Quarto de Despejo (Carolina Maria de Jesus)

“Quando estou na cidade tenho a impressão que estou na sala de visita com seus lustres de cristais, seus tapetes de viludos, almofadas de sitim. E quando estou na favela tenho a impressão que sou um objeto fora de uso, digno de estar num quarto de despejo.”

 (página 37)

Se você é leitor, acompanha perfis literários ou mesmo nos estudos de literatura na escola, é bem provável que já tenha ouvido falar em Carolina Maria de Jesus. Mulher preta, favelada, catadora de papel e sem estudo formal que encontrou na expressão das palavras, pousadas nas folhas usadas nos cadernos achados em sua lida diária, a força para enfrentar os percalços e a triste realidade daqueles a quem todo o restante da sociedade quer tornar mais invisíveis do que já são.

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Leia Mulheres, Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Colecionando Textos #86

*Feito no Canva.

Deixe um comentário

Arquivado em Colecionando Textos

Rinha de Galos (María Fernanda Ampuero)

Rinha de Galos é uma coletânea de treze contos. Treze histórias nas quais María Fernanda Ampuero traz a realidade para a ficção e escancara a violência, em suas mais variadas facetas, mas sempre ali, tendo as mulheres como principais vítimas de suas vorazes garras. “Acho que escrevo como escrevo porque estou furiosa, porque a violência contra os mais fracos, principalmente meninos, meninas e mulheres, me enche de raiva e não sei como lutar para tornar visível toda essa violência. Escrevo para gritar, acho. Escrevo gritando.” Ressignificar, amplificar e divulgar a realidade, talvez seja um dos papeis mais significativos da literatura e Ampuero o faz com maestria. Com um texto potente e envolvente que escancara o Equador, mas que também ressoa muito o cotidiano de toda a América Latina.

“Certa noite, a barriga de um galo estourou enquanto eu o carregava nos braços como se fosse uma boneca, e descobri que aqueles homens tão machos que gritavam e atiçavam para que um galo rasgasse o outro de cima a baixo tinham nojo da merda, do sangue e das vísceras do galo morto. Assim, eu passava essa mistura nas mãos, nos joelhos e no rosto, e eles paravam de me importunar com beijos e outras idiotices.” (Página 9).

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia, Volta ao Mundo em 198 Livros

Colecionando Textos #85

*Feito no Canva.

Deixe um comentário

Arquivado em Colecionando Textos

É assim que se perde a guerra do tempo (Amal El-Mohtar & Max Gladstone)

“Eu aprecio a sua sutileza. Nem toda batalha é grandiosa, nem toda arma é violenta. Mesmo nós que lutamos guerras através do tempo esquecemos o valor de uma palavra no momento certo, um ruído no motor do carro certo, um prego na ferradura certa… É tão fácil esmagar um planeta que o valor de um sopro em um banco de neve pode passar despercebido.” (Página 20).

Um dia em um campo de batalha Red encontra uma carta. Nela está escrito: “Queime antes de ler”. A carta é de Blue, outra agente, de uma facção rival. Uma carta de admiração? Uma armadilha? Uma declaração de uma vitória vindoura? Começa assim, uma correspondência entre Red e Blue.

            Entender o que são as personagens criadas por El-Mohtar e Gladstone não é tarefa fácil. São androides? Algo mais místico e fantasioso? Além do fato de que podemos associar Red a elementos cibernéticos e Blue a elementos vegetais nada mais nos é revelado. Mas, tirando as características que as colocam em campos distintos na batalha esmiuçada na trama, suas características físicas se tornam meros detalhes perante as características psicológicas de cada uma.

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Companhia das Letras, Editoras Parceiras, Resenhas da Núbia

Colecionando Textos #84

*Feito no Canva.

Deixe um comentário

Arquivado em Colecionando Textos

Ponto Cardeal (Léonor de Récondo)

“Quanto tempo é preciso para a gente ser a gente mesmo? E eu gostaria de perguntar isso a todos os que não precisam trocar de sexo. Quantos anos, décadas, para estar em conformidade? Conformidade de corpo, conformidade de sonhos, conformidade de pensamentos, com aquilo que somos profundamente, esta matéria bruta da qual sobram uns poucos restos antes que ela seja forjada, alisada, remendada pela sociedade, pelos outros e seus olhares, nossas ilusões e nossas feridas.” (Página 75).

A trama de Ponto Cardeal tem início com Mathilda se despindo e dando lugar à Laurent e sua vida baseada na negação dos seus anseios mais secretos. É assim que Récondo nos apresenta seu/sua protagonista, com seu sentimento permanente de inconformidade, sua experiência com a travestilidade e seu processo em direção à transexualidade.

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Colecionando Textos #83

*Feito no Canva.

Deixe um comentário

Arquivado em Colecionando Textos, Resenhas da Núbia

Antropoceno: Notas Sobre a Vida na Terra (John Green)

“Maravilhando-me com a perfeição daquela folha, fui lembrado de que a beleza estética depende tanto de como e se você olha quanto do que vê. Do quark à supernova, as surpresas não acabam. O que está em falta é a nossa atenção, nossa habilidade e disposição para fazer o trabalho que a admiração requer.” (página 53)

Depois de me debulhar em lágrimas ou chorar de rir com as histórias ficcionais de John Green, quem poderia imaginar que na não ficção ele conseguiria o mesmo feito? Conseguiu, e com louvor.

Em Antropoceno: Notas Sobre a Vida na Terra, Green traz uma série de textos curtos sobre os mais variados temas: música, pandemias, extinção da vida na terra, dinossauros, cinema, aquecimento global… Cada texto é finalizado com uma escala de estrelas, de uma a cinco, como nas resenhas de livros, mas estendendo essa experiência para a vida.

Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Colecionando Textos #82





*Feito no Canva.

Deixe um comentário

Arquivado em Colecionando Textos, Resenhas da Núbia