O Sonho dos Heróis (Adolfo Bioy Casares)

“- Nessa viagem (porque é preciso chamá-la de alguma maneira) nem tudo é bom e nem tudo é ruim. Por você e pelos outros, não a empreenda novamente. É uma bela memória e a memória é a vida. Não a destrua. ” (Página 46)

A narrativa de Bioy Casares concentra-se em três anos da vida de Emilio Gauna, um jovem mecânico que vive no subúrbio de Buenos Aires. Seguindo a sugestão de seu barbeiro, ele aposta em uma corrida de cavalos e ao sair vencedor, decide gastar a pequena fortuna com os amigos nos três dias do carnaval de 1927. Ao fim do período, o protagonista acorda em um embarcadouro, desnorteado e com a memória falha, mas com a certeza de que algo importante aconteceu na última noite de folia. Cinco curtos capítulos encerram toda a aventura de Gauna naquele carnaval, mas seus efeitos perduram por muito tempo…

Essa experiência modificou a imagem de Gauna perante os amigos, com estes se afastando paulatinamente dele. O barbeiro que te deu a grande dica do prêmio? Vendeu sua barbearia e foi embora. Todos tentando ostensivamente esconder algo que lhe escapa pelos fios da memória. Durante algum tempo, Gauna até tenta levar a vida. Ao pedir conselhos ao Bruxo Taboada, acaba se envolvendo com Clara, a filha do Bruxo. Um relacionamento que ocupa bastante espaço da trama de Bioy Casares e que nos deixa entrever todo o machismo da sociedade argentina do final dos anos 1920. O controle excessivo; a supressão da demonstração pública de sentimentos; a mulher vista como pertence, o que justificaria quaisquer atos retaliativos perante ações indesejáveis. É preciso um bocado de sangue frio e uma boa dose de compreensão para entender que se trata do retrato de tempos idos, e uma boa dose de persistência para atravessar esses trechos nem um pouco amigáveis.

Contudo, a obsessão por aqueles três dias de carnaval estava apenas adormecida e as dúvidas continuam a assolar Gauna. O que seus amigos sabem sobre aquela noite que não lhe contam? Quem era aquela mulher mascarada? Gauna se vê preso em uma voragem que cada vez mais exige que o seu passado seja devassado.

É com fidedignidade ao modo de vida argentino que Bioy Casares nos entrega um romance de costumes, e como já comentado ante, alguns atualmente não muito bem aceitos (ainda bem!). Mas, é na parte final dessa trama, quando o realismo valsa com o fantástico, que ele demonstra o quão bom pode ser em manter a atenção do leitor. No decorrer da leitura tinha certeza de que o final de Gauna e Clara não seria feliz, mas achei que a história enveredaria por outros caminhos. Era o que a trama de Bioy prometia, mas ele de forma surpreendente garantiu uma carga ainda mais dramática à conclusão do seu romance. Ao conferir ao destino quase um papel de protagonista nos eventos derradeiros, ele rompeu o véu entre a realidade e o fantástico e conduziu a busca incessante de Gauna a um fim magistral.

Este foi o livro que escolhi para representar a Argentina no Projeto Volta ao Mundo em 198 Livros.

Compre aqui:

Amazon Fnac

 

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia, Volta ao Mundo em 198 Livros

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s