Harry Potter e a Criança Amaldiçoada (J.K. Rowling, John Tiffany & Jack Thorne)

hpcursedchild

Com Harry Potter e a Criança Amaldiçoada, J.K. Rowling em colaboração com John Tiffany e Jack Thorne, nos convida de volta ao mundo mágico dos bruxos, dezenove anos depois da Batalha de Hogwarts. Harry Potter agora é funcionário do Ministério da Magia, marido e pai de três crianças em idade escolar. A trama tem início justamente no diálogo do epílogo do sétimo livro, e dos filhos de Potter, será Alvo Severo que terá que lidar com o legado da família e todas as implicações dele em sua vida de estudante em Hogwarts. A seleção das casas, os amigos escolhidos, as habilidades ou a falta delas, o relacionamento com o pai e a enorme vontade de provar o seu valor. O tempo é o cerne da trama e a forma como ele foi trabalhado foi interessante, mas caramba, precisava ter tornado o Alvo um chato de galocha? O guri é insuportável, ainda bem que havia o Escórpio Malfoy (quem diria, um Malfoy!) para fazer frente a tanta chatice e angariar nossa empatia. Não falarei mais nada da trama que é para não estragar a surpresa, já que a história se apoia bastante nela para fisgar o leitor.

Só tomei conhecimento da peça de teatro envolvendo o mundo de Harry Potter quando a produção estava a todo vapor. Acompanhei todo o burburinho (que atingiu níveis desagradáveis por parte de alguns “fãs”) envolvendo a escolha dos atores e fiquei com inveja dos que puderam assistir à peça. Mas, até então nem sonhava que o roteiro seria publicado e quando o foi, fiquei ensimesmada com tantas pessoas chamando a peça de Jack Thorne de fanfic, afinal havia uma contribuição substancial da J. K. Rowling no projeto. Terminada a leitura, de certa forma tenho que concordar que a trama lembra mesmo uma fanfic. Todos os elementos característicos estão presentes. Partimos de um evento do epílogo da trama original. Alguns “E Se?” são devidamente trabalhados. E em meio a tudo isso, revisitamos alguns dos acontecimentos marcantes da saga original, porque eles são espertos e sabem que no final a nostalgia falará mais alto e mesmo com alguns porém, qualquer fã gostará da história nem que seja um pouquinho.

Li em algum lugar que quando foi questionada sobre a escolha de ter optado por uma peça de teatro em vez de escrever um novo livro, a J.K. Rowling afirmou que esse era o único meio adequado para contar essa história. Ela não poderia estar mais certa. De fato, acredito que se eu a assistisse teria gostado muito mais. Toda a ambientação deve ter carregado o roteiro de magia. Como roteiro, é apenas isso, um roteiro. Mas, como fã agradeço por terem optado por publicá-lo, só que, também como fã, foi que algumas inconsistências na trama e algumas escolhas de caminhos seguidos, me irritaram. Na peça de certo boa parte deles seriam atenuados, se fosse um novo livro, eles seriam gritantes e dariam muito mais trabalho para a Rowling explicá-los. Eu realmente gostaria de ter mais explicações para a existência da Criança Amaldiçoada. Por tudo que conhecemos dos personagens envolvidos, a explicação não convence e no fim só nos resta engolir para que todo o resto não desmorone. Enfim, a leitura foi agradável, rápida, divertida e valeu por todo o saudosismo inerente. Mas, não é bom ir com muito afã ao pote, pois a decepção pode ser grande.

 

Leia uma amostra aqui:

Compre aqui:

Cultura Amazon Submarino Saraiva Travessa Fnac Fnac
Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s