Arquivo da tag: Maria Luiza X. de A. Borges (tradução)

Por Que Nós Dormimos (Matthew Walker)

Se tem uma atividade que a humanidade industrializada aprendeu a não dar a devida importância, é dormir. Ato frequentemente associado a perda de tempo. Mas, o que a neurociência e a ciência do sono tem demonstrado é que não poderíamos estar mais enganados. Dormir, e dormir bem, é requisito fundamental para ganharmos tempo e vivermos com qualidade. Colocar o sono em foco é o que propõe o neurocientista Matthew Walker em Por que nós dormimos, ritmo circadiano, jet lag, sonos REM e NREM, experiências oníricas e sonambulismo, são alguns dos temas abordados por Walker. O livro traz um panorama bastante completo do que a ciência do sono descobriu ao longo dos anos de estudos e nos ajuda a desvendar muitos mistérios e a compreender a importância de uma boa noite dormindo. Continuar lendo

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Editora Intrínseca, Editoras Parceiras, Resenhas da Núbia

Moriarty (Anthony Horowitz)

Moriarty

Anthony Horowitz faz parte do exclusivo rol, na verdade apenas ele e o autor Andrew Lane (da série O Jovem Sherlock Holmes), a ter autorização oficial da Conan Doyle Estate Ltd – entidade que administra a protege a obra do escritor – para revisitar o universo sherlockiano e os personagens criados por Conan Doyle. Sua primeira incursão, foi com o romance A Casa de Seda publicado no Brasil pela Editora Zahar. Ali, Watson em sua velhice e após a morte de Holmes, decide prestar uma última homenagem ao amigo e narrar os acontecimentos de um antigo caso. Agora, em Moriarty, Horowitz toma como ponto de partida o emblemático confronto de Holmes e seu nêmesis Moriarty em Reichenbach Falls, que culminou na queda dos dois na cachoeira suíça. O intuito de Doyle era “aposentar” seu mais famoso personagem, mas acabou tendo de voltar atrás e ressuscitá-lo devido ao clamor dos fãs. É a incerteza deste momento que Horowitz explora em seu romance. “Alguém realmente acredita no que aconteceu nas cataratas de Reichenbach?” Holmes morreu? Moriarty está morto?

A Scotland Yard envia para a cidadezinha suíça, o inspetor e grande admirador das técnicas de Holmes, Athelney Jones. A visita oficial era para ser uma mera cortesia da instituição que muitas vezes recebeu ajuda do famoso detetive para encerrar suas investigações, mas Jones encontra em Meiringen o detetive norte-americano – da Agência de Detetives Pinkerton – Frederick Chase, que traz à tona um novo caso. A morte de Moriarty deixou um grande espaço no submundo do crime, espaço que um gênio do crime do outro lado do Atlântico está determinado a ocupar. E é assim, que Jones se vê envolvido em uma investigação, muito maior e mais perigosa, na companhia de Chase. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Editoras Parceiras, Grupo Editorial Record, Resenhas da Núbia