Vasto Mar de Sargaços (Jean Rhys)

Escolhi ler Vasto mar de sargaços simplesmente porque a Jean Rhys nasceu na Dominica e eu precisava ter um representante do país no Projeto Volta ao Mundo em 198 Livros, mas ao começar a leitura, descobri que a obra de Rhys (publicada originalmente em 1966) conversa muito com a obra Jane Eyre da Charlotte Brontë. Para ser mais específica, Rhys tomou “emprestada” uma das personagens do livro para narrar sua devida história com a cenas crioulas devidamente corrigidas. Foi assim que Vasto mar de sargaços tomou forma.

O livro se passa na Jamaica e outras pequenas ilhas do Caribe nas décadas de 1830-1840 e traz a história de Antoinette Cosway. Desde a infância até o seu fim derradeiro que o destino lhe reservou. A infância na fazenda fora regada a brincadeiras em meio à natureza, costumes e lendas crioulas, mas o idílio não durou muito. Annette, a mãe de Antoinette, filha de dono de escravos e viúva de dono de escravos acabou tendo de lidar com o ódio reprimido daqueles que durante muito tempo foram explorados pelos colonos. Acabou expulsa da fazenda junto com os filhos e o novo marido. O episódio acarretou em perdas que “quebraram” Annette para sempre e que deixaram Antoinette sem a principal figura feminina de sua vida. Essa primeira parte é toda dedicada e narrada por ela. Desde a sua infância até o seu casamento.

Na segunda parte, temos o ponto de vista do marido de Antoinette, um legítimo inglês. As núpcias contraídas por mero interesse financeiro, o arrependimento de tal decisão e a estranheza ao “estrangeirismo” latente na esposa. Além disso, o ódio dos habitantes locais ao Sr. Cosway estendeu-se aos outros membros da família e perdurou ao longo dos anos. Um ódio que agora é direcionado à Antoinette e que coloca uma carga impossível de lidar em seu casamento, carga que acabará por definir o seu futuro. Na terceira e última parte, fecha-se o ciclo. Abandona-se o lar ou retoma-se (dependendo do ponto de vista) e no processo se perde um bom pedaço de sua identidade. É aqui que a história de Rhys encontra a história de Brontë.

“- Era uma canção sobre uma barata branca. Sou eu. É assim que eles chamam a todos nós que estávamos aqui antes do povo deles vendê-los para os mercadores de escravos. E eu ouvi mulheres inglesas nos chamarem de negros brancos. Então muitas vezes me perguntei quem eu sou e onde é o meu país e a que lugar eu pertenço e por que eu nasci. ” (Página 99)

Tudo isso em um livro curtinho, com uma narrativa concisa, mas que traz com uma riqueza de detalhes a vida em uma colônia pós-escravidão onde os velhos costumes plantaram profundas raízes de ódio. Do ódio do negro às baratas brancas à altivez dos ingleses frente aos negros brancos, Rhys evidencia o choque entre esses dois mundos (país colonizador – colônia). Uma divisão que acompanhou Antoinette desde a infância. Uma vida enredada nesse “mundo antigo” que não é mais do colono e o “novo mundo” que lhe é negado pelos que sempre se acharam melhores.

A releitura de Rhys me deixou com mais vontade de ler Jane Eyre, ainda que esteja destinada a começar a leitura já odiando certo personagem.

Compre aqui:

Amazon Fnac

 

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia, Volta ao Mundo em 198 Livros

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s