Arquivo da tag: Desafio Literário Viaggiando

Muito Longe de Casa (Ishmael Beah)

““Quantas vezes mais vamos ter que enfrentar a morte até encontrar segurança?”, perguntou.

Ele esperou alguns minutos, mas nós três não dissemos nada. Ele continuou: “Toda vez que somos perseguidos por gente que quer nos matar, fecho os olhos e espero pela morte. Apesar de ainda estar vivo, sinto como se, a cada vez que aceito a morte, parte de mim morresse. Muito em breve eu vou morrer completamente e tudo que sobrar de mim será meu corpo vazio, andando com vocês. Ele será mais silencioso do que eu. ”” (Página 79)

Ishmael Beah, serra-leonense, até os dez anos de idade só tinha tido contato com a guerra pelos filmes e notícias de jornais. Aos 12 anos, a guerra o alcançou pela primeira vez. Em Muito Longe de Casa, Ishmael compartilha um bom pedaço (quiçá o mais impactante dele) de sua experiência como menino-soldado. Em um texto conciso e fluído, mas de “difícil” leitura pela crueza da verdade que encerra, Ishmael relembra como teve sua infância extirpada; como se perdeu dos pais em meio ao caos instaurado pelos ataques, e a vida em constante fuga na qual acabou portando fuzis AK-47; e, como quando achou que a guerra havia ficado para trás, ela adentrou na sua vida novamente.

Serra Leoa começou como um aglomerado de tribos africanas, espalhadas por um território que primeiramente começou a ser explorado pelos portugueses estabelecendo-se um comércio de escravos bastante lucrativo. Até que abolicionistas britânicos começaram a lutar pela alforria de escravos, de várias etnias e tribos, que se estabeleceram em Freetown (atual capital de Serra Leoa). Serra Leoa se torna colônia britânica. De um passado de exploração, passando por uma nova colonização mascarada de acesso à liberdade, Serra Leoa conquistou sua independência a duras penas e ela foi seguida por revoltas, golpes de estado, corrupção desenfreada e um crescimento do governo absolutista. É nesse contexto de um conflito armado iminente que Ishmael nasceu. Em 1991 a guerra civil explode. Em 1993 ela atinge a aldeia que Ishmael e seu irmão mais velho estavam visitando. Os sinais claros da guerra eram desesperadores, ainda mais para dois garotos que se viram impedidos de retornar e ir atrás de seus familiares. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Desafios Literários, Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia, Volta ao Mundo em 198 Livros

Desafio Literário Viaggiando 2019

O segundo desafio literário que decidi participar este ano foi o recém criado Desafio Viaggiando proposto pela Camila Navarro (veja o vídeo de apresentação do desafio aqui). Para quem não sabe a Camila é a idealizadora do Projeto 198 Livros aqui no Brasil e foi por influência dela que resolvi embarcar nessa viagem de ler um livro de cada país, então, claro que me animei em participar de um desafio que irá contribuir para dar um gás ao meu xodó dentre os meus projetos de leitura para a vida. São apenas dez categorias e somente uma regra, escolher livros de países diferentes para cada categoria. Vejam as minhas escolhas:

[Editado em Janeiro/2020]

  • 1. Um livro censurado em seu país de origem. [Comecei a leitura em 2019, não finalizei]
  • Foi a categoria que mais tive dificuldade em escolher um título, por falta de conhecimento mesmo, acabei tendo de apelar para a Svetlana.Título escolhido: A guerra não tem rosto de mulher (Svetlana Aleksiévitch)
  • 2. Um livro que retrate uma religião não-cristã.Estou ensaiando ler a história de Malala há muito tempo, acho que finalmente é chegada a hora.Título escolhido: Eu sou Malala (Malala Yousafzai) [Lido – Resenha].
  • 3. Um livro sobre a ditadura.Pensei em colocar a Lygia Fagundes Telles aqui, mas como já selecionei um do Brasil em outra categoria, vamos explorar a ditadura chilena com a Isabel Allende.Título escolhido: A Casa dos Espíritos (Isabel Allende) [Li Primavera num espelho partido (Mario Benedetti) no lugar – Resenha]
  • 4. Um livro que retrate a situação das mulheres.Vamos de Venezuela nessa categoria.Título escolhido: Ifigênia (Teresa de la Parra) [Não lido].
  • 5. Um livro que retrate a vida de imigrantes.Tenho vários livros aqui que se encaixam nessa categoria, mas vamos de Amin Maalouf porque quero garantir o Líbano para o projeto.Título escolhido: Os desorientados (Amin Maalouf) [Não lido].
  • 6. Um livro sobre uma guerra fora da europa.A história de Ismael Beah até poderia ser ficção, mas na verdade é o retrato nu e cru de um sobrevivente de uma guerra que transformou crianças em soldados e dizimou milhares de serra-leoneses.Título escolhido: Muito longe de casa (Ismael Beah) [Lido – Resenha]
  • 7. Um livro sobre genocídio.Outra guerra civil que dizimou milhares, dessa vez no Camboja.Título escolhido: À sombra da figueira (Vaddey Ratner) [Não ido].
  • 8. Um livro sobre colonialismo.Vou de Jean Rhys nessa porque quero ler mais sobre a Dominica.Título escolhido: Vasto mar de sargaços (Jean Rhys) [Lido – Resenha].
  • 9. Um livro sobre escravidão.Maria Firmina dos Reis é a primeira autora negra de que se tem notícia na literatura brasileira, foi também uma abolicionista e escreveu histórias em que defendeu os direitos dos negros. Nada mais justo do que escolher um livro dela para esta categoria.Título escolhido: Úrsula e outras obras (Maria Firmina dos Reis) [Lido – Resenha].
  • 10. Um livro sobre um conflito ainda vigente.Infelizmente há muitos e muitos livros que se encaixam nesta categoria. Acabei escolhendo o livro do Atiq Rahimi que escolhi para representar o Afeganistão no projeto 198 livros.Título escolhido: Syngué sabour: pedra de paciência (Atiq Rahimi) [Lido – Resenha].

O desafio proposto pela Camila ficou bem legal né, nos propõe a ampliar bastante nossos horizontes de leitura. E aí, ficou animado(a) para participar também? Para quem quiser acompanhar as leituras do pessoal este ano, fiquem de olho na hashtag #desafioviaggiando nas redes sociais.

10 Comentários

Arquivado em Desafios Literários, Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia