Arquivo da tag: biologia

O Polegar do Violinista (Sam Kean)

opolegardoviolinista

Sam Kean é jornalista dedicado à divulgação científica, dos mais variados campos. Seu primeiro livro A Colher que Desaparece (já resenhado pela Mari aqui no blog) envereda pelo mundo dos elementos químicos; no mais recente, O Duelo dos Neurocirurgiões, ele traz histórias de curiosidade neurológicas; e, em O Polegar do Violinista o DNA é a grande estrela. Aqui ele narra a história da genética e os avanços que têm revolucionado nossa maneira de entender o passado e moldar nosso futuro.

“(…) a história do DNA substituiu as antigas aulas sobre a civilização ocidental como a grande narrativa da existência humana. A compreensão do DNA pode nos ajudar a entender de onde viemos e como nosso corpo e nossa mente funcionam; entender os limites do DNA também nos ajuda a conhecer como nosso corpo e nossa mente não funcionam.

(…)

(…) as questões ainda não estão totalmente resolvidas. As coisas ainda são incertas – em especial o problema de como vai acabar esse grande experimento de desenterrar tudo que há para saber sobre o nosso DNA. ”

(Páginas 14 e 15)

São dezesseis capítulos e um epílogo nos quais Kean narra o passo-a-passo das principais descobertas científicas, mas não se restringe apenas a elas. Ele faz um ótimo trabalho ao garimpar a história de cada um desses momentos: as relações sociais, as convicções políticas e as profundas mudanças ocorridas nas épocas em que elas aconteceram. Tudo isso com um texto claro e envolvente, de fácil compreensão, com exemplos e comparações certeiras e várias e várias notas diretas e até mesmo digressivas. E elas são tantas que muitas tiveram de ser suprimidas por falta de espaço. Aos mais curiosos recomendo que visitem o site do autor. Além das notas adicionais, há figuras, links, jogos e vídeos que tornarão a leitura ainda mais enriquecedora (em inglês). Continuar lendo

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Diversidade da Vida (Edward O. Wilson)

diversidade da vida

“Ouvi ao meu redor o coro grego do treinamento e da cautela: como você pode provar que esta é a razão de serem dominantes? Fazer tal associação não é mais uma vez concluir precariamente que se dois eventos ocorrem juntos um tem de causar o outro? Algo inteiramente diferente pode ter causado ambos. Pense nisso. Que tal uma maior capacidade individual de luta? Ou sentidos mais aguçados? Ou o quê?

Esse é o dilema da biologia evolucionista. Temos problemas a resolver e temos respostas claras – um excesso de respostas claras. O difícil é escolher a resposta certa. A mente isolada move-se em círculos lentos, e os avanços são raros. A solidão é melhor para eliminar ideias do que para criá-las. Gênio é apenas a produção de muitos vinculada aos nomes de poucos para facilitar a lembrança, uma injustiça para tantos cientistas. ” (Página 14)

Em Diversidade da Vida Edward O. Wilson traz quinze capítulos divididos em três seções: Natureza Violenta, Vida Resistente; O Aumento da Biodiversidade; e O Impacto Humano. Na primeira seção Wilson apresenta alguns exemplos emblemáticos de como eventos destrutivos são contornados pela vida e termina falando sobre os cinco grandes eventos de extinção que a Terra sofreu ao longo de sua história evolutiva. Assim, nos prepara para inserir o evento mais emblemático, recorrente e atual de extinção que estamos provocando. Mais pernicioso do que alguns dos mais catastróficos do passado, justamente por não haver tempo de recuperação cabível, não ao menos na escala de vida do Homo sapiens. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Cartas a um jovem cientista (Edward O. Wilson)

cartas a um jovem cientista

“Todo mundo sonha acordado, como um cientista, de alguma forma. Fantasias elaboradas com disciplina são a grande fonte de todo o pensamento criativo. Newton sonhava, Darwin sonhava, você sonha. As imagens evocadas são a princípio vagas. Elas podem variar de formato e surgir ou desaparecer. Elas se tornam um pouco mais sólidas quando desenhadas em diagramas em blocos ou folhas de papel, e ganham vida à medida que se buscam e se encontram exemplos reais. ” (Página 31)

Provavelmente não há um biólogo do campo da zoologia, ecologia, e/ou evolução que não tenha ouvido algo sobre Edward O. Wilson. Em algum momento da graduação, você conheceu ou conhecerá um pouco mais sobre esse cientista, que escolheu estudar as formigas e que fez importantes contribuições nas áreas da sociobiologia, da biogeografia de ilhas e do comportamento das formigas. Mas, acima de tudo, pelo seu comprometimento em proteger a biodiversidade da Terra e em compartilhar o conhecimento científico por meio de diversos livros publicados, muitos deles, voltado ao público geral como o A Criação: como salvar a vida na Terra ou Diversidade da Vida.

Em Cartas a um Jovem Cientista, seu público é um pouco mais focal, mas ainda assim é abrangente no sentido de não se direcionar apenas aos aspirantes as carreiras científicas nas áreas biológicas, mas também em outras áreas da ciência como a química e a física. Escrito no formato de epístolas, Wilson compartilha vinte cartas sobre o amor pela ciência e o prazer pela descoberta. E Wilson tem muitas histórias para compartilhar. Histórias de quando era garoto e colecionava insetos, de quando passou um tempo interessado pelas serpentes na época que fora escoteiro, e de como acabou escolhendo as formigas para serem suas companheiras pelo resto de sua vida científica. Seus primeiros passos na academia, suas expedições em busca de seus graais, seu envolvimento com os projetos de seus orientados e sua dedicação para fornecer a eles todo o suporte necessário para o bom encaminhamento de suas pesquisas. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

A Longa Marcha Dos Grilos Canibais (Fernando Reinach)

a longa marcha

“Cada descoberta científica é uma pequena história de aventura. Partindo da segurança de um lugar conhecido, a expedição penetra em território inexplorado. Muitas vezes a aventura é apenas divertida, outras vezes nos força a mudar crenças centenárias. As implicações do que encontramos podem ser morais, políticas ou deliciosamente práticas.” Página 13.

As descobertas científicas, quer sejam elas grandes ou pequenas, desvendam para nós um pouco mais sobre os mistérios, respondem questões centenárias, derrubam por terra crenças dogmáticas, geram novas e/ou corroboram velhas teorias. Essas descobertas são divulgadas no formato de publicações científicas, mais comumente nos artigos publicados em revistas especializadas na área. É uma boa forma de fazer com que os resultados de uma pesquisa venha a público (ainda que o sistema utilizado atualmente falhe em alguns pontos), mas a linguagem técnica utilizada torna esses textos praticamente inacessíveis para o público leigo. Muitas vezes a história retratada ali é belíssima, mas o texto árido acaba afastando muitos curiosos. Por esse motivo, admiro quem trabalha para fazer essa ponte academia-sociedade, recontando o que está sendo produzido e quais conhecimentos novos foram gerados em uma linguagem direta e clara. Textos que podem despertar a curiosidade em algumas mentes e porque não, contribuir para que alguém decida-se por seguir a carreira científica. E digo isso com o conhecimento de quem consumia com afinco durante a adolescência os textos publicados na Superinteressante, Ciência Hoje e Scientific American e que continua indo atrás desse tipo de publicação, denominada de divulgação científica, nos blogs e colunas de sites e principalmente nos livros. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Seu Genoma Por Mil Dólares (Kevin Davies)

Nem lembro direito de como decidi que queria ser bióloga, mas me recordo que os meus interesses na Biologia sempre variaram muito ao longo do tempo. Quando estava no ensino médio, por exemplo, eu queria muito ser geneticista. Eu até falava que ia fazer meu mestrado com a Mayana Zats na USP… Passou o tempo e acabei me enveredando por outros caminhos, mas a admiração e curiosidade pelo mundo da genômica nunca passou, e sempre que fico sabendo sobre um livro de divulgação científica (uma das minhas leituras preferidas) do tema fico interessada para ler. Foi assim que acabei conhecendo os livros do Kevin Davies: Decifrando o Genoma (publicado em 2001 e que traz os bastidores do Projeto Genoma Humano) e sua mais recente publicação Seu Genoma por Mil Dólares.

“… os novos testes lidam com probabilidades, chances percentuais e riscos relativos de doenças comuns que afligem todos nós e que incluem componentes genéticos e ambientais, sem que nenhum dos dois esteja bem definido. É como uma previsão do tempo na tevê prevendo 60% de chance de chover, quando tudo que ser quer saber é: preciso ou não levar o guarda-chuva amanhã?”

Nove anos depois (o livro foi publicado originalmente em 2010, em 2011 foi traduzido e publicado no Brasil) da publicação de Decifrando o Genoma e sete anos após a conclusão do Projeto Genoma Humano, Davies faz uma análise sobre os impactos éticos e sociais que o desenvolvimento da genética proporcionou (e pode vir a proporcionar) nas ciências biológicas e na medicina. Quem poderia imaginar que após uma batalha tão longa para conseguir sequenciar o primeiro genoma humano, menos de uma década depois, teríamos ferramentas e técnicas tão poderosas que propiciam a obtenção do genoma por um custo infimamente reduzido quando comparado aos grandes gastos do PGH? Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia