Gone, Baby, Gone (Dennis Lehane)

Atenção, esta resenha trata dos acontecimentos do quarto livro da série dos detetives Kenzie & Gennaro e pode haver spoilers (evitados ao máximo) sobre fatos dos livros anteriores. Para saber o que eu achei dos outros livros, confira os links no final desta resenha.

Sobre Meninos e Lobos me apresentou à escrita do Dennis Lehane, mas foi Gone, Baby, Gone que me apresentou aos seus personagens mais icônicos: os detetives particulares Patrick Kenzie e Angela Gennaro. Quando conheci Lehane lá no ensino médio, logo ele se tornou um dos meus autores favoritos de ficção policial. Ao longo dos anos isso nunca mudou e quando embarquei nessa empreitada de ler os livros da série Kenzie e Gennaro na ordem cronológica, achei que talvez a releitura de alguns de seus livros não fosse funcionar. Mas, tantos anos depois, a trama de Gone, Baby, Gone conseguiu me deixar presa às páginas, fissurada nos acontecimentos e com aquela sensação de soco no estômago que Lehane consegue imprimir tão bem com sua narrativa.

No caso da vez, lidamos com o desaparecimento da garotinha Amanda no veranico de 1997, em Boston. Para ser ainda mais precisa, na região em que Patrick e Angie moram. Amanda desapareceu de seu quarto enquanto a mãe estava na casa da vizinha e o apartamento em que morava ficara destrancado. O caso da garota não demora a virar comoção popular e a falta de resposta acaba levando Beatrice e Lionel (tios de Amanda) a procurar a ajuda de Kenzie e Gennaro. Um trabalho que eles não querem aceitar, não porque encontrar crianças desaparecidas não seja um trabalho válido, mas porque as perdas recentes e a violência escancarada tão próxima de suas vidas os levaram a questionar se realmente querem permanecer nessa vida.

“(…) nada é mais ensurdecedor que o silêncio da criança desaparecida. É um silêncio de setenta a noventa centímetros de altura, e você o sente em seu quadril e o ouve erguendo-se das tábuas do soalho, gritando para você de todos os cantos, de todos os recantos, e do rosto impassível de uma boneca caída ao lado da cama. É um silêncio diferente do silêncio que fica depois dos enterros e dos velórios. O silêncio dos mortos exprime o sentimento de conclusão; é um silêncio ao qual você sabe que terá de se acostumar. Mas o silêncio de uma criança desaparecida mão é algo a que você queira se acostumar; você se recusa a aceitá-lo, por isso ele berra na sua cara. ” (páginas 35 e 36)

E é claro que eles não conseguem se manter afastados. Quando eles descobrem mais sobre Amanda, por causa da tenacidade de Beatrice, e Angie percebe o desinteresse de sua mãe Helene, mais do que nunca ela fica determinada a encontrar a garotinha. O desaparecimento de Amanda perpassa pelo tráfico de drogas no território de Dorchester e a disputa pelo poder. Não demora para Angie e Patrick embarcarem em uma busca frenética, envolvendo chefões do tráfico, detetives da Brigada de Proteção à Criança e a participação sempre mais do que esperada do peculiar Bubba, e acabarem desembocando em vários outros casos de violência escancarada contra crianças. É, não é uma leitura fácil. Desta vez Lehane consegue mexer muito bem com esse nervo exposto. É impossível passar incólume.

Mais uma vez Lehane nos mostra como é hábil ao desenrolar sua trama por caminhos insuspeitos. As reviravoltas não são forçadas e, ainda que surpreendentes, quando analisadas no contexto geral da trama fazem todo sentido. Ele também não deixa de tocar em assuntos espinhosos, como a problemática das leis que colocam criança em risco e que fazem pessoas desesperadas acabarem procurando desvios fora do radar legal em momentos de desespero. E faz o leitor questionar, junto com seus personagens, se fazer o certo realmente é o melhor caminho. Para finalizar, ele não deixa de retomar antigos personagens como os policiais Devin e Oscar, o próprio Bubba e o advogado de Patrick, Cheswick Hartaman, além de revirar os esqueletos no armário de Kenzie e Gennaro. O que transparece ainda mais a necessidade de seguir a linha temporal imaginada pelo autor e não ler os livros de forma avulsa. Faltam dois livros para eu finalizar a série, mas já estou com saudades da Angie e do Patrick.

 

Leia uma amostra aqui: 

Conheça a série:

Compre aqui:

Amazon Fnac

Deixe um comentário

Arquivado em Desafios Literários, Lendo aleatoriamente, Resenhas da Núbia

Gostou do post, então comenta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s