Arquivo da tag: literatura norte-americana

Deuses Americanos (Neil Gaiman)

Em 1992 Gaiman foi morar nos Estados Unidos. E como imigrante recém-chegado naquele grande país, ele queria entende-lo, ainda que a tarefa na maior parte das vezes fosse impossível. E, como escrito, não há melhor forma de tentar conhecer algo do que escrever sobre ele. Apesar disso, a ideia de escrever sobre mitos e colocar os Estados Unidos no centro disso tudo só veio em 1998.

“Eu queria que o livro fosse uma série de coisas. Queria escrever uma história que fosse grandiosa, excêntrica e sinuosa, e escrevi, e ela era. Queria escrever uma história que incluísse todas as partes dos Estados Unidos pelas quais eu estava obcecado e encantado, que costumavam ser os pedaços que nunca apareciam nos filmes e nas séries de tevê. ” (Página 8)

Deuses Americanos realmente é uma história grandiosa (ultrapassa as quinhentas páginas, e os personagens viajam praticamente de costa a costa do país), excêntrica (tanto no humor quanto nos personagens bastante peculiares) e é sinuosa (Shadow e Wednesday viajam por encantos obscuros e atalhos, e sempre que você acha que sabe para onde a história está se encaminhando, lá vem Gaiman com suas reviravoltas retraçando os caminhos). Para escrever essa história que mistura deuses, romance investigativo e uma road trip inusitada, Gaiman colocou os pés na estrada. Todos os lugares que aparecem na história (ou pelo menos a maioria deles) foram visitados por ele. E, ainda que alguns lugares sejam conhecidos (quer sejam dos filmes ou das séries de tevê), foi uma experiência interessante conhecer tantos outros pelo ponto de vista do imigrante.

A edição publicada recentemente pela Editora Intrínseca é considerada como sendo o texto definitivo e a edição favorita de Gaiman. Ela é uma mistura das edições americana e inglesa, com a mistura dos textos pré e pós-edição e do texto impresso. A edição reformulada tem cerca de doze mil palavras a mais do que a edição original de 2001.

A história tem início com Shadow, um homem condenado a seis anos de prisão, mas que após cumprir três está prestes a ganhar a liberdade por bom comportamento. Tudo o que ele queria era retomar sua via junto à esposa. Mas, dois dias antes da sua soltura Laura morre e de repente Shadow já não tem mais para onde voltar. Ao sair ele conhece o misterioso Wednesday que lhe oferece um serviço. Shadow até reluta no início, mas acaba cedendo aos pedidos de Wednesday. Ambos então partem em uma longa viagem pelos Estados Unidos para angariar aliados para uma guerra iminente entre deuses velhos e novos. Continuar lendo

3 Comentários

Arquivado em Editora Intrínseca, Editoras Parceiras, Resenhas da Núbia

Estrelas Perdidas (Claudia Gray)

Claudia Gray é conhecida por seus romances YA (alguns não tão bem-sucedidos assim) e nunca imaginei que algum dia leria algo dela relacionado ao universo de Star Wars (e ela já escreveu mais um livro que logo será publicado por aqui!) mas, se tem algo que o universo expandido da franquia sempre permitiu foi a pluralidade de adaptações e formatos. E, há espaço para romances YA também, principalmente os que nada ficam a dever em termos de qualidade, boas tramas, narrativas envolventes, personagens cativantes e que fornecem informações e lançam pistas acerca do futuro do novo cânone.

Em Estrelas Perdidas acompanhamos a história de Ciena Ree e Thane Kyrell. Ambos nasceram no isolado planeta Jelucan na Orla Exterior, no mesmo ano do soerguimento do Império. Ela, pertencente a uma família descendente da primeira leva de colonizadores do planeta, os quais ocuparam os vales e vivem na pobreza. Ele, pertencente a uma abastada família da segunda leva de colonizadores. Oito anos após a queda da Velha República, Jelucan foi conquistada pelo Império e é nesse cenário de festa e demonstração do poderio aéreo imperial que ambos têm seu primeiro contato, motivados pelo sonho compartilhado de pilotarem as naves do Império. A partir daqui, acompanhamos a amizade crescente dos dois, os primeiros treinamentos de voo em conjunto (algo criticado pela família de ambos), os estudos preparatórios e a entrada na Academia Imperial. Mas, é lá naquela primeira apresentação dos dois (com direito a uma participação especial do Grão Moff Tarkin) que Gray deixa claro as principais diferenças entre Ciena e Thane, diferenças depois utilizadas muito apropriadamente por ela para fundamentar as escolhas dos personagens. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

A Lista Negra (Jennifer Brown)

capa-a-lista-negra

No dia 02 de maio de 2008 Nick Levil, um garoto de 16 anos, abriu fogo contra vários alunos na cantina do Colégio Garvin onde cursava o Ensino Médio. Um professor e alunos morreram e Nick se matou após o ato. Seria mais uma tragédia que a comunidade precisaria enfrentar, se Nick não fosse namorado de Valerie Leftman e se os atos da garota não tivessem influenciado nas escolhas das vítimas. Valerie e Nick criaram juntos uma lista contendo pessoas e coisas que eles odiavam. Na lista em sua maioria, figuravam aqueles que constantemente praticavam bullying. Nick usou a lista para escolher os alvos. Por outro lado, quando tudo aconteceu, Valerie foi atingida ao tentar detê-lo e acabou salvando a vida de uma colega que a maltratava. E agora, vilã ou heroína?

“A escola ainda não tinha decidido se eu era vilã ou heroína e acho que eu não posso culpá-los. Eu mesma estava tendo dificuldade para resolver isso. Será que eu fui a bandida que criou o plano para matar metade da minha escola ou a mocinha que se sacrificou para acabar com a matança? Em alguns dias eu me sentia as duas. Em outros, não me sentia nem bandida nem mocinha. Era muito complicado. ” (Página 13)

Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Star Wars – Um Novo Amanhecer (John Jackson Miller)

star-wars-um-novo-amanhecer

Um Novo Amanhecer cronologicamente se passa oito anos após a Trilogia Prequela, e, apesar de fazer parte do cânone de Star Wars, basicamente traz a história de como o “ex-jedi” Kanan Jarrus conheceu a piloto/espiã Hera Syndulla. Ambos são personagens principais da série de desenho animado Star Wars Rebels, que como o próprio nome sugere, expande mais o nosso conhecimento sobre a Aliança Rebelde. O livro que pode ser considerado como a primeira aventura da Saga Rebels pode não acrescentar muitas informações acerca do Universo Star Wars, mas John Jackson Miller entregou uma história repleta de personagens cativantes e com uma narrativa envolvente que te prende desde as primeiras páginas.

“Vinha peregrinando por aí desde aquele dia sombrio, anos antes. O mais sombrio dos dias. O dia em que sua vida, como ele a conhecia, desmoronou; foi destroçada por algo que, na época, ele sequer tinha compreendido. Ainda não compreendia muito bem. Lá estava ele, com quatorze anos, completamente dependente da Ordem Jedi para tudo: comida, abrigo, educação e segurança. Amor, talvez não; mas pelo menos tinha estabilidade, paz e bom senso.

E, então, de repente, a República e seus soldados clone se voltaram contra o Jedi. ”

(Página 88)

Kanan Jarrus foi um dos poucos (único?) aprendizes de Jedi que sobreviveram à Ordem 66. No caso dele, foi o sacrifício de sua mestre que lhe garantiu a chance de fugir. Desde então ele tem vivido na clandestinidade, evitando criar problemas com o Império. O personagem Miller já encontrou pronto, mas ele conseguiu contribuir para a construção de um histórico contundente para o personagem e deixou-o cativante o suficiente para deixar no leitor a vontade de continuar acompanhando suas aventuras na série animada. Kanan é um protagonista com aspectos que vão além da bondade e da calma atribuídas aos Jedi. Por tentar negar seu passado, inicialmente por puro terror de ser encontrado e morto pelas forças imperiais e depois para se proteger das perdas que o soerguimento do Império causou, Kanan se tornou um casca grossa. Bebe para esquecer, leva uma vida errante desde sua primeira fuga, tentando ao máximo evitar criar laços e com um ânimo um tanto esquentado com uma leve tendência a entrar em brigas. Depois de tantos anos fugindo, tornou-se especialista em manter-se longe dos radares imperiais. Mas, depois dos acontecimentos no planeta Gorse, onde sua permanência já se estende por um bom tempo, ele não conseguirá ficar sem agir. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

O Polegar do Violinista (Sam Kean)

opolegardoviolinista

Sam Kean é jornalista dedicado à divulgação científica, dos mais variados campos. Seu primeiro livro A Colher que Desaparece (já resenhado pela Mari aqui no blog) envereda pelo mundo dos elementos químicos; no mais recente, O Duelo dos Neurocirurgiões, ele traz histórias de curiosidade neurológicas; e, em O Polegar do Violinista o DNA é a grande estrela. Aqui ele narra a história da genética e os avanços que têm revolucionado nossa maneira de entender o passado e moldar nosso futuro.

“(…) a história do DNA substituiu as antigas aulas sobre a civilização ocidental como a grande narrativa da existência humana. A compreensão do DNA pode nos ajudar a entender de onde viemos e como nosso corpo e nossa mente funcionam; entender os limites do DNA também nos ajuda a conhecer como nosso corpo e nossa mente não funcionam.

(…)

(…) as questões ainda não estão totalmente resolvidas. As coisas ainda são incertas – em especial o problema de como vai acabar esse grande experimento de desenterrar tudo que há para saber sobre o nosso DNA. ”

(Páginas 14 e 15)

São dezesseis capítulos e um epílogo nos quais Kean narra o passo-a-passo das principais descobertas científicas, mas não se restringe apenas a elas. Ele faz um ótimo trabalho ao garimpar a história de cada um desses momentos: as relações sociais, as convicções políticas e as profundas mudanças ocorridas nas épocas em que elas aconteceram. Tudo isso com um texto claro e envolvente, de fácil compreensão, com exemplos e comparações certeiras e várias e várias notas diretas e até mesmo digressivas. E elas são tantas que muitas tiveram de ser suprimidas por falta de espaço. Aos mais curiosos recomendo que visitem o site do autor. Além das notas adicionais, há figuras, links, jogos e vídeos que tornarão a leitura ainda mais enriquecedora (em inglês). Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

O Martelo de Thor (Rick Riordan)

Atenção, esta resenha trata sobre os acontecimentos do segundo livro da trilogia Magnus Chase e os Deuses de Asgard. Por isso, pode conter spoilers, revelando parte do conteúdo do livro anterior. Para saber o que eu achei do primeiro livro, confira os links no final desta resenha.

omartelodethor

“Desde que eu renasci, me acostumei a muitas coisas esquisitas. Viajei pelos nove mundos e conheci deuses nórdicos, elfos, anões e um bando de monstros com nomes impronunciáveis. Encontrei uma espada mágica, atualmente pendurada no meu pescoço na forma de um pingente de runa. E até tive uma conversa muito louca com minha prima Annabeth sobre os deuses gregos, que habitavam Nova York e dificultavam a vida dela. Aparentemente, os Estados Unidos estavam infestados de deuses antigos. Era uma verdadeira praga. ” (Página 14)

Acho que já posso admitir que perdi a imparcialidade para falar dos livros do Rick Riordan, pelo menos das suas obras dedicadas ao público jovem. Nem eu mesma imaginava que acabaria sendo sugada para suas narrativas e que iria gostar tanto dessa história de moradias dos desuses estarem espalhadas pelo Estado Unidos. Isso foi justamente o que me fez torcer o nariz para Percy Jackson e o Ladrão de Raios! Mas, aos poucos os personagens foram me cativando e Riordan demonstrando que essa história de dar uma repaginada nos seres mitológicos tinha muito potencial. Começamos com um Acampamento em Long Island (Nova York), fizemos uma parada ocasional em uma Casa no Brooklyn (NY), nos enveredamos por outro Acampamento nas Oakland Hills (São Francisco) e agora somos hóspedes do Hotel Valhala em Boston. E assim como Magnus, já percebemos que ter divindades mesoamericanas ou (insira sua mitologia favorita aqui) zanzando pelos Estados Unidos não seria de todo surpreendente e é algo que Riordan pode nos presentear daqui a pouco. E bem que ele podia mesmo. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Editora Intrínseca, Editoras Parceiras, Resenhas da Núbia

Biblioteca de Almas (Ransom Riggs)

bibliotecadealmas

“Apenas uma história. Mas nunca era apenas uma história. Isso tinha se tornado uma das verdades definidoras da minha vida, pois por mais que eu tentasse manter as histórias aplanadas, bidimensionais, presas em papel e tinta, sempre havia aquelas que se recusavam a ficar restritas ao interior dos livros. Eu sabia: uma história tinha engolido toda a minha vida. ” (Página 330)

Em Biblioteca de Almas, enquanto todos os outros acabaram capturados, apenas Emma, Jacob, Addison e Sergei escaparam dos acólitos, e, ainda que o tempo presente possa ser um forte atrativo à Jacob, eles precisam se enveredar por outra fenda, o Recanto do Demônio, uma espécie de purgatório dos peculiares e local onde fica o quartel-general dos acólitos, para onde eles estão levando todas as suas vítimas. No Recanto do Demônio os garotos terão mostras do quão decantes a vida dos peculiares podem se tornar, Jacob descobrirá mais sobre a sua origem e seus poderes, os eventos envolvendo a catástrofe que deu origem aos etéreos finalmente serão revelados, e uma lenda, uma invenção engenhosa e os verdadeiros planos de Caul virão à tona. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Editora Intrínseca, Editoras Parceiras, Resenhas da Núbia

Ms. Marvel – Nada Normal (Wilson & Alphona)

ms_marvel_nadanormalcapa

Paquistanesa. Mulçumana. Adolescente. Mulher. Kamala Khan é uma garota comum de New Jersey, com um traço de rebeldia contra as restrições de sua cultura familiar. Historicamente Kamala é expoente de todos os elementos que a deixam à margem da sociedade americana (e há personagens para nos lembrar disso), mas quis a roteirista G. Willow Wilson (acertadamente) garantir o protagonismo à uma personagem que de outra forma estaria renegada aos papeis secundários.

ms_marvel_alphona_concept_art

Com muitas referências aos Vingadores, dos quais Kamala é praticamente presidente do fã-clube, e uma providencial bomba terrígena, Wilson e Adrian Alphona (responsável pelos desenhos) nos apresentam a novíssima Miss Marvel. Uma garota sem papas na língua, destemida, com todas as suas inseguranças de adolescente e que agora precisa lidar com seus novos poderes, e com a imagem de heroína que ela acha que deve e a que ela precisa mostrar para a sociedade e para si mesma. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Nimona (Noelle Stevenson)

nimona

Noelle Stevenson entrou no meu radar com a obra Lumberjanes, uma série em quadrinhos que acompanha as aventuras de cinco amigas que vão passar o verão num acampamento de escoteiros. Uma série criada por mulheres (além de Noelle, Grace Ellis, Shannon Watters e Brooke Allen também respondem pela autoria) e protagonizadas por personagens femininas, da qual só ouvi elogios de quem já conferiu e que acaba de chegar ao Brasil pela Devir. Lumberjanes chamou minha atenção para a ilustradora, e Nimona me deu a certeza de que quero continuar acompanhando seus trabalhos.

Nimona surgiu como uma webcomic, a Noelle publicava uma página por semana no seu Tumblr. E fez tanto sucesso, que a HarperCollins comprou os direitos de publicação antes mesmo da série ser finalizada. A hq foi publicada, com algumas modificações, em 2015.

A trama mistura elementos de cavalaria, magia e ciência, e conta com uma protagonista que encarna a anti-heroína, com ideias ferrenhas e um tanto exacerbadas e um visual que foge de todos os estereótipos. Nimona cativa por quem ela é, mesmo com sua sede pelo mau feito e pelos ânimos um pouco exaltados, mas, principalmente pelo seu humor, sua característica peculiar de se metamorfosear e sua independência. Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em Editora Intrínseca, Editoras Parceiras, Resenhas da Núbia

Cidade dos Etéreos (Ransom Riggs)

cidade-dos-etereos

No segundo volume da série O Lar da Srta. Peregrine reencontramos as crianças exatamente onde Riggs as deixou: tendo de abandonar a fenda temporal de Cairnholm e a casa que durante muito tempo chamaram de lar. Jacob escolhera ficar e ajudá-los a curar a Srta. Peregrine presa indefinidamente na forma de ave.

“Éramos dez crianças e uma ave em três pequenos barcos instáveis, remando em silêncio, com vontade, para alto-mar, deixando para trás rapidamente a única baía segura em quilômetros, que se exibia rochosa e mágica à luz azul-dourada do amanhecer.

(…)

… o mundo que eu escolhera, tudo o que eu tinha nele, nossas preciosas vidas peculiares, tudo contido em três lascas de madeira à deriva sobre o olho vasto e sempre aberto do mar. ” (Página 17)

 

A linguagem gráfica, tão característica da série, continua efetiva e Riggs insere também elementos da cultura peculiar por meio do livro fábulas “Contos Peculiares” (já publicado pela Intrínseca) que também têm sua importância para o desenvolvimento da história.

E, se no primeiro livro a descoberta coube inteiramente à Jacob, neste volume a aventura é de todas as crianças. Partir de Cairnholm e ir em busca de outra ymbryne que possa ajudar a Srta. Peregrine, as lança em uma jornada pelas fendas temporais, desbravando novos tempos (na verdade, velhos tempos), esbarrando com outros peculiares, descobrindo novos poderes e enfrentando situações de vida e morte. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Editora Intrínseca, Editoras Parceiras, Resenhas da Núbia