Como Evitar um Desastre Climático (Bill Gates)

“(…) não conseguiremos chegar a emissões zero apenas – ou sobretudo – andando menos de avião e carro. Assim como foram necessários novos testes, tratamentos e vacinas para o novo coronavírus, precisamos de novas ferramentas para combater as mudanças climáticas: maneiras carbono zero de produzir eletricidade, fabricar coisas, cultivar alimentos, refrigerar e aquecer nossos edifícios e transportar pessoas e produtos pelo mundo. E precisamos de novas sementes e outras inovações para ajudar os mais pobres – muitos deles pequenos agricultores – a se adaptar ao clima mais quente.” (Página 21).

Para impedir o aquecimento global e evitar os piores efeitos das mudanças climáticas precisamos reduzir os 51 bilhões de toneladas de gases de efeito estufa lançados anualmente na atmosfera para zero. Isso mesmo, zero! E isso tendo de aumentar a geração de energia e equalizar a sua distribuição, e em um assunto, que apesar de estar em voga, ainda encontra bastante resistência na sociedade e no meio político. É essa tarefa hercúlea, de falar sobre o aquecimento global e discorrer sobre prováveis soluções, que Bill Gates toma para si em “Como evitar um desastre climático”.

O aquecimento global pode ser inevitável, mas é possível desacelerar esse processo e isso é fundamental para pensarmos em visa a longo prazo. Com uma linguagem clara e concisa, mas bem referenciada e com inúmeras dicas de leituras extras, Gates em doze capítulos desmitifica o aquecimento global para o público leigo e transita por cada uma das atividades humanas que mais contribuem para a emissão de gases estufa, mostrando como o fazem, quais as possíveis soluções e os custos necessários para elas serem implementadas. Ele também se debruça sobre a tecnologia necessária para nos adaptarmos a um mundo mais quente; a importância das políticas públicas; e, sobre como cada um de nós pode contribuir para essa batalha.

Não dá para se pensar em chegar a emissões zero com soluções que impliquem o abandono de atividades já consumadas, não dá para simplesmente congelar todas as atividades humanas. É tendo em conta essa realidade que Gates se debruça sobre cinco atividades cruciais e que mais contribuem com esses 51 bilhões de toneladas que precisamos zerar:

  1. Como ligamos as coisas na tomada e a importância de se produzir eletricidade limpa, abrangente e acessível a partir de fontes renováveis.
  2. Como fabricamos as coisas. Para produzir o aço, o concreto e o plástico, três dos principais produtos usados na construção civil e indústria, muitas toneladas de carbono são emitidas. Fica claro a necessidade urgente de inovação no processo de manufatura desses materiais.
  3. Como cultivamos as coisas e todo o problema representado pela criação de animais para a alimentação e sua contribuição para o efeito estufa. Aqui, Gates poderia facilmente descambar para o cenário mais fácil e radical de proposição de soluções para diminuir a emissão da pecuária (i.e., consumo de carnes), mas ele opta por trabalhar com a realidade e respeitando as dificuldades inerentes a essa mudança de hábito, como as carnes vegetais e as carnes cultivadas em laboratório. O potencial de inovação nesse setor é imenso.
  4. Como transportamos as coisas, o uso dos biocombustíveis e os carros elétricos.
  5. Como esfriamos e aquecemos as coisas. Como diminuir a emissão de carbono em algo que se tornou necessário para “vencer” as ondas de calor, mas que ironicamente, contribui para aumentar o aquecimento global?

Como já era de se esperar, apesar desses problemas serem pensados globalmente (e assim o devem ser), as soluções propostas focam-se principalmente nos Estados Unidos, mas já é um primeiro passo e um exemplo que pode ser adaptado. E, enquanto essa conta não puder ser fechada favoravelmente para nós, será preciso nos adaptar. A um mundo mais quente, que irá impactar principalmente os mais pobres, com potencial para desencadear conflitos civis e aumentar sobremaneira as desigualdades sociais. Lutando pela implementação de políticas públicas que serão cruciais nesse processo de zerar emissões de carbono. Autoconsciência crítica e mudanças de hábitos para os que podem fazê-lo é essencial! O que fica evidente é que é preciso começar e quanto antes melhor. Se informar sobre o assunto é um bom começo.

Leia uma amostra aqui:

Compre aqui:
Amazon Fnac

Deixe um comentário

Arquivado em Companhia das Letras, Editoras Parceiras, Resenhas da Núbia

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s