Arquivo da tag: Editora Seguinte

Cartas de Amor aos Mortos (Ava Dellaira)

Depois do que aconteceu com May, sua irmã mais velha. Laurel decidiu ir para uma nova escola cursar o Ensino Médio. Ela não queria ser alvo de olhares de pena e ter de responder a perguntas. Na nova escola, porém, ela é uma solitária. Com a morte de May, a família de Laurel desmoronou: a mãe foi embora; o pai está ausente mesmo estando por perto; e sobrou para Laurel passar a maior parte do tempo com a tia, que tenta compensar a perda de May com um controle mais rígido (ainda que falho) de Laurel. Talvez Laurel continuasse a levar uma vida escolar solitária, e uma vida familiar ausente de diálogos e se contentasse apenas em nutrir sentimentos platônicos pelo misterioso Sky, seu colega de escola. Mas, uma tarefa escolar foi a catalisadora de mudanças. A tarefa era simples. Escrever uma carta para alguém que já morreu. Laurel escreve. Na verdade, a partir de então ela lota seu caderno de cartas e mais cartas, mas não as entrega à professora.

Kurt Cobain, Judy Garland, Elizabeth Bishop, Janis Joplin, River Phoenix, Amelia Earhart, Amy Winehouse, Jim Morrison, John Keats, E.E. Cummings, Heath Ledger… Na companhia deles, Laurel tenta lidar com seu primeiro ano em uma escola nova e com sua família despedaçada. Por meio das cartas, ela começa a se abrir e se permitir a cultivar amizades na nova escola. Por meio das cartas ela rememora seus momentos com May e tenta entender o que aconteceu na noite que a irmã morreu. O que Laurel fez na noite em que May se matou? O que acontecia nas noites de sexta-feira? São respostas com as quais Laurel precisa se reconciliar. Continuar lendo

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Desafios Literários, Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Colecionando Textos #12

 

 

 

*Free Online Logo Maker. https://www.designevo.com

Deixe um comentário

Arquivado em Colecionando Textos, Lendo aleatoriamente

Colecionando Textos #11

 

 

 

*Free Online Logo Maker. https://www.designevo.com

1 comentário

Arquivado em Colecionando Textos, Lendo aleatoriamente

O Diário de Zlata (Zlata Filipović)

Se tem algo que o projeto de leitura ‘Volta ao Mundo em 198 Livros’ me proporcionou, foi uma boa “chacoalhada” na minha lista de leituras, quer seja com a aquisição de títulos desconhecidos, com a retirada de pó de títulos “esquecidos” na estante, ou com o incentivo que faltava para ir atrás de títulos que já tinha um bom tempo que desejava ler. Desde que comecei o projeto, sabia que queria ler como representante da Bósnia e Herzegovina o diário escrito por Zlata Filipović entre o período que antecedeu e durante os primeiros anos da Guerra da Bósnia. Quando se fala em guerra e diário, é impossível não se lembrar de Anne Frank, mas a história de Zlata, além do ponto de vista infantil da guerra e suas consequências, não guarda semelhanças com a história da garota alemã. Para início de conversa, seu diário foi publicado em 1993 (no Brasil em 1994) em plena época de conflito. As primeiras fotocópias do diário foram publicadas quando Zlata ainda mantinha seus registros e a publicação aconteceu por influência da UNICEF que queria mostrar a situação das crianças durante a guerra no país para o resto do mundo. Entre o tempo desde as primeiras fotocópias até a edição definitiva que ganhou o mundo, Zlata praticamente se tornou uma espécie de correspondente de guerra. Situação esta, que sem dúvida contribuiu para que ela e a família entrassem na mira da mídia e das autoridades políticas da Europa. A última entrada do diário é do dia 17 de outubro de 1993, mais tarde naquele ano, pouco antes do Natal, ela e os pais receberam a permissão para deixar Saravejo (o que era praticamente impossível sem alguma influência externa) e foram refugiados em Paris. Diferentemente de Anne, Zlata saiu calejada, mas viva da experiência.

A edição brasileira (a que eu tenho é a reimpressão feita em 1997 da edição de 1994) conta com um prefácio escrito por Leão Serva. Serva é jornalista e escritor e foi correspondente durante a Guerra da Bósnia. Com um livro extremamente paradidático para se trabalhar conflitos armados em salas de aula e recomendado para figurar nas bibliotecas escolares, a inclusão do prefácio de Serva tornou a leitura ainda mais completa e contextualizada. Ele dá uma boa pincelada sobre a situação geopolítica da Bósnia e países limítrofes no passado até os dias que antecederam a explosão da guerra civil. Que na época da publicação do diário por aqui, ainda não havia acabado. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Um Autor de Quinta #102

Coluna inspirada no Uma Estante de Quinta da Mi Muller do Bibliophile .

Quase deixamos a coluna ser soterrada em camadas de poeira novamente…

Quero falar para vocês hoje sobre uma autora que conheci por suas obras sobrenaturais (e minha experiência não foi das melhores), mas que só ganhou minha admiração quando se aventurou pelo universo de Star Wars. Aliás, é dela um dos melhores livros do novo cânone da saga. É sério, se você é fã da saga e se aventura pelos livros também, não deixe de conferir Estrelas Perdidas da Claudia Gray.

Claudia Gray

 

Foto: Melissa Vincent – Del Rey/Random House

Claudia Gray é o pseudônimo utilizado pela autora americana Amy Vincent. Amy Vincent trabalhou como advogada e em 2003 ajudou no desmantelamento de um cartel internacional de contrabando de diamantes, o que levou muita gente a acreditar que o uso do pseudônimo poderia ser para se proteger dos integrantes remanescentes do cartel (o que a própria autora já desmentiu). Na verdade, o uso do pseudônimo não é para esconder seu passado dramático ou sombrio, para fornecer uma áurea de mistério, ou porque ela não ache seu nome real vendável, mas porque ela pensou que seria divertido escolher seu próprio nome, que foi baseado em uma de suas minisséries favoritas I, Claudius.

Desde criança ela sonhava em se tornar uma estabelecida autora de romances, mas a carreira como escritora só começaria efetivamente em 2008, quando ela publicou o primeiro volume da série Evernight pela HarperCollins. Atualmente Claudia mora em Nova Orleans e se dedica integralmente à escrita. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Um Autor de Quinta

Estrelas Perdidas (Claudia Gray)

Claudia Gray é conhecida por seus romances YA (alguns não tão bem-sucedidos assim) e nunca imaginei que algum dia leria algo dela relacionado ao universo de Star Wars (e ela já escreveu mais um livro que logo será publicado por aqui!) mas, se tem algo que o universo expandido da franquia sempre permitiu foi a pluralidade de adaptações e formatos. E, há espaço para romances YA também, principalmente os que nada ficam a dever em termos de qualidade, boas tramas, narrativas envolventes, personagens cativantes e que fornecem informações e lançam pistas acerca do futuro do novo cânone.

Em Estrelas Perdidas acompanhamos a história de Ciena Ree e Thane Kyrell. Ambos nasceram no isolado planeta Jelucan na Orla Exterior, no mesmo ano do soerguimento do Império. Ela, pertencente a uma família descendente da primeira leva de colonizadores do planeta, os quais ocuparam os vales e vivem na pobreza. Ele, pertencente a uma abastada família da segunda leva de colonizadores. Oito anos após a queda da Velha República, Jelucan foi conquistada pelo Império e é nesse cenário de festa e demonstração do poderio aéreo imperial que ambos têm seu primeiro contato, motivados pelo sonho compartilhado de pilotarem as naves do Império. A partir daqui, acompanhamos a amizade crescente dos dois, os primeiros treinamentos de voo em conjunto (algo criticado pela família de ambos), os estudos preparatórios e a entrada na Academia Imperial. Mas, é lá naquela primeira apresentação dos dois (com direito a uma participação especial do Grão Moff Tarkin) que Gray deixa claro as principais diferenças entre Ciena e Thane, diferenças depois utilizadas muito apropriadamente por ela para fundamentar as escolhas dos personagens. Continuar lendo

4 Comentários

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

A Escolha (Kiera Cass)

Atenção, esta resenha trata dos acontecimentos ocorridos no terceiro e último livro da trilogia A Seleção e pode haver spoilers sobre fatos dos livros anteriores. Para saber o que eu achei dos outros livros, confira os links no final desta resenha.

a escolha

“Estava com raiva de Maxon, com raiva de seu pai, com raiva da Seleção e de tudo que vinha junto. Uma imensa frustração apertava meu peito, nada mais parecia fazer sentido e eu queria muito falar com as garotas sobre o que estava acontecendo.” Página 230.

A Escolha, volume final da trilogia iniciada com A Seleção, já chega com uma sinopse que só serve para confirmar que mesmo com todo o mimimi insuportável da América, a escolha já estava feita há muito tempo. A verdade é que a trilogia perdeu boa parte de seu encanto a partir do segundo livro. Fiquei esperando um aprofundamento nas questões políticas e sociais de Illéa que não veio e tive que aturar uma América indecisa ao extremo e um Maxon com atitudes desconcertantes e que não condiziam com o personagem que nos foi previamente apresentado. Então, comecei a leitura deste último volume sem esperar muita coisa, o que fez os acertos da Kiera renderem boas surpresas. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Resenhas da Núbia

O Guarda (Kiera Cass)

o guarda

“Os laços que nos ligavam ainda estavam lá. Talvez frouxos pelo desgaste da Seleção, mas ainda presos.

‘Me diga que vai esperar por mim’, eu implorava.

Ela não respondeu, mas não perdi a esperança.

Não até ele aparecer, caminhando na direção dela, exalando charme, riqueza e poder. Estava acabado. Eu tinha perdido.”

 

A exemplo do espaço que foi dedicado à Maxon no conto O Príncipe, Kiera também reservou um espaço para Aspen nos mostrar um pouco do seu ponto de vista sobre o processo da Seleção e a perda “gradativa” de América.

Sendo bem sincera, com seu segundo livro da trilogia, Kiera conseguiu me decepcionar ao ponto de eu pegar birra por alguns personagens. As expectativas após ler A Seleção foram tão grandes, e o lenga-lenga em A Elite tão arrastado, que só decidi continuar acompanhando a série porque já tinha ido tão longe que tinha que saber como iria terminar. E, como já havia lido o conto de Maxon, resolvi arriscar no do Aspen também.

Diferentemente do conto de Maxon que se focou muito mais nos eventos pré-Seleção. A história de Aspen tem o ponto positivo (e único) de trazer ao nosso conhecimento o que A Elite falhou miseravelmente em transmitir. Mais informações sobre a política do Rei Clarkson e a atuação dos rebeldes. O conto funciona bem como uma ligação entre A Elite e o volume final da trilogia, mas não nos deixa no afã para iniciar logo a leitura de A Escolha.

A Editora Seguinte disponibilizou gratuitamente o e-book, que pode ser obtido nas principais lojas virtuais: [Amazon][Google Play][Kobo][Saraiva].

 

1 comentário

Arquivado em Resenhas da Núbia

Um Autor de Quinta #98

Coluna inspirada no Uma Estante de Quinta da Mi Muller do Bibliophile.

Jennifer Nielsen

Jennifer A. Nielsen

Jennifer nasceu e cresceu no norte de Utah, onde vive até hoje com o marido, os três filhos e um cachorro. Ela começou a escrever ainda na escola primária, sua primeira tentativa de escrever um romance foi durante a sexta série, quando escreveu sobre uma garota que ficava presa em seus sonhos. Ela até mesmo tentou entrevistar um chaveiro para pesquisar sobre fechaduras, mas quando ele descobriu que ela tinha apenas 11 anos encerrou a ligação e a história acabou ficando de lado e nunca foi terminada. Contudo as experiências não terminaram por aí, Jennifer continuou escrevendo histórias em cadernos. Histórias sobre um garoto que tentava vender a irmã irritante, de uma celebridade que ficava presa em uma pequena cidade, entre tantas outras que acabaram confinadas em uma caixa em seu guarda-roupa. Durante a escola, também se envolveu com teatro e participou de competições de debates.

Seu primeiro livro completo foi finalizado quando ela tinha 20 anos, mas era muito ruim e nunca chegou a ser publicado. Foi assim também com o segundo e o terceiro, apenas no quarto livro Jennifer percebeu que talvez estivesse escrevendo no gênero errado e voltou seus pensamentos para personagens mais juvenis, tendo que mudar sua forma de escrever também. Seu livro de estreia foi Elliot and the Goblin War publicado pela Sourcebooks em 2010. Este livro deu origem a série Underworld Chronicles. Mas, talvez seja a trilogia Ascendance a grande responsável por torná-la conhecida do grande público. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Um Autor de Quinta

Um Autor de Quinta #95

Coluna inspirada no Uma Estante de Quinta da Mi Muller do Bibliophile. Pretendemos toda quinta-feira trazer informações, curiosidades e algumas dicas de leituras e afins sobre algum(a) autor(a).

JamesDashner-creditMariaWood

James Dashner

James nasceu em 26 de novembro de 1972 em Austell, Geórgia (EUA). Ele é graduado pela Brigham Young University (Utah), instituição pela qual recebeu o grau de mestre em contabilidade. James chegou a trabalhar no campo das finanças, mas acabou deixando os números de lado para se aventurar pelo mundo das palavras, algo que ele sempre acalentou desde a infância. Suas obras são dirigidas ao público jovem e suas histórias versam sobre aventura, sobrevivência e ficção científica. Desde a publicação de seu primeiro livro, A Door in the Woods, publicado em junho de 2003 que James dedica-se exclusivamente à carreira de escritor. Em seu tempo livre, James gosta de ler (muito), assistir filmes e bons programas de TV e esquiar. Suas atividades extra-laborais inclusive, têm servido de inspiração para muitas de suas histórias. Sua obra mais conhecida, The Maze Runner, foi fortemente influenciada pelas obras O Jogo do Exterminador (Ender’s Game – Orson Scott Card) e O Senhor das Moscas (William Golding). Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Um Autor de Quinta