Arquivo da tag: Espanha

Campo de Espadas – Conn Iggulden

Atenção! Esta resenha trata do terceiro livro da série O Imperador de Conn Iggulden e pode trazer spoilers do enredo dos livros anteriores. Para ler a resenha dos livros anteriores, clique: Os Portões de Roma A Morte dos Reis.

 

Campo de Espadas

Júlio César está na Espanha, e apesar de estar orgulhoso com os frutos de seu trabalho no país, está ansioso para voltar a Roma e tomar maior parte em seus acontecimentos. Depois de quatro anos, ele junta suas espadas e volta para sua terra natal com sonhos de se tornar cônsul e se dar a ordem de sair e conquistar mais terras em nome de Roma. Ele parte para a Gália, onde tenta tornar o país uma extensão de Roma, e se prepara para lutar as maiores batalhas de sua vida. Continuar lendo

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Resenhas da Feanari

A Fúria de Sharpe – Bernard Cornwell

Atenção! Esta resenha é sobre o 11° livro da série “As Aventuras de um Soldado nas Guerras Napoleônicas”, e pode conter spoilers sobre os acontecimentos dos livros anteriores. Para ler as resenhas de alguns dos demais livros da série, clique aqui: O Tigre de Sharpe (1°); O Trinfo de Sharpe (2°); A Fortaleza de Sharpe (3°) – Núbia; O Ouro de Sharpe (9°); A Fuga de Sharpe (10°) – Mari.

Traição, suborno, assassinato. É assim que começa A Fúria de Sharpe. Em uma Espanha dividida pelas tropas britânicas e francesas, as diferentes facções políticas espanholas têm opiniões diferentes sobre qual exército devem apoiar: aqueles que preferem a monarquia acham que devem colaborar com os franceses na esperança de Napoleão lhes devolver seu rei, enquanto que quem se inspirou pelo discurso da Revolução Francesa, e acha que o povo deve governar ao povo, sem os desejos de um rei absolutista, ajudam os ingleses. Teoricamente, no entanto, os espanhóis são aliados dos ingleses, embora alguns dos líderes de seu exército sejam a favor dos franceses. Continuar lendo

4 Comentários

Arquivado em Editoras Parceiras, Grupo Editorial Record, Resenhas da Feanari

Um Autor de Quinta #77

Coluna inspirada no Uma Estante de Quinta da Mi Muller do Bibliophile. Pretendemos toda quinta-feira trazer informações, curiosidades e algumas dicas de leituras e afins sobre algum(a) autor(a).

fernando_savater

Fernando Savater

Fernando Fernández-Savater Martín nasceu em 21 de junho de 1947 em San Sebastián, Espanha. Savater foi professor de ética na Universidade do País Basco e atualmente é catedrático na Universidade Complutense de Madrid. Sempre esteve muito envolvido com organizações em pró da paz no País Basco, trabalho pelo qual recebeu o Prêmio Sakharov de Direitos Humanos. Savater é considerado um dos filósofos e ensaístas mais populares na Espanha. Em 2007 juntamente com Rosa Díez fundou o partido político Unión, Progreso y Democracia.

Livros

Savater já publicou mais de cinquenta obras entre ensaios políticos, literários, romances e peças de teatro. Alguns de seus livros já foram traduzidos para mais de vinte idiomas. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Um Autor de Quinta

Um Autor de Quinta #48

Coluna inspirada no Uma Estante de Quinta da Mi Muller do Bibliophile. Pretendemos toda quinta-feira trazer informações, curiosidades e algumas dicas de leituras e afins sobre algum(a) autor(a).

Linda Carlino

Linda nasceu em uma pequena aldeia mineradora em County Durham, no nordeste da Inglaterra. Sua família sempre teve uma relação muito forte com os livros e não foi à toa que Linda acabou seguindo a carreira de docência universitária em Barnard Castle e até trabalhou como consultora em uma editora de livros. Linda sempre teve uma paixão por história e ficção histórica, mas a carreira como escritora nunca foi planejada.

Linda fez sua primeira visita a Espanha, por escolha de seu marido, no verão de 1988. Ela não falava nada de espanhol e sabia muito pouco sobre o país e sua história, além do que se encontrava no guia de viagem de H. V. Morton. Bastaram cinco semanas, para sua vida mudar completamente. Visitando marcos turísticos como túmulos de figuras históricas e catedrais, ela se lembrou dos romances históricos de sua adolescência e ficou particularmente fascinada pelas ligações históricas do país com a Inglaterra. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Um Autor de Quinta

Joana, a Louca (Linda Carlino)

“Sorriu, apreciando todo aquele jogo, aquele mundo de sonhos em que era simultaneamente jogadora e espectadora.”

Gosto muito de romances históricos que retratam a história dos reis ingleses, em especial aqueles que retratam a dinastia Tudor. Lendo livros e vendo séries que retratam essa época da história, sempre vi nos espanhóis meros coadjuvantes. Seja Catarina e seu malfadado casamento com Henrique VIII, ou o imperador Carlos V e todas as dores de cabeça que decerto ele causou para o rei inglês. Assim, quando a Editora Europa anunciou a publicação do livro Joana, a Louca logo me interessei em lê-lo, primeiro porque era histórico e segundo porque queria aprofundar-me mais na história daqueles que muitas vezes ficavam apenas como figurantes. Linda Carlino em seu livro, tira dos bastidores Joana, talvez não conhecida por muitos, e mostra que a história espanhola também pode render excelentes narrativas.

Joana foi a terceira filha dos reis espanhóis Isabel de Castela e Fernando de Aragão. A história retratada por Carlino aconteceu entre os anos de 1496 e 1555. Joana então com 17 anos viu-se lançada em um casamento com Felipe, arquiduque e herdeiro dos Habsburgo, da Áustria. Nunca cogitou reinar e sonhava com um casamento real (e não no sentido burocrático da palavra). Viu-se ao longo da vida sujeitada a ambos, um casamento que era antes de qualquer coisa uma aliança política com os poderosos Habsburgo e que não lhe trouxe alegrias e um trono de um reino no qual nunca reinou de fato. Durante toda a vida teve seus direitos usurpados e a sanidade mental posta em prova e é todo esse sofrimento, baseado nos conhecimentos históricos, mas também com a liberdade concedida aos romances, que Carlino retrata no primeiro livro de uma trilogia dedicada à história dos Habsburgo. A obra é dividida em duas partes: na primeira são narradas as desventuras de Joana durante seu casamento com Felipe, as traições, o isolamento de seus compatriotas e o cárcere privado. Na segunda parte, os anos de viuvez, marcados por mais traições, desta vez do pai e do próprio filho, o imperador Carlos. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Editora Europa, Resenhas da Núbia