Arquivo da tag: editora planeta

Pela Boca da Baleia (Sjón)

“(…) Naquele instante, percebi que aquela boca jamais cessaria de devorar, que aquelas mandíbulas jamais parariam de mastigar e que aquela língua jamais se cansaria de ser banhada no sangue de outros seres viventes. Então, teus lábios se mexeram. Esforçavas-te para dizer tua primeira palavra. E a palavra seria “eu”. Porém, o pai te cortou a palavra, dirigindo-se a mim com aquela voz ao mesmo tempo cordial e dominadora:

– Lúcifer, eis o homem! Deves obedecê-lo da mesma forma que teus irmãos…

(…)

Como é sabido de todos, não me curvei perante aquele novo bicho de estimação do pai, e por isso fui defenestrado do reino dos céus, junto com aqueles que quiseram me seguir. E a ti, criatura, lego-te, como um adeus, minha visão de ti. ”(Página 14)

É com esse prelúdio que Sjón entrega o prenúncio de sua obra. Um prenúncio um tanto pretensioso demais? Foi com essa sensação que adentrei à história de Jónas Pálmason. Inspirado por sua formação musical (talvez), Sjón é letrista e assinou canções de um álbum da Björk e de um dos filmes do diretor Lars von Trier, ele estruturou sua obra quase como uma peça musical: um prelúdio, seguido de dois movimentos, um intervalo, mais dois movimentos e a conclusão. Sem dúvidas, essa estruturação vestiu a obra de uma grandeza exacerbada. A impressão que tive é que no final das contas não havia tanto a contar sobre a história de Jónas e que todo esse rebuscamento empreendido por Sjón longe de potencializar sua história, faz é afastar o leitor que acaba não sendo cativado. Não duvido nada de que muita gente deva ter abandonado Jónas pelo caminho.

Em Pela Boca da Baleia encontramos Jónas Pálmason durante o equinócio de outono em 1635. Há quatro anos ele já está em seu exílio forçado em uma ilha isolada da Islândia. É ali, com os olhos presos no horizonte em busca do continente que lhe é proibido, que ele nos convida a enveredar-nos pelos meandros de suas reminiscências. Por que ele foi parar na ilha? Quais os seus pecados? Quais foram os interesses das pessoas que lhe impingiram o desterro? Seu fascínio pelos bezoares, que o levava a empreender caçadas por carcaças de corvos ainda em sua tenra idade? Suas leituras e a curiosidade pouco ortodoxa que o tornaram um entendedor dos males femininos e um bom curador deles? Suas experiências como exorcista que lhe renderam grande renome? Suas inúmeras incursões pelos vastos caminhos desconhecidos da ciência, pelos sagrados costumes da religião e pelas histórias fantásticas da mitologia? Toda essa mistura incongruente que está na essência da formação do povo islandês é enaltecida por Sjón enquanto amealhamos as memórias de Jónas. Continuar lendo

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Leia Mulheres: Fantasia

Olha mais uma coluna precisando ser resgatada das camadas de pó…

Vamos ver se agora eu consigo mantê-la atualizada. Desta vez vamos falar sobre mulheres e fantasia. Quando falamos em livros de fantasia é comum nos atermos aos nomes de autores masculinos, ou porque eles têm maior visibilidade e um histórico mais antigo de publicação ou porque, infelizmente, algumas pessoas associam fantasia de qualidade à autores masculinos como se as mulheres não pudessem produzir excelentes obras também (xô preconceito!). A lista de autoras que se enveredam pelo mundo das palavras e criam mundos e personagens fantásticos não é pequena, mas hoje trago apenas uma pequena contribuição. Cinco autoras que merecem ser conhecidas por quem gosta do gênero. Já aviso de antemão que a ausência da Ursula K Le Guin é proposital (afinal, se Tolkien é considerado o pai da fantasia, Le Guin bem pode ser a matriarca), mas é que eu guardei ela para a lista de sci-fi!

Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em Leia Mulheres, Lendo aleatoriamente

Um Autor de Quinta #102

Coluna inspirada no Uma Estante de Quinta da Mi Muller do Bibliophile .

Quase deixamos a coluna ser soterrada em camadas de poeira novamente…

Quero falar para vocês hoje sobre uma autora que conheci por suas obras sobrenaturais (e minha experiência não foi das melhores), mas que só ganhou minha admiração quando se aventurou pelo universo de Star Wars. Aliás, é dela um dos melhores livros do novo cânone da saga. É sério, se você é fã da saga e se aventura pelos livros também, não deixe de conferir Estrelas Perdidas da Claudia Gray.

Claudia Gray

 

Foto: Melissa Vincent – Del Rey/Random House

Claudia Gray é o pseudônimo utilizado pela autora americana Amy Vincent. Amy Vincent trabalhou como advogada e em 2003 ajudou no desmantelamento de um cartel internacional de contrabando de diamantes, o que levou muita gente a acreditar que o uso do pseudônimo poderia ser para se proteger dos integrantes remanescentes do cartel (o que a própria autora já desmentiu). Na verdade, o uso do pseudônimo não é para esconder seu passado dramático ou sombrio, para fornecer uma áurea de mistério, ou porque ela não ache seu nome real vendável, mas porque ela pensou que seria divertido escolher seu próprio nome, que foi baseado em uma de suas minisséries favoritas I, Claudius.

Desde criança ela sonhava em se tornar uma estabelecida autora de romances, mas a carreira como escritora só começaria efetivamente em 2008, quando ela publicou o primeiro volume da série Evernight pela HarperCollins. Atualmente Claudia mora em Nova Orleans e se dedica integralmente à escrita. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Um Autor de Quinta

Um Autor de Quinta #77

Coluna inspirada no Uma Estante de Quinta da Mi Muller do Bibliophile. Pretendemos toda quinta-feira trazer informações, curiosidades e algumas dicas de leituras e afins sobre algum(a) autor(a).

fernando_savater

Fernando Savater

Fernando Fernández-Savater Martín nasceu em 21 de junho de 1947 em San Sebastián, Espanha. Savater foi professor de ética na Universidade do País Basco e atualmente é catedrático na Universidade Complutense de Madrid. Sempre esteve muito envolvido com organizações em pró da paz no País Basco, trabalho pelo qual recebeu o Prêmio Sakharov de Direitos Humanos. Savater é considerado um dos filósofos e ensaístas mais populares na Espanha. Em 2007 juntamente com Rosa Díez fundou o partido político Unión, Progreso y Democracia.

Livros

Savater já publicou mais de cinquenta obras entre ensaios políticos, literários, romances e peças de teatro. Alguns de seus livros já foram traduzidos para mais de vinte idiomas. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Um Autor de Quinta

Um Autor de Quinta #76

Coluna inspirada no Uma Estante de Quinta da Mi Muller do Bibliophile. Pretendemos toda quinta-feira trazer informações, curiosidades e algumas dicas de leituras e afins sobre algum(a) autor(a).

 62166_10151360796823691_1803846939_n (1)

Hugh Laurie

Hugh nasceu em 11 de junho de 1959 em Oxford. O mais novo de quatro filhos, Laurie foi para o Eton College onde acabou por seguir os passos do pai (que foi medalhista olímpico em 1948) e entrou para a equipe de remo, e ele era um ótimo remador sendo considerado um dos melhores do país em 1977 e ficando em quarto lugar com seu companheiro de equipe no campeonato mundial júnior. Depois de estudar em Eton, Hugh entrou para a faculdade de Selwyn na Universidade de Cambridge, onde se formou em Arqueologia e Antropologia com especialização em Antropologia Social. Em Cambridge Hugh também fazia parte da equipe de remo, mas foi forçado a abandonar a atividade durante um surto de mononucleose e acabou se juntando ao Cambridge Footlights, o clube de artes dramáticas da universidade conhecido por ter formado atores e comediantes bem conhecidos. Hugh foi presidente do clube em 1981. No Cambridge Footlights Hugh conheceu Emma Thompson que lhe apresentou seu futuro parceiro de comédia, Stephen Fry. Com Stephen, Emma e outros colegas começou a fazer trabalhos na televisão que o colocaram em evidência na Grã-Bretanha. A partir daí, não demorou a começar a fazer filmes, mas foi em 2004 que Hugh adquiriu fama mundial ao começar a interpretar o médico sarcástico e cínico House, papel que executou durante oito anos. Mas, Hugh não vive só de atuação, além do trabalho de ator ele também é escritor (eis o motivo de aparecer nessa coluna) e músico.   Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Um Autor de Quinta

O Grande Labirinto (Fernando Savater)

Algo muito estranho e terrível está acontecendo no estádio e colocando em risco a vida de muitas pessoas da cidade. Os pais de Fisco, o tio de Jaiko e os pais de Sara e Arno estão lá, a um passo de serem tragados para a morte. Para salvá-los as crianças precisam encontrar oito letras. Como? Aonde? Quais letras? É com esse “pequeno problema” que O Grande Labirinto nos é apresentado. A narrativa já começa a todo vapor e a adrenalina corre a mil… E o que uma livraria com ares góticos tem a ver com a história? Que segredos D. Pantaleão, o livreiro, esconde? Será que ali, entre os livros, as crianças encontrarão respostas?

É esse o pano de fundo para as muitas aventuras que as quatro crianças empreenderão. As respostas não estão na leitura dos livros, mas dentro deles e dos fatos históricos que de uma forma ou de outra estão relacionados com a sociedade humana. Como assim dentro dos livros? Quando digo dentro é dentro mesmo, nossos heróis literalmente se encontram com outros heróis da literatura e o fazem porque o “segredo” de D. Pantaleão é o pequeno cubículo denominado por este de “O Labirinto das Sereias”, e este pequeno cubículo é a porta de entrada para essas aventuras. E que aventuras! Continuar lendo

3 Comentários

Arquivado em Resenhas da Núbia

O Vendedor de Armas (Hugh Laurie)

Ele é bastante conhecido pelo seu papel de médico intransigente, sagaz e com um humor (se é que pode ser chamado de humor) ácido, mas antes do ator se aventurar pela medicina Hugh Laurie se aventurou pelo mundo literário e foi uma incursão feliz. O Vendedor de Armas, seu primeiro e único romance, foi publicado em 1996, mas, só no ano passado foi traduzido e publicado no Brasil pela Editora Planeta.

Em O Vendedor de Armas, Hugh nos mostra que transita bem e com qualidade entre o mundo televisivo, musical e literário. Laurie dá vida a um protagonista meio de esquerda, sarcástico, autoconfiante em demasia, que tem problemas em reconhecer autoridades (e não perde a chance de tirar uma com a cara de quem lhe aparece pela frente), um verdadeiro chamariz para problemas, mas ao mesmo tempo ciente de que se a justiça tem um senso ele deve ser seguido e ai de quem ficar na frente. Principalmente se o seu senso lhe diz que ele tem o direito de ser feliz com uma loira de olhos cinzentos. Thomas Lang, um cidadão britânico, recebeu uma oferta de trabalho pouco cidadã, por 100 mil ele deveria dar cabo à vida de um homem. Ele recusou, tentou avisar a suposta vítima e acabou ele mesmo na mira de muita gente. Muita gente como a CIA, o Ministério da Defesa inglês, empresários do mercado armamentista e grupos terroristas. Continuar lendo

5 Comentários

Arquivado em Resenhas da Núbia

A Esperança tem muitas faces (Lucília Junqueira de Almeida Prado)

Olá pessoal, depois de um tempinho sem aparecer por aqui estou de volta e com resenha! Já há um tempinho ganhei um livro de uma autora brasileira no twitter das meninas do @Leit_Devaneios, estava enrolando para ler mas finalmente consegui em meio a lista de espera de livros para ler, que só aumentam porque como toda boa viciada em livros não consigo ir na livraria e não comprar algo. A leitura foi agradável e até divertida, mas esperava mais do livro…

Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em Resenhas da Núbia

Me apresentando e Resenha do livro “Os Dias do Cervo” (Liliana Bodoc)

Olá pessoal que acompanha o Blablabla Aleatório e que devem estar estranhando que outra pessoa além da Mari esteja postando aqui no blog. Explico-me, sempre quis ter um lugarzinho para postar as resenhas literárias ocasionais que faço, por isso tantas vezes já pensei em criar um blog mas, acabava desistindo por pura e simplesmente preguiça. Hoje estava comentando sobre isso no twitter e a Mari prontamente me ofereceu a oportunidade de ser colaboradora aqui no blog e ter um cantinho para postar minhas resenhas, na hora eu aceitei. Minhas colaborações nesse primeiro momento serão apenas as resenhas literárias, mas ocasionalmente alguns posts aleatórios poderão surgir.

Continuar lendo

9 Comentários

Arquivado em Resenhas da Núbia

Promoção – “Eu sou Alice” – Melanie Benjamin

#promoção Eu Sou Alice  –  @KarlinhaCoffie+@A_Planeta http://is.gd/aLiDM

Desta vez, a promoção é do blog Coffie & Movies. O livro Eu sou Alice, da Melanie Benjamin, lançado pela Editora Planeta.

Os passos a seguir para participar são:

  1. Ser seguidora do Coffie & Movies
  2. Comentar “Eu quero  muito o livro  da Editora Planeta : Eu sou Alice !” no post da promo.
  3. Preencher este formulário
  4. Seguir @A_Planeta no twitter.

Validade da promoção: 16/03 – 16/04

Bjos e boa sorte

Boa sorte =D

Deixe um comentário

Arquivado em Promoção