Arquivo da tag: Big Little Lies

Um Autor de Quinta #105

Coluna inspirada no Uma Estante de Quinta da Mi Muller do Bibliophile.

 

 

Liane Moriarty

Não é segredo para ninguém que eu gosto muito das histórias da Liane Moriarty. Ela publicou livros direcionados tanto para o público adulto quando para o infantil. No Brasil apenas os direcionados para o público adulto foram publicados, já tive a oportunidade de ler três (dos quatro publicados no Brasil) deles e sempre terminei a leitura surpreendida. Com a forma como Liane consegue transformar fatos do cotidiano e histórias de pessoas comuns em tramas surpreendentes, com o espaço que ela concede às vozes femininas primando sempre pela diversidade, e como essa mistura toda no final acaba rendendo tramas repletas de dramas, romance e até mesmo um pouco de romance investigativo e suspense. Liane faz parte do grupo de autoras que me fazem ficar de olho em seus próximos lançamentos. Continuar lendo

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Um Autor de Quinta

Pequenas Grandes Mentiras (Liane Moriarty)

Pequenas-Grandes-Mentiras

Durante uma festa de pais de alunos da Escola Pública de Pirriwee, alguém cai da varanda da escola e morre. Eis o evento chave no qual Moriarty apoia toda a trama de Pequenas Grandes Mentiras. Utilizando um recurso muito comum em algumas séries televisivas procedurais, ela dá um vislumbre do que ocorreu, sem entregar informações cruciais (quem é a vítima?), e retrocede no tempo para ir mostrando aos poucos os eventos que culminaram no fatídico acontecimento.

Aqui, voltamos seis meses no tempo. É início das aulas na Escola Pública de Pirriwee e aos poucos somos apresentados à enorme quantidade de personagens, o que pode até confundir num primeiro momento, mas que Moriarty, com sua narrativa sob múltiplos pontos de vista, logo consegue deixá-los íntimos ao leitor. E especialmente, ela deixa o leitor bem próximo daquelas que poderiam ser consideradas as protagonistas dessa história: Madeline, Celeste e Jane.

Madeline é aquela pessoa que tem todos os elementos para você não gostar muito dela logo de cara: seu pendor por futilidades (que ela mesmo admite), sua tendência a criar tempestades com copos d’água e sua prontidão para se vingar, mesmo quando o assunto não tem nada a ver com ela, acho que podemos acrescentar aqui também, sua tendência a meter o bedelho onde não é chamada. Mas, ao mesmo tempo, toda essa exuberância em viver, em não levar “patada” para casa, em estar disponível para os amigos são qualidades cativantes. Ela também é uma mãe de primeira e faz tudo por seus filhos, mesmo quando a mais velha (filha do primeiro casamento) está determinada a ir morar com o pai e a jovem madrasta. O pai que quando a menina nasceu, fez as malas e foi embora. O pai que decidiu voltar e de repente se tornar o progenitor exemplar e com o qual Madeline ainda terá que ter mais contato do que acharia ser saudável, já que a filha do ex-marido com a nova mulher estará na mesma turma de jardim de infância de sua filha caçula. Não é difícil entender o seu lado e torcer por ela em muitos momentos dessa história. Continuar lendo

3 Comentários

Arquivado em Editora Intrínseca, Editoras Parceiras, Resenhas da Núbia