Arquivo da tag: poemas

Confissão (Paula Pimenta)

confissão

“(…) Então este livro é assim, possui um fragmento do amor que dediquei a cada um deles, em um tempo da minha vida. E, apesar de terem me feito sofrer em alguns momentos, hoje os agradeço por terem servido de inspiração para toda essa “confissão” que faço agora.”

Confissão, o livro de poema da Paula, marcou sua estreia como escritora. Quando ela ainda nem sonhava que fosse possível viver de suas palavras. Ele foi publicado em 2001, fruto do paitrocínio, e após vários pedidos de fãs da autora, a Gutenberg decidiu publicar uma nova edição, que além dos poemas contidos na obra original, também ganhou novos poemas, inclusive alguns “emprestados” de alguns personagens de outras obras da Paula. Quem já conhece o Rodrigo, o protagonista mais do que fofo de Minha Vida Fora de Série, vai relembrar alguns dos poemas “criados” por ele em seus cadernos escolares. Além disso, essa nova edição também conta com o trabalho gráfico para lá de lindo do Diogo Droschi. Ele que é o responsável pelas capas lindas dos livros da Paula (e de outros tantos publicados pela editora) e que em Confissão não ficou restrito somente à capa, mas enveredou por entre as páginas e criou um arcabouço gráfico lindo e que complementa com perfeição as palavras da Paula. Continuar lendo

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Resenhas da Núbia

Meme Literário 2011 – Dia 20

 

 

Dia 20 – Você gosta de poesias? Qual o seu poeta ou poema favorito?

 

 

Antes costumava ler mais e até “colecionava” poemas, tinha um caderninho onde transcrevia todos os meus poemas favoritos. Lembro que Carlos Drummond de Andrade, Vinicius de Moraes, Pablo Neruda, Cecilia Meireles, Castro Alves e Fernando Pessoa eram figurinhas carimbadas. Um dos meus poemas favoritos é:

Autopsicografia 

O poeta é um fingidor. 
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor 
A dor que deveras sente. 

E os que lêem o que escreve, 
Na dor lida sentem bem, 
Não as duas que ele teve, 
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda 
Gira, a entreter a razão, 
Esse comboio de corda 
Que se chama coração.

(Fernando Pessoa)

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente