Arquivo da tag: Prêmio Nobel de Literatura

As Últimas Testemunhas (Svetlana Aleksiévitch)

As Últimas Testemunhas, publicado originalmente em 1985, é o segundo livro de Svetlana. Nele ela resgata as memórias de quem era criança durante a devastação da Bielorússia na Segunda Guerra Mundial. Assim como em seus outros livros, neste ela segue experimentando esse gênero literário que muitos ainda relutam em chamar de literatura, o romance-testemunho. A compilação de um coro de vozes, palavras e memórias que podem não pertencer a Svetlana, mas que são ouvidas, sentidas e trabalhadas com empatia e sensibilidade palpáveis. São narrativas arrebatadoras, repositórios de períodos históricos que não podemos nos permitir esquecer.

“Talvez ela tivesse oito anos, talvez dez. Como ia adivinhar pelos ossinhos? Não eram pessoas que andavam ali, mas esqueletos…. Logo ela ficou doente, não conseguia levantar e ir para o trabalho. Eu pedia para ela… No primeiro dia inclusive eu a puxei até a porta, ela se segurou na porta mas não conseguia andar. Passou dois dias deitada, e no terceiro vieram pegá-la e levaram na maca. Só havia uma saída do campo: pela chaminé…. Direto para o céu… ” (Página 146)

Continuar lendo

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

O Homem é um Grande Faisão no Mundo (Herta Müller)

Decidir qual livro ler como representante da Romênia no Projeto Volta ao Mundo em 198 Livros não foi uma tarefa fácil. Não por escassez de autores e títulos, mas porque decidida a ler uma obra da Herta Müller tive receio de acabar escolhendo a obra errada e me decepcionando com a autora. Já ouvi e li tantas opiniões divergentes acerca de sua obra, e um bocado de pessoas com gostos parecidos com os meus não tiveram uma boa experiência com os livros da autora, que quando finalmente optei por começar com O Homem é um Grande Faisão no Mundo, foi com as expectativas lá embaixo. E que coisa boa é ser surpreendida positivamente. Ao menos neste, a narrativa de Herta é certeira, concisa e sem rebuscamento, mas ao mesmo tempo é de muita riqueza poética e transpira as feridas sofridas pelos alemães nascidos em terras romenas, como a própria Müller. Continuar lendo

3 Comentários

Arquivado em Desafios Literários, Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia, Volta ao Mundo em 198 Livros

TAG – Prêmio Nobel de Literatura

Depois de mais de um mês sem aparecer uma TAG por aqui, escolhi para responder uma TAG bem legal que envolve o Prêmio Nobel de Literatura. A TAG foi criada pela Ana Luísa do canal Analu Bussular livros e mais, mas eu a vi pela primeira vez no canal da Mari Dal Chico que respondeu juntamente com a Mell do Literature-se e a Isa do Lido Lendo.

Vamos às categorias?

1 – Um autor ganhador de Nobel que você já leu.

Seguindo o exemplo da Camila do Viaggiando, não vou me ater apenas a um nome, por ordem cronológica de premiação, já li Rudyard Kipling (O Homem Que Queria Ser Rei e Outras Histórias), Ernest Hemingway (O Velho e o Mar, que pretendo reler este ano), Albert Camus (A Morte Feliz), Pablo Neruda (Cem Sonetos de Amor), Gabriel García Márquez (Memórias de Minhas Putas Tristes e O Amor nos Tempos do Cólera), José Saramago (Ensaio Sobre a Lucidez) e Svetlana Aleksiévitch (Vozes de Tchernóbil). Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, TAGs

Leia Mulheres: escritoras de não-ficção que vale a pena conhecer

Com o Dia Internacional da Mulher se aproximando, nada mais justo do que lembrar a data colocando em evidência as mulheres que fazem do mundo das palavras suas profissões. O título deste post faz referência ao projeto #readwomen2014 (adotado no Brasil como #leiamulheres2014) proposto pela escritora Joanna Walsh e que propunha que todos lessem mais mulheres, as quais historicamente sempre tiveram menos visibilidade no mercado editorial. Houve um grande engajamento no ano de 2014 e até hoje ele rende frutos. No Brasil hoje temos o projeto Leia Mulheres que já conta com vários clubes de leituras espalhados pelo Brasil e que tem contribuído para colocar em destaque o trabalho de várias escritoras. A minha contribuição de formiguinha aqui é apresentar cinco escritoras de não-ficção que me proporcionaram ótimas leituras, algumas extraordinárias, e, que eu gostaria que cada vez mais tivessem suas obras conhecidas e lidas por mais pessoas.

A ordem de apresentação das autoras é aleatória.

677px-swetlana_alexijewitsch_2013

Foto de Elke Wetzig

Era inconcebível eu fazer essa lista e deixar de fora a bielorussa Svetlana Aleksiévitch laureada em 2015 com o Prêmio Nobel de Literatura pelo livro Vozes de Tchernóbil, uma leitura sofrida e angustiante, mas de uma sensibilidade e um compromisso com o povo de Tchernóbil imensos. O livro faz jus a todo o burburinho que causou na época de seu lançamento aqui no Brasil e se você ainda não leu se permita ter essa experiência. Dela a Companhia das Letras também já publicou outros dois livros: “A guerra não tem rosto de mulher” e “O fim do homem soviético”. O primeiro traz o relato da Segunda Guerra Mundial do ponto de vista das mulheres que longe de ficarem na retaguarda, estiveram na linha de frente das batalhas. Uma leitura com um grande enfoque feminino e que já está na pilha de livros para ler ainda este ano. Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em Leia Mulheres, Lendo aleatoriamente

Vozes de Tchernóbil (Svetlana Aleksiévitch)

vozes_tchernobil

Ao longo da história da humanidade são muitas as catástrofes que acumulamos: umas de causas naturais, outras intencionais e algumas, resultados do erro e da negligência humana. Quando pensamos em acidentes nucleares, é impossível não lembrar do acidente com o Césio 137 ocorrido em 1987 em Goiânia (particularmente, nós brasileiros); o mais recente ocorrido em 2011 em Fukushima no Japão; e, talvez aquele que mais perdure no imaginário popular, quer seja pela magnitude atingida, pelos efeitos deletérios e/ou pela carga histórica até hoje impingida aos bielorrussos, ucranianos e russos.

No dia 26 de abril de 1986 ocorreram uma série de explosões seguidas de incêndio na usina nuclear de Tchernóbil, localizada em Prípiat na Ucrânia, bem próximo à fronteira da Bielorrússia, e então parte da União Soviética. O acidente lançou grandes quantidades de partículas radioativas na atmosfera da URSS e de boa parte da Europa, transformando Prípiat em uma cidade fantasma, matando milhares de pessoas, plantas e animais, e gerando consequências até hoje enfrentadas pelos sobreviventes e pelos que nasceram após ele. Minúcias do acidente há muito são esmiuçadas, nos livros de história, de ciências, nos documentários…

“Este livro não é sobre Tchernóbil, mas sobre o mundo de Tchernóbil. Sobre o evento propriamente, já foram escritos milhares de páginas e filmados centenas de milhares de metros em película. Quanto a mim, eu me dedico ao que chamaria de história omitida, aos rastros imperceptíveis da nossa passagem pela Terra e pelo tempo. Escrevo os relatos da cotidianidade dos sentimentos, dos pensamentos e das palavras. Tento captar a vida cotidiana da alma. ”

(Página 40)

Continuar lendo

6 Comentários

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia