Arquivo da tag: não-ficção

Colecionando Textos #55

 

*Feito no Canva.

Deixe um comentário

Arquivado em Colecionando Textos, Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Colecionando Textos #54

 

 

*Feito no Canva.

Deixe um comentário

Arquivado em Colecionando Textos, Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

A Cidade Inteligente (Evgeny Morozov & Francesca Bria)

Definitivamente este não seria um livro que eu escolheria para ler. Mesmo entre os livros de não-ficção, costumo me ater às ciências básicas. Ler sobre smart cities, as tecnologias envolvidas e a política de democratização e acesso às suas benesses, bem como o ônus gerado por esse processo, não estava nos meus planos. Eis uma prova de que assinar o Circuito Ubu (o clube de assinaturas de livros de não-ficção da Editora Ubu) foi uma ótima ideia. Não há dúvidas de que o clube tem contribuído para me tirar um pouquinho mais da minha zona de conforto de leitora.

Basicamente o que Morozov e Bria fazem em A Cidade Inteligente é investigar as conexões entre as infraestruturas digitais que têm moldado as paisagens digitais das cidades e os programas políticos e econômicos associados a elas, quer já estejam em curso ou em fase de implementação. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Colecionando Textos #53

 

 

*Feito no Canva.

Deixe um comentário

Arquivado em Colecionando Textos, Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

A Guerra Não Tem Rosto de Mulher (Svetlana Aleksiévitch)

Svetlana foi uma criança que cresceu tendo seu mundo girando em torno da consequência da Segunda Guerra Mundial. Foi natural para ela querer falar sobre esse período quando começou a escrever livros, mas o queria fazer sob um diferente ponto de vista, dar espaço a voz que sempre permaneceu calada, apesar de ter participado ativamente da guerra, a voz feminina. E isso, Svetlana conseguiu fazer com louvor em A guerra não tem rosto de mulher.

“No exército soviético lutaram aproximadamente 1 milhão de mulheres. Elas dominavam todas as especialidades militares, inclusive as mais ‘masculinas’. Surgiu até um problema linguístico: as palavras ‘tanquista’, ‘soldado de infantaria’, ‘atirador de fuzil’, até aquela época, não tinham gênero feminino, porque mulheres nunca tinham feito esse trabalho. O feminino dessas palavras nasceu lá, na Guerra…. ” (De uma conversa com um historiador, página 8)

Para fazer isso, cerca de quarenta anos depois de findada a guerra, Svetlana se entregou à hercúlea tarefa de recuperar relatos, memórias que muitas se empenharam muito para esquecer. Quando começou a colher os depoimentos, foi com reticência que muitas receberam Svetlana, mas não demorou para a partir delas mesmas, criar-se uma rede de indicações e convites que mergulharam Svetlana em milhares de depoimentos. O desafio já não era conseguir informações do papel feminino na guerra, mas escolher o que entraria no livro. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Revolução das Plantas (Stefano Mancuso)

Revolução das Plantas do neurobiólogo Stefano Mancuso foi a escolha (bem acertada) da Editora Ubu para estrear o seu clube de leituras Circuito Ubu. A proposta fundamental de Mancuso foi a de explorar o mundo das plantas, as quais seguiram um caminho evolutivo bastante divergente do tomado pelos animais, para descobrir o que elas podem nos ensinar sobre inovação e soluções para os problemas da humanidade. É com isso em mente que ele nos apresenta exemplos extraordinários das inovações vegetais comprovados por experimentos científicos, alguns dos quais desenvolvidos por ele e sua equipe no LINV (Laboratório Internacional de Neurobiologia Vegetal) da Universidade de Florença.

São nove capítulos nos quais Mancuso nos transporta para o mundo vegetal e mostra por A + B o quão surpreendente ele pode ser e o quanto podemos aprender se aprendermos a enxergar as plantas, não apenas vê-las. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

O Feminismo é Para Todo Mundo (bell hooks)

Apesar de sempre me procurar me informar sobre o feminismo, sempre me restringi aos textos e ensaios avulsos e ainda não havia me aventurado pela bibliografia feminista, apesar de já ter alguns títulos na lista de futuras leituras. Decidi começar com o livro da bell hooks. É assim mesmo que escreve, com letras minúsculas, porque o pseudônimo criado por Gloria Jean Watkins é grafado em letras minúsculas com o objetivo de deslocar o foco da figura autoral para suas ideias. hooks se propõe a falar sobre feminismo de uma forma fácil, que acabasse por incentivar a adoção de práticas feministas. Em tempos nos quais as lutas feministas são deturpadas e mal compreendidas, mesmo tendo sido publicado originalmente no ano 2000, o livro de hooks continua necessário. No prefácio, hooks deixa claro que ela nunca achou que o movimento feminista fosse um movimento só de mulheres, e é sobre este ponto de vista que todos os ensaios que fazem parte deste livro transitam. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Desafios Literários, Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Todo Dia a Mesma Noite (Daniela Arbex)

“A capitã da brigada caminhou pela Kiss atordoada não só com o que viu, mas com o barulho dos celulares das vítimas. Os aparelhos tocavam juntos e cada telefone tinha um som diferente. (…) Na maioria dos casos, porém, o visor indicava a mesma legenda: “mãe”, “mamãe”, “vó”, “casa”, “pai”, “mana”. Aquela sinfonia da tragédia era tão insuportável quanto a cena que Liliane presenciava. Como lidar com um evento dessa proporção?“ (Páginas 34 e 35)

Na manhã do dia 27 de janeiro de 2013 o Brasil acordou estarrecido pela tragédia que se abateu em Santa Maria no Rio Grande do Sul. Até o dia 26 de janeiro, Santa Maria vivenciou uma calmaria sem precedentes nos atendimentos do SAMU. Na madrugada do dia 27, a tempestade. A boate Kiss, com superlotação, funcionando sem todos os alvarás obrigatórios, utilizando material expressamente proibido com a finalidade de isolamento acústico, aliado a uma ação totalmente imprudente, incendiou. Com a guarnição dos bombeiros desfalcada, dezenas de civis ajudaram no resgate, muitos morreram durante o processo. Com uma só porta de saída e entrada, dificultada pela presença de guarda-corpos, muitos jovens não conseguiram sair, centenas morreram na boate e mesmo entre os resgatados com vida, muitos acabaram morrendo depois vítimas da intoxicação da fumaça letal gerada na combustão. O incêndio na Kiss interrompeu 242 vidas repletas de sonhos e projetos. A tragédia foi amplamente esmiuçada na mídia e muitos desses detalhes se tornaram de conhecimento público. Então, qual seria a história não contada da boate Kiss? Continuar lendo

3 Comentários

Arquivado em Editora Intrínseca, Editoras Parceiras, Resenhas da Núbia

Letra e Música (Ruy Castro)

Ruy Castro é conhecido por sua produção de biografias (são deles as de Nelson Rodrigues e Carmem Miranda) e por seus livros de documentação histórica, como o ótimo Chega de Saudade no qual retraça os caminhos que levaram ao surgimento da Bossa Nova. Ele também teve passagem por importantes veículos da imprensa até a década de 90 quando passou a se dedicar aos livros. De volta aos jornais, desde 2007 Ruy publica crônicas na coluna que assina quatro vezes na semana no jornal Folha de São Paulo. Letra e Música, publicado pela extinta Cosac Naify, traz um compilado de algumas de suas crônicas e ensaios publicadas entre 2007 e 2013.

O livro é composto por dois volumes com 64 pequenos textos em cada. No primeiro, A Canção Eterna, estão os textos do Ruy apaixonado por música: Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Desafios Literários, Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Mindhunter (John Douglas & Mark Olshaker)

“(…) desde Thomas Harris e O Silêncio dos Inocentes, escritores, jornalistas e cineastas vivem nos procurando para descobrir a ‘história real’ por trás dos casos.

Entretanto, logo notei, ao relatar os detalhes de alguns de meus casos mais interessantes e perturbadores, que muitas pessoas da plateia estavam se distraindo e deixando de prestar atenção. Elas estavam ficando realmente enojadas ao ouvir as coisas que eu e minha equipe víamos todos os dias. Percebi que não se interessavam pelos detalhes, e devem ter percebido também que não queriam escrever sobre isso da maneira como era de verdade. Não vejo problema nisso. Cada um de nós tem a própria clientela. ”(Página 373)

Como membro da clientela dos que escrevem sobre isso não da maneira como é de verdade (leia-se livros, séries e filmes policiais), fiquei curiosa a respeito do livro de John Douglas e do Mark Olshaker quando fiquei sabendo que teria uma série da Netflix inspirada nele. Para quem sempre teve interesse em saber mais sobre os casos retratados (ou que serviram de inspiração), sobre como funciona o processo investigativo, como se dá a ‘leitura’ do potencial assassino e toda a burocracia que atravanca o serviço de investigação e obtenção de provas, Mindhunter é uma leitura obrigatória e repleta de informações. E, mesmo que tenha sido publicado em 1995 e muita coisa desde então tenha mudado e aprimorado (ao menos esperamos), os primórdios da utilização da ciência comportamental nas investigações criminais estão devidamente bem representados.

John Douglas foi o fundador e chefe da Unidade de Apoio Investigativo do FBI, criada em 1980. O nome um tanto quanto genérico era proposital, naqueles anos ninguém levava a sério as ciências comportamentais, não como ferramenta para a solução de crimes. É justamente como venceu essas barreiras e como o estudo baseado nas entrevistas com assassinos em série presos (primeiro informalmente e depois de forma sistematizada com a inclusão da dra. Ann Burgess – especialista em doenças mentais – ao grupo) permitiu o reconhecimento de padrões nos criminosos que Douglas discorre neste livro. A narrativa lembra muito um romance biográfico, com Douglas inclusive trazendo fatos de sua infância e anos pré-FBI e do FBI nos tempos de Hoover. Assim como uma biografia, a narrativa assume um tom de memórias, na medida do possível temporalmente linear, ainda que comumente um caso tratado mais a frente em maiores detalhes tenha sido brevemente citado antes. Estruturar o livro como um romance biográfico foi uma ótima escolha, pois tornou a leitura mais fluída e menos parecida com um manual sobre como decifrar a mente de assassino, ainda que em algumas partes o livro ganhe um tom professoral muito semelhante ao de livros textos. Depois de tantos cursos e palestras ministrados por Douglas, isso até que é compreensível. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Editora Intrínseca, Editoras Parceiras, Resenhas da Núbia