Arquivo da tag: sci-fi

Estrelas Perdidas (Claudia Gray)

Claudia Gray é conhecida por seus romances YA (alguns não tão bem-sucedidos assim) e nunca imaginei que algum dia leria algo dela relacionado ao universo de Star Wars (e ela já escreveu mais um livro que logo será publicado por aqui!) mas, se tem algo que o universo expandido da franquia sempre permitiu foi a pluralidade de adaptações e formatos. E, há espaço para romances YA também, principalmente os que nada ficam a dever em termos de qualidade, boas tramas, narrativas envolventes, personagens cativantes e que fornecem informações e lançam pistas acerca do futuro do novo cânone.

Em Estrelas Perdidas acompanhamos a história de Ciena Ree e Thane Kyrell. Ambos nasceram no isolado planeta Jelucan na Orla Exterior, no mesmo ano do soerguimento do Império. Ela, pertencente a uma família descendente da primeira leva de colonizadores do planeta, os quais ocuparam os vales e vivem na pobreza. Ele, pertencente a uma abastada família da segunda leva de colonizadores. Oito anos após a queda da Velha República, Jelucan foi conquistada pelo Império e é nesse cenário de festa e demonstração do poderio aéreo imperial que ambos têm seu primeiro contato, motivados pelo sonho compartilhado de pilotarem as naves do Império. A partir daqui, acompanhamos a amizade crescente dos dois, os primeiros treinamentos de voo em conjunto (algo criticado pela família de ambos), os estudos preparatórios e a entrada na Academia Imperial. Mas, é lá naquela primeira apresentação dos dois (com direito a uma participação especial do Grão Moff Tarkin) que Gray deixa claro as principais diferenças entre Ciena e Thane, diferenças depois utilizadas muito apropriadamente por ela para fundamentar as escolhas dos personagens. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Star Wars – Um Novo Amanhecer (John Jackson Miller)

star-wars-um-novo-amanhecer

Um Novo Amanhecer cronologicamente se passa oito anos após a Trilogia Prequela, e, apesar de fazer parte do cânone de Star Wars, basicamente traz a história de como o “ex-jedi” Kanan Jarrus conheceu a piloto/espiã Hera Syndulla. Ambos são personagens principais da série de desenho animado Star Wars Rebels, que como o próprio nome sugere, expande mais o nosso conhecimento sobre a Aliança Rebelde. O livro que pode ser considerado como a primeira aventura da Saga Rebels pode não acrescentar muitas informações acerca do Universo Star Wars, mas John Jackson Miller entregou uma história repleta de personagens cativantes e com uma narrativa envolvente que te prende desde as primeiras páginas.

“Vinha peregrinando por aí desde aquele dia sombrio, anos antes. O mais sombrio dos dias. O dia em que sua vida, como ele a conhecia, desmoronou; foi destroçada por algo que, na época, ele sequer tinha compreendido. Ainda não compreendia muito bem. Lá estava ele, com quatorze anos, completamente dependente da Ordem Jedi para tudo: comida, abrigo, educação e segurança. Amor, talvez não; mas pelo menos tinha estabilidade, paz e bom senso.

E, então, de repente, a República e seus soldados clone se voltaram contra o Jedi. ”

(Página 88)

Kanan Jarrus foi um dos poucos (único?) aprendizes de Jedi que sobreviveram à Ordem 66. No caso dele, foi o sacrifício de sua mestre que lhe garantiu a chance de fugir. Desde então ele tem vivido na clandestinidade, evitando criar problemas com o Império. O personagem Miller já encontrou pronto, mas ele conseguiu contribuir para a construção de um histórico contundente para o personagem e deixou-o cativante o suficiente para deixar no leitor a vontade de continuar acompanhando suas aventuras na série animada. Kanan é um protagonista com aspectos que vão além da bondade e da calma atribuídas aos Jedi. Por tentar negar seu passado, inicialmente por puro terror de ser encontrado e morto pelas forças imperiais e depois para se proteger das perdas que o soerguimento do Império causou, Kanan se tornou um casca grossa. Bebe para esquecer, leva uma vida errante desde sua primeira fuga, tentando ao máximo evitar criar laços e com um ânimo um tanto esquentado com uma leve tendência a entrar em brigas. Depois de tantos anos fugindo, tornou-se especialista em manter-se longe dos radares imperiais. Mas, depois dos acontecimentos no planeta Gorse, onde sua permanência já se estende por um bom tempo, ele não conseguirá ficar sem agir. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

O Planeta dos Macacos (Pierre Boulle)

Planeta_dos_Macacos_Boulle

Desde que o romance de Pierre Boulle foi publicado, em 1963, já contava com certa notoriedade no mundo literário. Uma notoriedade que só aumentou desde o lançamento da primeira adaptação do livro para o cinema em 1968. Depois disso, várias adaptações e continuações foram produzidas. Algumas mais próximas à trama original e outras bem distantes da trama criada por Boulle. Com o reboot da franquia e o lançamento de Planeta dos Macacos: A Origem em 2011, o interesse sobre a obra de Boulle reacendeu. E a editora Aleph, muito sabiamente em 2015, resgatou essa obra icônica da ficção científica, com uma edição que também conta com uma entrevista concedida por Boulle em 1972, um ensaio jornalístico sobre a vida do autor, além de um posfácio escrito pelo pesquisador de ficção científica Braulio Tavares.

A história de Boulle nos é entregue encapsulada. É um casal de cosmonautas em viagem turística pelo espaço que a encontra: uma garrafa contendo um manuscrito. Um documento contendo as memórias de Ulysse Mérou, um jornalista que um dia decidiu se aventurar em uma viagem espacial, na companhia de mais dois cosmonautas, em direção à estrela Betelgeuse na Constelação de Órion. Continuar lendo

4 Comentários

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Perdido em Marte (Andy Weir)

Perdido-em-Marte

A contracapa da edição brasileira de Perdido em Marte traz um comentário do astronauta Chris Hadfield (comandante da Estação Espacial Internacional) no qual ele diz que a precisão técnica utilizada por Weir é fascinante e que as situações vivenciadas por Mark lembravam muito um episódio de MacGyver. Para toda criança dos anos 90, o referido personagem é sinônimo de inventividade e superação de obstáculos, e Mark (o protagonista desta história) realmente encarna todo esse espírito, com um adendo: um pendor para a comicidade e o sarcasmo. E isso, conquista o leitor desde a primeira frase do livro. Mark está ferrado e tudo o que você quer é torcer por ele e vivenciar com ele todos os seus esforços para sobreviver em Marte e retornar à Terra.

Mark Watney, astronauta da Nasa, pode ter sido apenas a décima sétima pessoa a pisar em Marte, mas garantiu para si o título de primeira pessoa a ser esquecida, e provavelmente a primeira a morrer, no planeta vermelho. Ele era um dos tripulantes da missão Ares 3, que foi abortada por causa de uma forte tempestade de areia. Toda a tripulação foi embora e Mark, que acreditavam estar morto, foi deixado para trás. Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Chico Bento – Pavor Espaciar (Gustavo Duarte)

Chico-Bento-Pavor-Espaciar

Desde que eu descobri as graphic novels do selo Graphic MSP, as histórias que tive maior vontade de ler, eram as adaptações da turma do bairro do Limoeiro (o meu núcleo favorito ever) e a do Chico Bento. Laços foi uma homenagem muito bonita e saudosista feita pelos irmãos Cafaggi. Pavor Espaciar, do Gustavo Duarte, foi publicada em 2013, mas só consegui conferir agora, depois de sua reedição. E, apesar de toda a ansiedade para ter o volume em mãos, não estava esperando tanto da história, pois havia lido algumas resenhas negativas que diziam que o Gustavo Duarte não fazia jus ao personagem, reclamando da ausência de texto… Foi com um pé atrás que comecei essa história, mas o traço limpo e bastante expressivo de Duarte, sua história simples e de certa forma tão ligada às crendices das cidades do interior e as mil referências espalhadas pelas páginas, garantiram uma leitura bastante divertida.

Do núcleo do Chico Bento, Gustavo Duarte decidiu fazer um recorte e criar uma história na qual Chico, Zé Lelé, Torresmo e Giselda fossem os personagens em destaque. Com isso, os pais do Chico têm apenas uma pequena aparição, e outros conhecidos nossos (como a Rosinha) nem dão as caras. E isso é um porém, que espero que uma nova HQ do Chico poderia sanar. Mas, voltando a história… Continuar lendo

5 Comentários

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Astronauta – Singularidade (Danilo Beyruth)

astronauta_singularidade

“…. Estou sempre procurando algo, mas não sei bem o quê. A maioria das pessoas imagina o espaço como um imenso vazio. Eu o vejo como ele é: um lugar repleto de descobertas para serem feitas. ”  (Página 27)

Em Astronauta – Singularidade, Danilo Beyruth dá continuação à história apresentada em Magnetar. No primeiro volume Beyruth utilizou um episódio de “naufrágio” no espaço para enfocar a solidão tão característica do personagem, e rememorar os eventos da sua infância e as escolhas que o Astronauta teve de fazer por causa de sua carreira. Agora, em Singularidade, reencontramos o Astronauta passando por avaliações psicológicas que irão determinar se ele poderá continuar em seu posto. E é claro, há uma nova missão: investigar um buraco negro, mas não sozinho! Ele irá acompanhado da doutora responsável por sua avaliação e um tripulante do país responsável pelo seu resgate na malfadada missão anterior. Continuar lendo

7 Comentários

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Star Wars: Marcas da Guerra (Chuck Wendig)

Star-Wars-Marcas-da-Guerra-capa-Brasil

“- Esta não é uma história inspiradora qualquer. Não é mais um conto de um azarão, pobre coitado e pé-rapado, uma luta pugilista onde nós somos o gladiador de bom coração que derruba o regime opressor que o colocou na arena. Eles ficaram com essa narrativa. Nós somos aqueles que escravizaram mundos inteiros, repletos de habitantes alienígenas. Nós somos aqueles que construíram algo chamado de Estrela da Morte sob a liderança de um velho goblin decrépito que acreditava no “lado sombrio” de uma antiga religião maluca qualquer. ” (Página 176)

Até bem pouco tempo atrás meu contato com o universo de Star Wars restringia-se aos filmes. Como fã da franquia desde que me entendo por gente, sabia que o Universo Expandido de Star Wars tinha bastante coisa, mas nunca tinha ido atrás, salvo a primeira temporada da série de animação Star Wars: The Clone Wars que acabei nem continuando a ver. Com a notícia da produção dos novos filmes pela Disney, o auê em torno da história principal e seu universo expandido reacendeu-se. Foram lançados hq’s (já conferi algumas) e a Editora Aleph começou uma publicação massiva de obras literárias desse universo (e não tô reclamando não, pode mandar mais Aleph!). Tanto as antigas (anteriores à 2014), que agora são conhecidas como Legends e que não fazem parte do cânone estabelecido em 2014, quanto as obras mais recentes e que trazem os conceitos a serem explorados em filmes, livros, games…. Dentre esses, Star Wars – Marcas da Guerra, primeiro volume da trilogia Aftermath, de Chuck Wendig chega para preparar o terreno para o que começou a ser explorado no episódio VII dos filmes. Mas, não vá com muita sede ao pote, achando que ele contém maiores detalhes sobre o que você viu em Star Wars: O Despertar da Força. O que é explorado aqui é muito mais antigo…

A trama de Wendig se passa alguns meses após a Batalha de Endor que acarretou na destruição da Segunda Estrela da Morte, nas mortes de Darth Vader e Palpatine e no enfraquecimento das forças imperiais e início da restauração da Nova República. É claro que velhos conhecidos nossos não são esquecidos, mas desta vez, eles cedem espaço para personagens secundários dos filmes brilharem. Almirante Ackbar, o Líder Vermelho Capitão Wedge Antilles e a piloto Norra Wexley são os protagonistas que representam a antiga resistência. Do outro lado temos a almirante Rae Sloane e alguns figurões das forças imperiais. Além deles, outros personagens ganham destaque na trama: Jas Emari, uma caçadora de recompensas; Sinjir, um antigo agente imperial; Temmin, o filho que Norra deixou para trás, na Orla Exterior, para se juntar às forças rebeldes; e, não posso esquecer do Senhor Ossudo, um droide esquisitão, mas cativante. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

172 Horas na Lua (Johan Harstad)

172-horas_capa

“Seu recém-descoberto respeito por Armstrong e Aldrin apenas cresceu. Nenhuma palavra parecia capaz de captar a beleza e a lugubridade deste lugar. Mas eles haviam conseguido. Especialmente Aldrin. Ele saíra do módulo e comunicara à Terra as únicas palavras possíveis. Magnífica. Magnífica desolação. ” (Página 132)

172 horas na Lua, do norueguês Johan Harstad, foi publicado originalmente em 2012 e este ano a Novo Conceito decidiu publicar o livro no Brasil. Eu confesso que não sou muito fã de livros com uma vibe meio de terror, mas o fato de Harstad ter situado sua história na Lua, fazendo um resgate da era de ouro das viagens espaciais e as campanhas da Nasa, foi algo que me deixou curiosa e me fez pedir o livro para avaliação.

A trama de Harstad tem início em 2010 quando um grupo de alto escalão do governo norte-americano decide que quer realizar novas expedições à Lua, mais especificamente à estação lunar DARLAH2, nunca antes utilizada. Os interesses são escusos e envolvem uma misteriosa entidade avistada durante a última missão ao satélite terrestre. Mas, para mascarar os reais interesses e atrair a atenção da mídia, eles decidem “vender o projeto” como uma espécie de viagem a uma Disney high-tech, leia, enviar adolescentes à Lua junto com os astronautas! E eles decidem fazer disso um concurso internacional. Aliás, o site da inscrição citado no livro, realmente existe e acredito que deva ter sido funcional (aceitando as inscrições e tudo o mais) na época do lançamento do livro. E é assim, que em 2018, conhecemos a norueguesa Mia, a japonesa Midori e o francês Antoine, os três jovens escolhidos para viver essa aventura. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Editora Novo Conceito, Editoras Parceiras, Resenhas da Núbia

Da tela para os livros: Arquivo X na literatura

The-X-Files-the-x-files-25080861-1024-768

Quem tem o costume de acompanhar séries americanas (na verdade até quem não é tão acostumado assim) deve conhecer ou já ouviu alguém comentando sobre a série de ficção científica criada pelo Chris Carter. Arquivo X (The X-Files) fez um enorme sucesso durante a década de 90, marcou toda uma geração (na qual me incluo) e serviu de parâmetro para muita série de sci-fi desde então. Eu sempre fui uma viciada, entusiasta e fã de carteirinha dos agentes Mulder e Scully e de tudo relacionado à franquia e é claro, que quando a série partiu das telas para os livros acabei me rendendo também, tanto às adaptações literárias dos roteiros dos episódios quanto aos livros que tratavam sobre o universo da série. Ah, e alguém pode até se perguntar por que cargas d’água alguém compraria  novelizações de série quando se pode assistir aos episódios. Bem, assistir aos episódios é tudo de bom, mas ler as histórias dos personagens no papel também, a impressão que tenho é que acabamos mais próximos dos personagens neste formato, mas pode ser só o meu lado bibliófilo falando…

Duvido que algum fã da franquia não conheça, já tenha lido ou ouvido falar de pelo menos uma das obras que mostro abaixo e, por favor, se você conhece alguma obra que não foi citada aqui compartilhe conosco. E para começar, nada melhor do que a coleção de novelizações que foram publicadas no Brasil pela Editora Mercuryo.

books_x-files_1

  1. A Verdade Está Lá Fora (Roteiro: Chris Carter)
  2. Quando a Noite Cai (Roteiro: Les Martin)
  3. Terrível Simetria (Roteiro: Steve de Jarnatt)
  4. Assassino Imortal (Roteiro: Glen Morgan & James Wong)
  5. Fraude (Roteiro: Darin Morgan)
  6. A Besta Humana (Roteiro: Ellen Steiber)
  7. Sangue (Roteiro: Les Martin)
  8. O Raio da Morte (Roteiro: Easton Royce)
  9. O Ser do Espaço (Roteiro: Glen Morgan & James Wong)
  10. A Guerra das Baratas (Roteiro: Les Martin)
  11. O Fantasma da Máquina (Roteiro: Les Martin)

  Continuar lendo

7 Comentários

Arquivado em Lendo aleatoriamente

A Cor que Caiu do Espaço (H.P. Lovecraft)

Quem nunca ouviu falar da criatura fantástica Cthulhu ou de livros como O Sussurro das Trevas e O Chamado de Cthulhu? Bem até pouco tempo atrás eu não conhecia, o Cthulhu ainda preciso conhecer, só sabia que eram contos escritos por H.P. Lovecraft e, apesar de sempre ouvir falarem muito bem de sua obra, sua produção literária continuava uma incógnita para mim. Decidida a sanar esta falta comprei o volume de A Cor que Caiu do Espaço, publicado pela Hedra. Não sei se essa seria a obra recomendada pera iniciar-me pelos caminhos lovecraftinianos, mas confesso que o Espaço no título chamou minha atenção. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia