Arquivo da tag: literatura nacional

Minha Vida Fora de Série – 4° Temporada (Paula Pimenta)

Atenção, esta resenha trata sobre os acontecimentos do quarto livro da série Minha Vida Fora de Série. Por isso, pode conter spoilers, revelando partes dos conteúdos dos livros anteriores. Para saber o que eu achei dos demais livros, confira os links no final desta resenha.

 

Na quarta temporada de Minha Vida Fora de Série, a Paula Pimenta já começa surpreendendo com a escolha de seu narrador. Ainda que o primeiro livro tenha sido exclusivamente narrado pela Priscila, desde a segunda temporada estamos acostumados com as participações eventuais do Rodrigo (e até do Leo) na narrativa, mas desta vez, a Paula pediu licença à sua protagonista e nos entregou um livro todo Rodrigo. E, se por um lado isso nos deixou roendo as unhas de curiosidade para saber tudo o que aconteceu com a Priscila desde o fatídico término e suas decisões surpreendentes, por outro, nos permitiu conhecer mais a fundo o outro lado dessa história. Suas mágoas, sua intransigência (me desculpem as fãs, mas ele o foi em relação à Priscila, estou com a Dani e não abro e a situação do Klaus com a Daphne serviu para evidenciar isso muito bem), a fuga de si mesmo e o encontro de si próprio. Acompanhar toda a jornada de descoberta do Rodrigo rendeu uma temporada repleta de emoções.

Após o término do namoro com a Priscila, o Rodrigo decidiu afastar-se de tudo o que lembrava sua antiga vida e finalmente cedeu aos apelos dos irmãos mais velhos e se mudou para Vancouver. Em MVFS4 a trama alterna entre a chegada do Rodrigo à Vancouver, o empenho exacerbado da Sara e do João Marcelo em bancarem os cupidos (e fazerem a caveira da Pri como já é de praxe), as aulas como ouvinte na faculdade de música, o desenrolar da sua amizade com Klaus; e o Rodrigo hoje em Toronto, as apresentações com a banda de Sean, a amizade com Ton Ton, o surgimento de Lucky e quiçá uma nova guinada em seus planos.

“Sempre me considerei um cara indeciso. Ao me deparar com dois caminhos, procrastinava até o último momento, por medo de tomar a decisão errada. (…)

Entretanto, ao jogar a prudência para o alto e finalmente tomar uma decisão apenas minha, descobri que durante a vida inteira eu vinha recebendo o resultado das escolhas alheias. Fazer faculdade de Administração, transferir a faculdade para São Paulo, me mudar para Vancouver… Eu não tinha feito nada daquilo por desejo próprio. Era sempre a vontade das outras pessoas me levando a algum lugar. E talvez por isso eu nunca havia me sentido no lugar certo. Ao contrário, era como se eu fosse um peixe fora d’agua, me contentando com migalhas que os outros me atiravam da felicidade deles.“ (Página 179)

Continuar lendo

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Mônica – Força (Bianca Pinheiro)

monica-forca-bianca-pinheiro-capa

A enorme força da Mônica sempre foi a sua característica mais marcante, não são raras as histórias em que ela emprega o uso de sua força, principalmente se elas envolverem os planos infalíveis do Cebolinha. Só que agora, na trama desta Graphic MSP o Sidney Gusman teve a ideia de explorar um outro lado desta força. Confrontar a Mônica, do alto de seus sete anos, com a realidade de que a força muitas vezes não é a solução para todos os problemas. Há problemas além do alcance de suas coelhadas, que expõem sua fragilidade e impotência. A Bianca Pinheiro foi a escolhida para encarar esse desafio. Ela é mais conhecida pela série Bear (publicada pela Nemo) que ainda não tive a oportunidade de conferir, mas que fiquei com muita vontade depois de ter lido sua história da Mônica.

A trama é simples que pode até ser considerada banal. Mas foi tratada com uma grande sensibilidade pela Bianca. A história foge dos padrões das histórias da Mônica, com uma trama mais intimista, de poucas palavras e muitos simbolismos (e algumas referências), na qual até mesmo as folhas de guarda participam da história. Os traços são limpos, sem muitos detalhes, porém bastante expressivos. O enquadramento é amplo, Bianca aproveita bem todos os espaços disponíveis. Tudo isso aliado a uma paleta de cores tão linda, que mesmo sendo uma trama dolorida, ainda assim explode em fofura. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Os Crimes do Dançarino da Sé – Marcelo Antinori

Atenção! Esta é a resenha do segundo livro da série “Sereia de Vidro”, de Marcelo Antinori, e pode conter spoilers não intencionais do roteiro do livro anterior. Para conferir a resenha do primeiro livro da série, clique aqui.

Pouco depois do retorno de Ana Paula a São Paulo, o comando que Coutinho tem sobre o centro da cidade é posto à prova quando um crime horrendo é cometido no meio do seu território. O corpo decapitado de um mendigo foi deixado em um carrinho de supermercado na praça da Sé por uma pessoa que atravessou o centro da cidade passeando com o defunto.

Madre Cristina, a freira leitora de cartas de tarô que conhecemos no primeiro livro, entra em contato com o narrador da história – que permanece sem nome – para lhe informar que a “Dama de Ouros” está correndo perigo. Ao confrontar Luciana, ele descobre que ela tem mantido segredo sobre um homem que a tem perseguido nos últimos meses.

Estas duas histórias aparentemente desconexas logo se misturam quando o narrador (que eu apelidei de Marcelo em homenagem ao autor) se une a Ana Pérsia para tentar capturar o Dançarino da Sé e conquistar a confiança de Coutinho.

No segundo livro da série “A Sereia de Vidro”, o narrador se sente bem mais à vontade com a vida dupla que vem levando, e chega até a assumir que é hipócrita (por que? Leia o livro!). Eu estou bastante curiosa para saber aonde o desenvolvimento dele vai levá-lo, já que eu ainda não consegui simpatizar com o narrador porque as morais dele são tão diferentes das minhas. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Editora Bússola, Editoras Parceiras, Resenhas da Feanari

Tenshi (Luciane Rangel & Ana Claudia Coelho)

Tenshi

“Eu não pedi para vir ao Japão. Eu não pedi para viver aqui e ser diferente.

Ao mesmo tempo em que era destacada, naquele país estava tudo o que eu conhecia: meu nome, minha míngua, meus costumes, minha família…. Porém, ainda assim, eu não pertencia àquele lugar.

Eu não pertencia a lugar algum. ” (Página 20)

Matsuo Umi tem quinze anos e foi abandonada quando bebê na porta de um orfanato em Chiba no Japão. Aos cinco anos foi adotada por um casal de japoneses. Por ter cabelos loiros e ondulados, olhos azuis e ser considerada alta para o padrão japonês, Umi sofreu e sofre bullying, principalmente na escola. Suas únicas amigas são a Gallagher Natsu (uma mestiça, filha de uma japonesa e um americano) e Shimada Kaori (antissocial convicta). Umi também é apaixonada por Shimada Hinoki, irmão mais velho de Kaori e professor de biologia delas.

Só as histórias de Umi, Natsu e Kaori já garantem drama suficiente. Umi convive com a mágoa de ter sido abandonada, com a crueldade dos que a rejeitam por ser diferente e com o medo de não ser mais necessária caso os pais tenham um bebê. Natsu tem que encarar diariamente a ausência do pai e supre essa falta com tudo o que vem dos Estados Unidos. Kaori e o irmão mais velho (não tão mais velho assim) desbravam o mundo sozinhos desde que os pais morreram. Mas, além disso, a Luciane e a Ana Claudia acrescentaram um garoto misterioso nessa história. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Destinado (Carina Rissi)

Atenção, esta resenha trata dos acontecimentos ocorridos no terceiro livro da série Perdida e pode haver spoilers sobre fatos dos primeiros livros. Para saber o que eu achei deles, confira os links no final desta resenha.

Destinado

Ainda lembro que quando terminei a leitura de Perdida, fiquei receosa quando soube que um segundo volume da série estava a caminho. Perdida havia narrado a história de amor de Sofia e Ian de forma tão redondinha que não via como a Carina poderia manter o fôlego da trama principal em uma nova história. Quando Encontrada veio, mudei minha opinião. Carina mostrou que antes dos felizes para sempre, ainda havia muitas histórias para contar. Havia toda a adaptação de Sofia ao século 19 e a adaptação da sociedade da época à Sofia. O livro único virou uma duologia e acabou por se transformar em uma série (serão cinco livros) e, no terceiro volume, cabe a Ian narrar o seu lado da história, e claro, vem muito drama e muito romance por aí.

“Então veio o depois, quando conheci Sofia. Bastou um olhar para que eu perdesse o coração, o fôlego e também o raciocínio. Eu a amei desde o primeiro instante, mesmo que ainda não soubesse disso. E, sendo Sofia como é, entrou em minha vida feito uma carroça desgovernada, atropelando-me, fazendo-me entender coisas que antes eu não compreendia e me sentir tão feliz com isso que às vezes doía. ” (Página 15)

Nós reencontramos o casal algum tempo depois dos eventos narrados em Encontrada. Elisa está completando dezessete anos e um baile está sendo preparado para a comemoração. Marina já está com dez meses. As relações com tia Cassandra, ainda que um pouco estremecidas, estão em vias de reparação. A fábrica de Sofia está indo muito bem obrigada. E a vida é boa e feliz. Mas, pode ser que não esteja destinada a durar. O celular de Sofia está de volta. Ian encontrou o aparelho que um dia fizera Sofia desaparecer no ar. Desta vez, ele está determinado a mantê-la longe do aparelho. Mas, a precaução não sai como o esperado. Elisa é enviada para o século 21 e caba a Sofia e Ian irem em seu resgate. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Piteco – Ingá (Shiko)

Piteco-Ingá-Capa

A corruptela do nome científico Pythecanthropus erectus deu origem ao nome do personagem criado por Mauricio, Piteco, em 1963 para um jornal da cidade de Bauru. E, quando falamos do Piteco, a memória da infância puxa aquelas histórias que tinham como foco a Thuga e sua corrida eterna atrás do amor do Piteco, fato que sempre me fez torcer o nariz para as histórias do homem da Idade da Pedra, Logo, Piteco – Ingá não era uma das revistas do selo Graphic MSP que eu estava ansiosa para conferir, mas, li tantos elogios à releitura do Shiko e a revista teve um sucesso de vendas tão grande, que acabei não resistindo à curiosidade. E a releitura de Shiko, história, arte e cor, produziu um trabalho surpreendente, que me fez ter outro olhar sobre os personagens e concluiu maravilhosamente o primeiro ciclo do selo Graphic MSP.

Shiko é nordestino, nasceu no sertão paraibano, e trouxe sua origem como inspiração para criar essa história. A Pedra do Ingá, inspiração para o pontapé inicial dessa história e que também a nomeia, realmente existe e está localizada no Agreste da Paraíba. Além disso, Shiko também utiliza elementos de lendas brasileiras como o Boitatá e a Caipora, e elementos míticos andinos como o Camazotz, um morcego gigante. Continuar lendo

7 Comentários

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

O Livro das Princesas (Meg Cabot, Paula Pimenta, Lauren Kate e Patrícia Barboza)

o livro das princesas

Quando soube do projeto da Galera Record de reunir algumas autoras para recontar contos de fadas, fiquei interessada. Principalmente, porque a Paula Pimenta era uma das autoras escolhidas e não é segredo para ninguém que gosto muito dos trabalhos dela. O livro foi lançado, o tempo passou e demorei para adquiri-lo e quando o fiz, demorei para lê-lo. Não foi à toa que acabei lendo primeiro o livro “Princesa Adormecida” da Paula, parte de um outro projeto que teve sua origem aqui. E, mesmo tendo me decepcionado um pouco com a história de Áurea, ainda assim estava curiosa para conferir a história da tal DJ Cinderela que foi elogiada por muitos.

Mas, discorrendo mais sobre o Livro das Princesas, ele traz quatro histórias tendo como protagonistas personagens inspiradas nos contos de A Bela e a Fera, Cinderela, A Bela Adormecida e Rapunzel. E com um prefácio de uma das princesas fictícias mais conhecidas da atualidade: Mia Thermopholis. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

A Máquina de Contar Histórias – Maurício Gomyde

Vinícius Becker perde a esposa, Viviana, enquanto estava viajando para o lançamento de seu mais novo livro. Ele volta correndo para São Paulo, na tentativa de estar lá para o enterro, mas mal chega a tempo e sua filha mais velha, Valentina, deixa bem claro o quanto o despreza por ter permanecido longe da mãe nas suas últimas horas viva. O autor percebe que precisa reconquistar o amor das filhas, que mal conhece depois de anos dedicado exclusivamente a seus livros.

A outra filha, Vida, é pequena, então aceita o pai muito mais facilmente, mas Valentina não quer saber do pai por perto. Certo dia, Vinícius lê um e-mail de Valentina para uma amiga no qual ela fala sobre o pai. Na esperança de que a amiga possa ajudá-lo com a filha, ele lhe manda uma mensagem pedindo conselhos. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Editora Novo Conceito, Lendo aleatoriamente, Resenhas da Feanari

Um Herói Para Ela (Lu Piras)

um-heroi-para-ela.jpg.1000x1353_q85_crop

“Ao contrário do que acontece na vida real, o script define tudo o que vai acontecer em um filme. Por isso, o roteirista deve sempre saber como uma história termina. Bem que Bianca gostaria, mas sua vida não era um filme. E o script… não era ela quem escrevia.” página 82.

Quando li a sinopse do livro da Lu Piras foi impossível não notar algumas semelhanças com outras obras literárias brasileiras. Músicos mascarados? Escola de cinema? Certeza que algum leitor aí deve ter ligado esses dois temas com outros romances juvenis tupiniquins. Então, é claro que comecei a leitura de Um Herói Para Ela com um pé atrás, se a ideia não fosse desenvolvida de forma diferente ou a história não convencesse, estava pronta para desistir da leitura. Foi muito bom então descobrir que sim havia uma banda de mascarados e uma escola de cinema, mas a faixa etária dos personagens e os dramas enfrentados por eles eram diferentes o suficiente para garantir uma certa originalidade à obra. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Editora Novo Conceito, Editoras Parceiras, Resenhas da Núbia

Até Eu Te Encontrar (Graciela Mayrink)

ateeuteencontrar_2

“- O fato de ele ser sua alma gêmea não quer dizer que vocês precisem obrigatoriamente ficar juntos. Existe o livre-arbítrio, embora ele esteja no seu destino. Mas você pode escolher. Só que isso não significa que você não vá amá-lo pelo resto de sua vida, mesmo que tome outro caminho.”

Flávia tem 18 anos é recém-chegada de Lavras em Minas Gerais e mudou-se para Viçosa para cursar Agronomia na Universidade Federal de Viçosa. Seus pais morreram quando ela ainda era criança e ela foi criada pelos tios, mas sentindo-se sufocada pela tia decidiu respirar novos ares e se aventurar em uma nova cidade. Ali, já no primeiro dia de aula faz amigos entre os calouros (Gustavo) como ela e entre os veteranos também (Felipe e Mauro). Ela também conhece Carla, a namorada de Luigi (um dos outros moradores da mesma república que o Felipe), tão odiada por seus amigos que não entendem como ambos estão juntos até hoje. Ainda que eles suspeitem a razão e nem imaginem o quão certo estão.

Fora da universidade ela conhece Sônia, sua vizinha de andar e dona da única loja esotérica da cidade. É Sônia quem lhe apresenta o mundo da wicca e revela segredos do passado da família de Flávia. É assim que em meio a provas, festas e encontros com os amigos, que a garota acaba envolvendo-se com o mundo místico e determinada a encontrar sua alma-gêmea acaba fazendo um feitiço para atraí-lo até ela. O que Flávia não contava era que Luigi, o menino que ela passou a odiar de lambuja por causa da Carla, fosse ser seu predestinado e que a descoberta desse destino pudesse gerar tantas intrigas e planos perversos para mantê-los separados… Continuar lendo

5 Comentários

Arquivado em Editora Novo Conceito, Editoras Parceiras, Resenhas da Núbia