Temporada de Furacões (Fernanda Melchor)

“(…) os cinco cercados por moscas verdes reconheceram enfim o que assomava sobre a espuma amarela da água: o rosto putrefato de um morto entre os juncos e as sacolas de plástico que o vento empurrava da estrada, a máscara preta que fervilhava com uma miríade de cobras negras, e sorria. ” (Página 18).

Quando Fernanda Melchor idealizou este livro, ela queria fazer um livro-reportagem. A notícia de um cadáver de um bruxo, encontrado num canal de irrigação em um vilarejo canavieiro, suspeito de ter sido morto por seu amante para vingar a doença que afligiu sua esposa supostamente por causa de feitiços feitos pelo bruxo em questão. Melchor queria enfocar o fato da bruxaria ser utilizada como motivo plausível para justificar crimes bárbaros, mesmo pelas autoridades policiais. Mas, as dificuldades de buscar dados em uma região dominado pelo narcotráfico e pela violência contra as mulheres, a fez optar por enveredar pelo campo da ficção.

La Matosa é um vilarejo ficcional no estado de Veracruz, um lugar onde todas as mazelas sociais imperam. É também um lugarejo dominado pelo imaginário popular sobre uma bruxa, temida e influente, aterrorizadora e digna de pena. A trama tem início com garotos encontrando um cadáver em decomposição às margens de um canal. O cadáver da Bruxa. A pessoa que todos procuram para desafogar suas mágoas, atenuar seus anseios, renovar suas esperanças e livrar-se de empecilhos, mas que também é ignorada e enxergada como a mais vil das criaturas. Quem a matou? Qual foi a motivação do crime? Com uma narrativa frenética e sem pausas, evidenciada pela ausência de capítulos, Melchor vai introduzindo diferentes personagens enquanto desvela a vida em La Matosa e a trama de relacionamentos que orbitava a Bruxa. A garota que fugindo de casa, acabou envolvida em um relacionamento sem futuro; os rapazes que confrontados por seus desejos, os renegam na base da violência; a falsa crença de um tesouro que incita ações em prol de um enriquecimento fácil.

É assim que Melchor conseguiu criar uma trama pungente e complexa na qual todos os meandros de um crime brutal são esmiuçados. Da vítima aos culpados, Melchor entrega todos os pormenores, virtudes e defeitos, intenções e maquinações, além dos atos e discursos que perpetuam situações de exclusão, como por exemplo o machismo tão arraigado no cotidiano. Com uma narrativa polifônica, ainda que algumas vozes permaneçam silenciadas intencionalmente, verborrágica e com um flerte com o realismo fantástico, Melchor explora as nuances psicológicas e emocionais daquilo que é caracteristicamente denominado de “crime passional”, sem deixar de lado o discurso crítico tão necessário. Vale a pena manter o radar ligado nas publicações da autora.


*Temporada de Furacões foi o primeiro livro a ser enviado pelo Clube Tortilla. “Uma Facción Literaria” encabeçada pelas editoras Moinhos e Mundaréu que envia livros de literatura hispânica para seus associados.

**Este foi o livro que escolhi para representar o México no Projeto Volta ao Mundo em 198 Livros.


Leia uma amostra aqui:

Compre aqui:
Amazon Fnac

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia, Volta ao Mundo em 198 Livros

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s