Ponciá Vicêncio (Conceição Evaristo)

“Veio-me à lembrança o doloroso processo de criação que enfrentei para contar a história de Ponciá. Às vezes, não poucas, o choro do personagem se confundia com o meu, no ato da escrita. Por isso, quando uma leitora ou um leitor vem me dizer do engasgo que sente, ao ler determinadas passagens do livro, apenas respondo que o engasgo é nosso. ” (Prefácio, Página 7)

Acompanhando as redes sociais literárias, o nome de Evaristo sempre surgia aqui e ali, mas com a campanha para sua indicação à Academia Brasileira de Letras, suas obras ficaram em destaque e a vontade de finalmente conhecer os escritos dessa autora mineira só aumentou. Ter conhecido a Maya Angelou por seu intermédio na curadoria da TAG Experiências Literárias, só aumentou a sensação de que as palavras de Evaristo ressoariam em mim. Foi assim com Ponciá Vicêncio, a primeira publicação solo da autora. Com um texto enxuto, mas com uma trama rica em apontamentos sociais, Evaristo nos traz a história de Ponciá, neta de escravos libertos, que cresceu nas terras do sinhô coronel de quem “herdou” até o sobrenome, e que parte para a cidade grande em busca de um futuro melhor.

A narrativa de Evaristo não é linear, ora estamos a ler sobre a infância de Ponciá, ora sua vida adulta e então, voltamos à sua adolescência. Como neta de escravos libertos, Ponciá cresceu sem muitas expectativas de crescimento, a vida de sua família ainda estava presa e tenderia a permanecer presa à vida do antigo senhor. E, ainda que a liberdade tenha sido concedida em algum momento, ela nunca foi concreta, sempre atracada às terras da casa grande. Ao crescer, Ponciá decidiu romper esses grilhões e arriscar-se na busca por um futuro melhor, mesmo que tantos outros antes dela tenham tentado a sorte na cidade grande e não tenha tido sorte alguma. Mas, como mulher negra, sem estudos, qualificações ou recomendações, Ponciá vê suas esperanças minguarem pouco a pouco. Com Ponciá, Evaristo escancara a falta de oportunidades, a escravidão moderna que nega a muitos a dignidade de ter um pouco para chamar de seu, de ter direito a sonhar, de se reinventar, de criar um futuro para si. É a desigualdade nua e crua escancarada, a falta de equidade já tão institucionalizada.

“Nas primeiras vezes que Ponciá Vicêncio sentiu o vazio na cabeça, quando voltou a si, ficou atordoada. O que tinha acontecido? Quanto tempo tinha ficado naquele estado? Tentou relembrar os fatos e não sabia como tudo se dera. Sabia, apenas, que de uma hora para outra, era como se um buraco abrisse em si própria, formando uma grande fenda, dentro e fora dela, um vácuo, com o qual ela se confundia. (…). No princípio, quando o vazio ameaçava encher a sua pessoa, ela ficava possuída pelo medo. Agora gostava da ausência, na qual ela se abrigava, desconhecendo-se, tornando-se alheia de seu próprio eu. ” (Página 40)

Quando Evaristo inclui na trama as ausências de Ponciá, todo esse alheamento nos deixa preocupados. O que há de errado com ela? Toda essa ausência é potencializada pelos desencontros e pela separação do que restou de sua família, sua mãe e seu irmão, que também têm espaço nessa narrativa. Os sentimentos escorrem pelas entrelinhas do texto de Evaristo. O acúmulo de perdas que Ponciá angariou desde a infância, as mazelas sociais que lhe negaram um presente digno e as esperanças de um futuro à mulher adulta, a “apatia” que a teia de desencontros no qual Ponciá se viu envolta, potencializou. Um romance de formação repleto de história, de costumes, de ritos, de sociologia e porque não, de política também. Não, não é Alzheimer precoce, não é depressão (ou talvez seja). O alheamento de Ponciá é resultado do alheamento da vida para com ela e outros tantos como ela. São as faltas de oportunidades, a negação de uma identidade própria, o acúmulo de perdas que só deixou para trás o vazio.

Compre aqui:

Amazon
Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Desafios Literários, Leia Mulheres, Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s