Arquivo da tag: O Turno da Noite

Saturday Rehab #55

Duas semanas atrás eu voltei a escrever essa coluna. Deixei de postar semana passada porque acho mais legal quando a estante  muda mais do que mudou semana passada.

Já tinha comentado que eu ia fazer uma parte da estante com os livros que eu posso ler sem peso no coração (sim, não é na consciência) porque já tenho as continuações, mas achei que tinha ficado meio difícil de identificar que parte que era, então deixei os livros deitados.

Acabei de perceber que deixei o Destinada na pilha, e ele é o tal último livro, então essa foto está meio errada, mas tudo bem..

De acréscimo à estante, temos o The Casual Vacancy da J. K. Rowling. Meu pai o trouxe para mim da sua última viagem, então ele teoricamente conta como presente. Ao lado dele está A Morte dos Reis, o segundo livro da série Imperador do Conn Iggulden. No momento estou lendo estes dois (e todos os que estavam como “Lendo” nas últimas semanas eu deixei como se não tivesse nem começado).

E os três livros no canto inferior direito são os que eu li nos últimos 15 dias: O Turno da Noite 2 (Revelações), Tentada e Morte na Flip. Espero conseguir escrever as resenhas logo =) Estou devendo algumas resenhas para vocês, e logo elas devem sair (espero!).

Finalmente, eu os convido a dar uma conferida na lista de músicas que apareceram no Sexta Feira Musical. Eu organizei a lista em ordem alfabética do nome da música e preparei uma playlist no Youtube com todas as músicas que já apareceram lá. Esta está na ordem em que elas apareceram nos posts. São músicas que grudaram na minha cabeça nas semanas dos posts, então de um modo geral, são músicas de que eu gosto. Cliquem aqui para ver a lista completa, e comentem nos posts para eu saber se vocês gostaram das músicas! [Acho que podem estar faltando algumas músicas (se eu não coloquei a tag sexta-feira musical no post sem querer), mas aos poucos eu arrumo!]

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente

Um Autor de Quinta #40

Coluna inspirada no Uma Estante de Quinta da Mi Muller do Bibliophile. Pretendemos toda quinta-feira trazer informações, curiosidades e algumas dicas de leituras e afins sobre algum(a) autor(a).

 

Andre Vianco

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Um Autor de Quinta

O Turno da Noite: Os Filhos de Sétimo (André Vianco)

Atenção, este post trata do primeiro livro da série O Turno da Noite, que se passa depois dos eventos de Os Sete e Sétimo. Assim sendo, podem haver spoilers, ou seja, comentários sobre a trama dos livros anteriores.

Os Filhos de Sétimo_capa

A história da trilogia O Turno da Noite tem começo apenas dias após o final de Sétimo. Seus filhos estão perdidos pelas ruas de São Paulo, sem saber como encarar a noite. Um vampiro ancião, Ignácio, entra em contato com quatro deles, Patrícia, Bruno, Raul e Alexandre e lhes oferece o que os jovens tanto procuram: segurança. O dinheiro e os luxos que o homem oferece também os atrai.

Ignácio diz aos novatos que eles não devem resistir à sede por sangue, que fazê-lo apenas os tornará mais mortais quando cederem; e explica que devem caçar pessoas que merecem ser mortas, tais como traficantes, estupradores, assassinos… Através de seu discurso, os jovens são arrebanhados para a agência de Ignácio que “limpa” a sociedade dos mortais.

Paralelamente à trama dos novatos, ocorrem outras histórias: a alcatéia de lobos filhos de Dom Afonso (Lobo) decide se esconder do exército, que ainda está atrás dos vampiros. A alcatéia se separou em três grupos: o primeiro é liderado por Leonardo e busca se esconder na Floresta Nacional de Ipanema em Sorocaba; o segundo, composto por Marcos e Yuli, tenta retornar a Porto Alegre, onde foram criados por Lobo; e finalmente, Hélio, que salvou duas das vampiras de Sétimo: Aléxia e Paola.

Todas essas tramas são exploradas alternadamente nas 229 páginas do livro, o que poderia torná-lo rápido e superficial demais, mas o autor soube contar sua história bem, e não ficamos com essa impressão. Claro que algumas histórias são menos exploradas, mas acredito que ele as retome nos livros futuros da série, então isso não se trasnforma em um problema.

Um dos fatores que tornou as histórias do André Vianco tão famosas é que ele, por ser brasileiro, narra os acontecimentos em cidades do país. Então quando ele descreve suas personagens no parque Trianon, ou na rodoviária do Tietê, eu consigo imaginar muito mais eficientemente a cena, por conhecer o lugar pessoalmente. Mesmo quando não conheço o lugar pessoalmente, reconheço de alguma notícia ou simplesmente imagino mais fácil por ser no Brasil. Dá uma sensação muito mais real à trama.

Para quem se encantou com os livros anteriores, a série é um must.

Compre aqui:

Cultura Saraiva Travessa Fnac

2 Comentários

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Feanari