Arquivo da tag: crônicas

Letra e Música (Ruy Castro)

Ruy Castro é conhecido por sua produção de biografias (são deles as de Nelson Rodrigues e Carmem Miranda) e por seus livros de documentação histórica, como o ótimo Chega de Saudade no qual retraça os caminhos que levaram ao surgimento da Bossa Nova. Ele também teve passagem por importantes veículos da imprensa até a década de 90 quando passou a se dedicar aos livros. De volta aos jornais, desde 2007 Ruy publica crônicas na coluna que assina quatro vezes na semana no jornal Folha de São Paulo. Letra e Música, publicado pela extinta Cosac Naify, traz um compilado de algumas de suas crônicas e ensaios publicadas entre 2007 e 2013.

O livro é composto por dois volumes com 64 pequenos textos em cada. No primeiro, A Canção Eterna, estão os textos do Ruy apaixonado por música: Continuar lendo

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Desafios Literários, Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Apaixonada por Histórias (Paula Pimenta)

apaixonada por historias

Em Apaixonada por Palavras, a Paula Pimenta compartilhou conosco crônicas sobre o cotidiano, o que a Paula por detrás de nossos personagens favoritos, pensa sobre família, relacionamentos, amores, sonhos… O livro foi lançado sem maiores pretensões, mas fez um sucesso tão grande e foram tantos os pedidos por mais textos que uma segunda coletânea foi encomendada.

Apaixonada por Histórias já começa apaixonando o leitor desde a capa, o Diogo Droschi já deixou todos os leitores da Paula mal-acostumados com capas tão lindas. E aqui, a exemplo de Apaixonada por Palavras e Confissões, ele não se restringe apena a capa, envereda pelas páginas colorindo ainda mais a narrativa da Paula (as folhas roxinhas são puro amor!). Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

A Longa Marcha Dos Grilos Canibais (Fernando Reinach)

a longa marcha

“Cada descoberta científica é uma pequena história de aventura. Partindo da segurança de um lugar conhecido, a expedição penetra em território inexplorado. Muitas vezes a aventura é apenas divertida, outras vezes nos força a mudar crenças centenárias. As implicações do que encontramos podem ser morais, políticas ou deliciosamente práticas.” Página 13.

As descobertas científicas, quer sejam elas grandes ou pequenas, desvendam para nós um pouco mais sobre os mistérios, respondem questões centenárias, derrubam por terra crenças dogmáticas, geram novas e/ou corroboram velhas teorias. Essas descobertas são divulgadas no formato de publicações científicas, mais comumente nos artigos publicados em revistas especializadas na área. É uma boa forma de fazer com que os resultados de uma pesquisa venha a público (ainda que o sistema utilizado atualmente falhe em alguns pontos), mas a linguagem técnica utilizada torna esses textos praticamente inacessíveis para o público leigo. Muitas vezes a história retratada ali é belíssima, mas o texto árido acaba afastando muitos curiosos. Por esse motivo, admiro quem trabalha para fazer essa ponte academia-sociedade, recontando o que está sendo produzido e quais conhecimentos novos foram gerados em uma linguagem direta e clara. Textos que podem despertar a curiosidade em algumas mentes e porque não, contribuir para que alguém decida-se por seguir a carreira científica. E digo isso com o conhecimento de quem consumia com afinco durante a adolescência os textos publicados na Superinteressante, Ciência Hoje e Scientific American e que continua indo atrás desse tipo de publicação, denominada de divulgação científica, nos blogs e colunas de sites e principalmente nos livros. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Apaixonada por Palavras (Paula Pimenta)

apaixonada por palavras

“É rara a ocasião em que não estou com um livro por perto, e mais raro ainda é o momento que não estou com um bloco e uma caneta. Sempre anotando, pensando por escrito. Porque, se o amor à primeira vista aconteceu com as palavras lidas, o mesmo, e ainda mais forte, aconteceu com as manuscritas.”

(trecho da Introdução de Apaixonada por Palavras)

Pensar por escrito, está aí um hábito que tenho desde que me entendo por gente e depois da classe de alfabetização e cadernos de caligrafia. Pena que minhas aventuras pelo mundo das palavras se restringem às minhas leituras e as anotações que faço delas, talvez se não tivesse largado o hábito de escrever crônicas lá no ensino médio, conseguisse escrever uma crônica para falar das belas crônicas escritas por Paula. O jeito é me contentar com meus arremedos de resenhas.

Em Apaixonada por Palavras podemos acompanhar a Paula de dez anos atrás que já dava mostras da habilidade de “brincar” com as palavras e através delas falar de sonhos, amores, saudades, amizade e outros assuntos do seu (mas que também foram e ainda são do nosso) cotidiano. São nove anos de histórias, nove anos de fotografias em palavras, em sua maioria textos sobre amor e relacionamentos, mas também há espaços para textos mais sérios e tristes e também para textos sobre períodos marcantes de sua vida como a história da publicação de Fazendo Meu Filme. Depois de acompanhar o roteiro da vida da Fani, começar a acompanhar a vida fora de série da Priscila e ler Apaixonada por Palavras, cheguei a conclusão de que a identificação com as obras da Paula é inerente. Identificamo-nos com seus personagens tão habilmente construídos em seus romances, e também com a autora de carne e osso por trás deles que nos é revelada em seu livro de crônicas.

trecho apaixonada

Dos textos escolhidos para essa coletânea, tenho os meus preferidos: Casa, escrito em agosto de 2005, que fala sobre o período em que ela morou em Londres e a saudade constante companheira dessa época; O Filme da Minha Vida (setembro de 2005) e Bem Guardado (janeiro de 2008), ambas que falam sobre as lembranças, algumas que ficam só na memória, nossos filmes particulares, outras que voltam sempre que nos deparamos com as provas físicas de que aconteceram. Ri, chorei e tive momentos de fofurice lendo Apaixonada por Palavras. E, ah, amei o texto escolhido para encerrar o livro (Ani-versário). Crônica repleta de Paula e de suas esperanças de escritora. Aproveito a oportunidade para desejar que venham muitos anos e que em todos eles a Paula guarde muitos versos, ou melhor, compartilhe-os com seus leitores. Se você como eu também é apaixonada por crônicas, vale a pena conhecer os textos da Paula e correr o risco de se apaixonar por eles, se ainda não leu nada do gênero eis uma oportunidade para começar. Fiquei muito contente em saber que há planos para uma segunda coletânea.

Compre aqui:

Cultura Saraiva Fnac

3 Comentários

Arquivado em Resenhas da Núbia