia, Volta ao Mundo em 198 Livros

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s